Quarta-feira, 13 de Julho de 2011

Epitáfio, de Políbio Gomes dos Santos

 

 

 


 

 

Menino, bem menino, fiz o meu balão

Papel de seda às cores...

- Tantas eram!

Ai, nunca mais as vi, nos olhos se perderam.

Quando a tarde morria o meu balão subiu

E tão direito ia, tão veloz correu

Que eu disse: "Vai tombar a Lua

E talvez queime o céu."

 

Anoiteceu.

E no horizonte o meu balão era uma rosa

Vermelha, não minha, aflitiva,

Murchando,

Poisando na água pantanosa

De além.

 

Ninguém o viu.

 

Ninguém colheu a angústia dum balão ardendo.

Somente a água verde rebrilhou acesa,

Clamorosa e podre,

Como nos incêndios de Veneza

E rãs, acreditando o mal mortal e seu

Foram fugindo, pela noite fria,

Do balão que ardeu.

 

Ó tu, quem sejas, o balão fui eu!

 

 

 

publicado por João Machado às 07:00
link | favorito
Sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Momento…, por Políbio Gomes dos Santos

 

 

 

 

 

 

 

 

…………………………

 

Não sei qual seja agora o meu querer:

Se ver-te para não ter mais saudades

Se as saudades de te ver,

Que ver-te a dois passos me faz desejar-te

Mais perto

E mais perto

Esmagada comigo

Num rito brutal ─ os dois sangues trocados!

 

Mas eu sei que ficaremos

Separados

Como valvas de marisco

No cisco da praia!

─ Duas peças do engenho de Deus

Avariado,

Enquanto o Homem não descobre o Mundo.

publicado por João Machado às 10:00
link | favorito
Sexta-feira, 10 de Junho de 2011

Soneto, de Políbio Gomes dos Santos

 

 

 

 

 

 

 

Ao longe, surge a lua pálida e formosa

lançando sobre a terra o manto de luar;

oiro subtil que paira p´ra nos encantar,

enquanto a brisa esparge o bálsamo de rosa

 

Mirando, além a tua casa silenciosa

recordo-me dos planos feitos a sonhar;

perdidos, como o fumo que se vai p’lo ar,

numa tarde serena da estação calmosa.

 

Remiro a tua casa e o meu pensamento

transporta-se veloz e atinge, num momento,

esse quarto, que habitas, em terra distante.

 

E, vejo-te a dormir; tão formosa, tão bela,

que o luar atravessa os vidros da janela

e beija-te na face, louco, delirante.

 

Este poema de Políbio Gomes dos Santos, foi escrito em Ansião, no dia 9 de Setembro de 1930, e foi publicado no n.º 1 do jornal Novo Horizonte, saído em 1 de Janeiro de 1931. O poema e esta informação foram obtidos de Ansianenses ilustres, de Manuel Augusto Dias, a quem VerbArte cumprimenta e agradece.

 

 

publicado por João Machado às 10:00
link | favorito
Terça-feira, 24 de Maio de 2011

À Memória de Políbio Gomes dos Santos, por Vitorino Nemésio

 

 

 

 

 

Vitorino Nemésio escreveu este poema em Agosto de 1939, poucos dias depois da morte de Políbio Gomes dos Santos. Está incluído no livro Eu, Comovido a Oeste.

 

 

O poeta que morreu entrou agora,

Não se sabe bem onde, mas entrou,

Todo coberto de demora,

No bocado de noite em que ficou.

 

As ervas lhe desenham

Seu espaço devido:

Depressa, venham

Lê-lo no chão os que o não tenham lido.

 

Que o sorriso que o veste

Já galga como um potro

As coisas tenebrosas,

E esquecido – só outro:

Este

Nem precisa de rosas.

 

 

De Vitorino Nemésio. Incluído em Eu, Comovido a Oeste.

publicado por João Machado às 10:00
link | favorito
Quarta-feira, 11 de Maio de 2011

Génesis, de Políbio Gomes dos Santos

 

 

 

 

 

 

 


 

 

O mundo existe desde que eu fui nado.

Tudo o mais é um… era uma vez

- A história que se contou.

 

No princípio criou-se o leite que mamei

E eu vi que era bom e chorei

Quando a fonte materna secou.

 

A terra era sem forma

E vazia;

Havia trevas no abismo.

 

E formou-se o chão

E amassou-se o pão

Que eu comi.

(Era este aquela esponja que eu mordia,

Que eu babava,

Que eu sujava,

Que uma gente andrajosa pedia).

 

E então se fez

A geração remota dos papões:

Nascera a esmola, o medo, a prece

E o rosto que empalidece…

E a rosa criou-se,

Desejada,

E logo o espinho,

A lágrima,

O sangue.

Este era vermelho e doce,

A lágrima doce, brilhante, salgada;

No espinho havia o gosto

Da vingança perfumada.

 

E eu vi que tudo era bom.

E fizeram-se os luminares,

Porque eu tinha olhos,

E o som fez-se de cantares

E de gemidos,

Porque eu tinha ouvidos.

Nasceram as águas

E os peixes das águas

E alguns seres viventes da terra

E as aves dos céus.

O homem que então era vagamente feito,

Dominou o homem, comprimiu-lhe o peito,

E fizeram-se as mágoas

E o adeus,

 

E eu vi que tudo era bom.

 

A mulher só mais tarde se fez:

Foi duma vez

Em que eu e ela nos somámos

E ficamos três.

 

Nisto e no mais se gastaram

Sete longuíssimos dias,

O mundo era feito

E embora por tudo e nada imperfeito,

Eu vi que era bom.

 

Acaba o mundo

Quando eu morrer.

Sim… será o fim!

Também tu deixas de existir,

No mesmo dia.

 

E o resto que seguir

É profecia.

 

 

Extraído de As Três Pessoas, Coimbra, Portugália, 1938

publicado por João Machado às 10:00
link | favorito
Sábado, 19 de Março de 2011

Génesis, de Políbio Gomes dos Santos

 

´

 

 

 

 

 

 

O mundo existe desde que eu fui nado.

Tudo o mais é um... era uma vez

- A história que se contou.

 

No princípio criou-se o leite que mamei

E eu vi que era bom e chorei

Quando a fonte materna secou.

 

A terra era sem forma

E vazia;

Havia trevas no abismo.

 

E formou-se o chão

E amassou-se o pão

Que eu comi.

(Era este auela esponja que eu mordia,

Que eu babava,

Que eu sujava,

Que uma gente andrajosa pedia).

 

E então se fez

a geração remota dos papões:

Nascera a esmola, o medo, a prece

E o rosto que empalidece...

E a rosa criou-se,

Desejada,

E logo o espinho,

A lágrima,

O sangue.

Este era vermelho e doce,

A lágrima doce, brilhante, salgada;

No espinho havia o gosto

Da vingança perfumada.

 

E eu vi que tudo era bom.

 

E fizeram-se os luminares

Porque eu tinha olhos,

E o som gez-se de cantares

E de gemidos, Porque eu tinha ouvidos.

Nasceram as águas

E os peixes das águas

E alguns seres viventes da terra

E as aves dos céus.

O homem que então era vagamente feito,

Dominou o homem, comprimiu-lhe o peito,

E fizeram-se as mágoas

E o adeus.

 

E eu vi que tudo era bom.

 

A mulher só mais tarde se fez:

Foi duma vez

Em que eu e ela nos somámos

e ficámos três.

 

Nisto e no mais se gastaram

Sete longuíssimos dias.

 

O mundo era feito

E embora por tudo e por nada imperfeito,

Eu vi que era bom.

 

Acaba o mundo

Quando eu morrer.

Sim... será o fim!:

Também tu deixas de existir,

No mesmo dia.

 

E o resto que se seguir

É profecia. 

 

publicado por João Machado às 10:00
link | favorito
Segunda-feira, 14 de Março de 2011

Voz Que Escuta, de Políbio Gomes dos Santos

Apresentamos novamente este texto para recordar o centenário deste grande poeta, com uma obra escassa, mas que merece ser lembrada. 

João Machado

 

 

No corrente ano de 1911 faz cem anos que nasceu Políbio Gomes dos Santos. No mesmo ano nasceram Manuel da Fonseca e Alves Redol, conforme já foi lembrado aqui no VerbArte. Políbio Gomes dos Santos faleceu em 1939, de tuberculose. No mesmo ano concorrera aos Jogos Florais Universitários de Coimbra, vencendo o prémio António Nobre, com um volume de poemas que mais tarde foi incluído no Novo Cancioneiro, e publicado em 1944. Esse volume tomou o título de Voz Que Escuta, de um dos poemas nele incluídos. Políbio Gomes dos Santos publicara anteriormente, em 1938, As Três Pessoas, outro livro de poemas, que Alexandre Pinheiro Torres, na apresentação que faz do poeta e da sua obra, incluída na edição da Caminho do Novo Cancioneiro saída em 1989, considera indispensável ler para se poder apreciar inteiramente o segundo volume da obra. 

 

Apresento-vos a seguir Poema da Voz Que Escuta, para recordarmos Políbio Gomes dos Santos e a sua obra, neste ano em que se completa o centenário do seu nascimento:

 

Chamam-me lá em baixo.

São as coisas que não puderam decorar-me:

As que ficaram a mirar-me longamente

E não acreditaram;

As que sem coração, no relâmpago do grito,

Não puderam colher-me.

Chamam-me lá em baixo, 

Quase ao nível do mar, quase à beira do mar,

Onde a multidão formiga

Sem saber nadar.

Chamam-me lá em baixo

Onde tudo é vigoroso e opaco pelo dia adiante

E transparente e desgraçado e vil

Quando a noite vem, criança distraída,

Que debilmente apaga os traços brancos

Deste quadro negro - a Vida.

Chamam-me lá em baixo:

Voz de coisas, voz de luta.

É uma voz que estala e mansamente cala

E me escuta. 

 

 

publicado por João Machado às 10:10
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links