Segunda-feira, 28 de Fevereiro de 2011
Chuva da minha nuvem - Adão Cruz

coordenação de Augusta Clara de Matos

 

 

 

Adão Cruz  Chuva da minha nuvem

 

 (ilustração de Adão Cruz)

 

 

 

Chuva da minha nuvem água da minha sede…

 

Com treze anos ou vinte somos a forma sublime uma espécie de sal e água.

 

Não somos a dimensão da vida mas criamos salinas nas margens do espaço.

 

O espaço era verde o espaço era verdade e a dimensão acertou o passo pelos passos da idade quando a idade nos diz que não há margens no espaço nem salinas de verdade.



publicado por Augusta Clara às 14:00
link do post | comentar

Sábado, 26 de Fevereiro de 2011
Quase nuas - Adão Cruz

coordenação de Augusta Clara de Matos

 

 

 

 Adão Cruz  Quase nuas

 

 (ilustração de Adão Cruz) 

 

 

Quase nuas quase silêncio as palavras quase música fendem como lâminas as sombras dos dias ocultos.

 

Quase nuas quase silêncio as palavras quase música dizem a quem as ouve que há sol para lá da chuva.

 

Quase nuas quase silêncio as palavras quase música são água de quem as lê nas entrelinhas da secura.

 

Quase nuas quase silêncio quase cor as palavras quase música dizem a quem as sente que não há forma de ser por fora das palavras nuas.

 



publicado por Augusta Clara às 14:00
link do post | comentar

Domingo, 15 de Agosto de 2010
O trigo e o joio

Adão Cruz


(Jesus disse: O Reino dos Céus é semelhante ao homem que semeia boa semente no seu campo…).

“Nos braços ou à cabeça, são milhares os sacos de trigo que os peregrinos trazem e deixam em Fátima durante a missa internacional da Peregrinação do Migrante e Refugiado. A oferta, que se repete todos os anos no 13 de Agosto, destina-se ao fabrico das hóstias do Santuário e assegura parte da produção anual. No ano passado, ultrapassou as seis toneladas.

Os peregrinos, incluindo muitos milhares de emigrantes, saíram ontem de Fátima mais leves depois da missa de encerramento, ao final da manhã. No Santuário ficam algumas toneladas de trigo - 6440 quilos em 2009 e 5543 no ano anterior - que servem para fabricar parte das 20 mil hóstias e quase milhão e meio de partículas (hóstias pequenas) consumidas todos os anos no Santuário”.

Ao ler “Vaticano S.A.” de Gianluiggi Nuzzi, o mais recente livro sobre este tenebroso “Estado”, um livro impossível de contestar, dado que constitui a análise dos quatro mil ficheiros de Monsenhor Renato Dardozzi, que foi durante vinte anos conselheiro das figuras mais importantes na gestão do IOR (instituto de obras religiosas), o banco central da Igreja, fica-se estarrecido.

Durante trinta anos este cardeal Dardozzi foi guardando secretamente todo este material escaldante numa cave onde ninguém entrava. Sabe-se lá se na esperança de que tal mar de lava arrefecesse, ou se tornasse numa espécie de aforro para a libertação da sua consciência na hora da morte. Parece ter sido este o objectivo, dado que no final da vida, Dardozzi determinou que este arquivo se tornasse público.

Por mim, que tanto tenho lido sobre o Vaticano e a Igreja, nunca li nada que tanto afundasse a Igreja Católica na lama e na podridão. É inimaginável, quase inacreditável, ao ponto a que pode chegar uma instituição destas, em termos de falsidades, hipocrisia, fraudes e crimes financeiros, lavagens de dinheiro, crimes de toda a ordem, intrigas políticas, promiscuidades com o sub-mundo, concubinatos com tudo o que há de pior na área da corrupção, desde a máfia, a ministros e até primeiros-ministros, grandes empresários, bancos reais e inexistentes, empresas e instituições fictícias, agentes imobiliários, grandes famílias multimilionárias, governos corruptos e ditatoriais. O exemplo, entre muitos, da ENIMONT, o megasuborno, é elucidativo. Mas está longe de ser o principal. À frente de tudo, com todas as bênçãos papais, o misterioso comandante e estratega sem escrúpulos Monsenhor De Bonis.

O ISTITUTO PER LE OPERE DE RELIGIONE (IOR), banco central da Igreja Católica, é, incontestavelmente, por tudo o que se encontra testemunhado e documentado neste livro e em muitos outros, um antro de incomensuráveis crimes, com a excepcional vantagem de ser praticamente intocável e ter como capa, sempre, o rótulo de celeiro onde cai o trigo dos ingénuos, para alimentar os desvalidos e os famintos da terra. E não se pense que tudo isto é obra de meia dúzia de santos bandidos, secretamente fechados nos seus sagrados gabinetes, que se levantam a rezar e se deitam a cogitar na fraude do dia seguinte. Desde os papas, sem excepção, (tudo o que está escrito faz crer que a sua inocência é puro lirismo), descendo toda a cascata mais importante por aí abaixo, o Vaticano sabe bem quem é, o que é, o que faz e o que quer.

São Rios de dinheiro que passam, inexplicavelmente e impunemente, pelo IOR. As contas existentes nos documentos de Dardozzi são tão visíveis como contas de mercearia, embora ninguém saiba na maior parte das vezes como entram estes rios, como saem, onde vão desaguar, como voltam à nascente com caudal maior do que na foz, para chegarem novamente à foz em forma de cheia. Já em 1987, (pelo que se lê e está documentado), o que será agora (!) as somas de transacções, transferências, negócios secretos, depósitos em contas que se abrem e se fecham de um dia para o outro entre titulares com nomes fictícios, eram muitas vezes, imagine-se (!) da ordem dos biliões de euros (!)

Perante a notícia que li hoje de manhã, Peregrinos deixam toneladas de trigo para hóstias no Santuário, enquanto tomava tranquilamente o meu café, tive de intervalar a leitura com uns goles de sumo de laranja, a fim de impedir o vómito.


publicado por Carlos Loures às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (1)

Domingo, 4 de Julho de 2010
Francisco Relógio no Terreiro da Lusofonia

Francisco Relógio é o artista plástico que hoje trazemos ao Terreiro da Lusofonia. Cores e formas de Portugal, portanto. Nasceu em Beja em 1926 e faleceu em Lisboa em 1997. Pelo final dos anos 40 estava ainda ligado ao movimento neo-realista, seguindo depois por uma linha mais ligada ao surrealismo. Senhor de um traço muito característico, talvez inspirado nas pinturas aztecas, Relógio foi, sobretudo um grande desenhador. Além da pintura, realizou belos cenários para diversas peças de teatro e cultivou também a cerâmica, o desenho e o azulejo. Existem vários painéis seus de azulejos em Lisboa, mas o mais conhecido é o que se encontra no edifício do Banco Nacional Ultramarino de Maputo (cuja fotografia podemos ver acima).



publicado por Carlos Loures às 08:00
link do post | comentar


EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Sera que não vai sair do roupeiro? ? E a roupa fic...
Hoje entrou uma para o meu roupeiro e não a consig...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Olá!Temos o prazer de anunciar o nosso livre, muit...
Candidate-se a um empréstimo rápido e conveniente ...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

Chuva da minha nuvem - Ad...

Quase nuas - Adão Cruz

O trigo e o joio

Francisco Relógio no Terr...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links