Sexta-feira, 13 de Maio de 2011

O povo de Nova Iorque nas ruas e o de Portugal, onde ? A calar o quê?

Enviado por Júlio Marques Mota


DE VIRGINIE ROBERT

 

Façam  com que os grandes bancos e os millonários paguem! » é o que prende a população de Nova Iorque, hoje nas ruas.

A Wall Street, os bancos têm ainda contas a pagar

 

Virginie Robert

 

Façam  com que os grandes bancos e os milionários paguem! » Os nova-iorquinos encolerizados juraram invadir as ruas do bairro de Wall Street, hoje. As diversas associações e sindicatos que apelaram à manifestação  esperam a presença de vários milhares de participantes. Estão em cólera contra os bancos - que estão na origem da crise financeira e que foram salvos pelos contribuintes, ganham e acumulam mil milhões de  dólares em isenções e benefícios e continuam a distribuir bónus indecentes. Os manifestantes criticam fortemente o presidente da câmara municipal de Nova Iorque, que prepara cortes drásticos no orçamento da cidade e a  quem  eles acusam de conceder  isenções de impostos  e subvenções de todas as espécies para os gestores de fundos especulativos e para os estabelecimentos bancários. Estas  vantagens, somam ou significam ,  de acordo com “a coligação  do 12 de Maio”, como é chamado a este movimento, um presente de um milhar de milhões de dólares para as gentes de  Wall Street.

 

Enquanto que no  resto do país, se diaboliza  sem estados de alma a praça financeira, este tipo de ressentimento aqui, em Nova Iorque, exprime-se mais raramente, ou pelo menos em termos  públicos . E tudo isto, porque a cidade inteira beneficia  das riquezas de Wall Street. Graças aos banqueiros, os restaurantes não se esvaziam, as vendas de obras  de  arte atingem recordes, os preços das casas não descem como aconteceu noutros lados. Diz-se que um emprego criado em  Wall Street gera quatro outros mais. O presidente da câmara municipal e os políticos locais protegem este distrito e tratam-no de modo um pouco à parte, considerando que é um motor potente da economia local e que não se é avaro em doações de todos os tipos.

 

Numa cidade que perdeu 150.000 empregos com a crise, onde 19.000 habitações foram confiscadas com as execuções imobiliárias e onde o défice orçamental se afunda , o sentimento dos que não fazem parte de Wall Street é de que os bancos tiveram a vida fácil. Neil Barofsky, o antigo controlador geral do TARP, responsável pelo  fundo de 700 mil milhões de dólares que serviu para salvar os bancos, saiu da sua reserva no momento de deixar as suas funções, no fim de Março. Num longo editorial publicado no “New York Times”, fez  uma crítica  em regra contra o Tesouro, incapaz, de acordo com a sua opinião, de proteger as pessoas da rua, preferindo salvar os bancos, que acumulam de novo lucros gigantescos em vez dos pequenos proprietários. O sentimento de injustiça, expresso “pela coligação do 12 de Maio”, é ainda mais forte quando  os tribunais começam a ter dificuldades em limpar o sector financeiro. Quando Charles Ferguson   recebeu o Óscar,  em Fevereiro passado, pelo  seu documentário sobre a crise financeira “Inside Job ”, tinha sublinhado (sob grandes e prolongados aplausos) que três anos depois, nenhum  banqueiro   tinha sido levado à barra dos tribunais. O contraste é severo quando comparado com a crise “de Savings & Loans” em 1992, que tinha conduzido a 839 condenações.

 

Os processos judiciais  até hoje mais visível  não estão  com efeito directamente ligados à crise. Houve a condenação de  Bernard Madoff. Houve o processo de Raj Rajaratnam, fundador do fundo Galleon, condenado ontem por delito   de iniciados . Mas o único processo penal em relação directa com a crise, o dos antigos gerentes de um fundo especulativo de Bear Stearns, Ralph Cioffi e Matthew Tannin, saldou-se por um veredicto simples: falta de provas. Parece que os bancos estrangeiros foram alvos mais cómodos, mais simples de atingir: HSBC por branqueamento  de dinheiro e

 

Deutsche Bank por ter concedido   créditos imobiliários sem qualquer discernimento  mas que eram, contudo, garantidos por  Federal Housing Agency...

 

O fundador de Countrywide, Angelo Mozilo, que simboliza por si só a ganância dos agentes que concediam créditos imobiliários  saiu-se com uma multa de 22,5 milhões de dólares depois de  uma queixa no plano  civil à  Securities and Exchange Commission (SEC). Depois disso e até agora , nunca mais voltou a ser incomodado sobre o assunto. É certo   que  Goldman Sachs foi incomodado  pela SEC  e aceitou pagar uma multa recorde de 550 milhões de dólares por ter dissimulado  aos investidores o papel do fundo especulativo, um hedge fund, de John Paulson na selecção dos activos imobiliários do produto estruturado comercializado depois por Abacus. Mas isto sem que Goldman Sachs tenha reconhecido  a sua culpabilidade. Um longo trabalho do “New York Times”, publicado  a 14 de Abril, explica esta situação pela passividade dos poderes públicos, devida por um lado á falta de empenho  dos reguladores e, por outro lado, à falta de recursos humanos para trabalharem nestas áreas .

 

Isto poderia ser mudado, em parte,  graças à pressão do legislador. Carl Levin, o presidente de um Comité de inquérito do Senado, que  elaborou uma acusação severa contra Goldman Sachs e Deutsche Bank no seu relatório “Anatomia de um desastre financeiro”, publicado em meados de Abril.

 

Pediu à SEC   e ao departamento da Justiça que verificassem se não haveria matéria para  os levar a tribunal sob a acusação de falso testemunho. “Goldman induziu os seus clientes em erro e enganou o Congresso”, afirmou. Pelo  seu lado, a União Europeia lançou dois inquéritos antitrust sobre os grandes bancos, tendo em linha de mira as práticas no mercado sobre os famosos CDS (“crédito default swaps”).

 

O escândalo das execuções imobiliárias, feitas à pressa e às vezes envolvendo  a utilização de assinaturas electrónicas ( consentidas ou não consentidas)  , também chegou aos  bancos. Em Abril, três reguladores impuseram-lhes mesmo alterassem as suas práticas nestas matérias. Por toda a parte no país, os procuradores gerais instauram regras para melhor enquadrarem a concessão de  créditos. E espera-se agora as sanções financeiras - a ficarem situadas entre 5 e 20 mil milhões de dólares.

 

Prova que o perigo é real, os bancos aumentam fortemente as suas provisões na casa dos  milhares de  milhões de dólares para as suas despesas judiciais. Só Goldman é  reduziu e em cerca de  21% as suas provisões para despesas judiciais no primeiro trimestre, ou seja de 2,4 mil milhões de dólares, e na altura   em que um dos reguladores  a CFTC, acabava de lançar um inquérito sobre os seus serviços como câmara de compensação. O torniquete  aperta-se a medida que novas estruturas começam a entrar em acção. Preet Bharara, o procurador  federal para o distrito do sul de New York, criou em Março de 2010  o gabinete de  fraudes civis para conseguir mais meios e orientar-se para as  fraudes financeiras, em especial sobre os  créditos imobiliários. É ele que acaba de atacar Deutsche Bank. O seu gabinete trabalha em concertação com o Financial Fraud Enforcement Task Force criado sob impulsão de Barack Obama, e que agrupa várias agências federais e age tanto sobre as     questões do campo penal como do campo civil.  Mas se o presidente americano, na noite da morte de Ben Laden, pôde declarar “justiça foi feita”, a esperança de que venha a acontecer o mesmo com as gentes de Wall, Street  continua a ser uma realidade para o povo americano..

 Virginie Robert , Wall Street, les banques ont encore des comptes à rendre, Les Echos, 12.05.11

 

Virginie Robert é correspondente de  “Les  Ecos” em Nova Iorque

publicado por Luis Moreira às 00:25
link | favorito
Segunda-feira, 23 de Agosto de 2010

Ground Zero milhões


Luis Moreira

Quanto valerá um terreno com uma área significativa num local mítico no centro da cidade de Nova Yorque?

Enquanto se pensa na resposta vemos manifestações a favor e contra a construção da mesquita muçulmana.. Uns dizem que a construir-se seria uma prova da tolerância da sociedade americana, da Liberdade de que os americanos tanto se orgulham, "a que distância do sítio se pode construir, então" grita outro.

Os que se manifestam contra, gritam a ofensa que seria para todas as 3 000 vítimas que pereceram no atentado e que não será outra a intenção. Porque se lembraram de ali construir a mesquita?

Outros, lembram que quem fez os atentados foram terroristas muçulmanos que não podem ser confundidos com os americanos que são muçulmanos.

Eu, por mim, vou-me lembrando que cá em Lisboa não foi permitida a construção da nova Sé Catedral de Lisboa no cimo do Parque Eduardo VII, pelas razões todas: há mais religiões, o volume seria enorme, é um sítio de usufruto de todos os lisboetas...

Pois, mas construiram o El Corte Inglês, um enorme prédio, centro religioso mas do consumo, desapareceram os cuidados com a cidadania, com a religião e com a paisagem.

Não há mesmo mais nada para além desta explosão de sentimentos e emoções? É que 2/3 dos americanos estão contra a construção da mesquita!
publicado por Luis Moreira às 23:30
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links