Quinta-feira, 9 de Junho de 2011

Mostra de Fotografia de José Magalhães - Matosinhos - Inauguração dia 11

 

publicado por João Machado às 09:30
link | comentar | favorito
Domingo, 7 de Novembro de 2010

Estive muito pouco tempo em Matosinhos


Mosteiro de Leça do Balio

João Machado


Segunda-feira passada, a Leninha e eu, chegámos à noite a Matosinhos, vindos direitos de Lisboa. Fomos lá participar numa reunião do projecto Eurostars, apoiado pela União Europeia, através do programa Eureka. Este projecto reúne quatro entidades, duas empresas, a Árctica, espanhola, de Valência, e a Inova Mais, portuguesa, de Matosinhos, mais duas instituições de solidariedade social, a APM (Associação de Parkinson de Madrid) e a APDPk (Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson). O seu objectivo é a preparação de um software que possibilite aos doentes serem apoiados nas suas residências, para quando executam exercícios das várias valências dos tratamentos (fisioterapia, terapia da fala, psicologia), poderem fazê-lo em interacção com os técnicos localizados nos serviços, usando o computador ou até a televisão digital. Mas hoje não vamos desenvolver mais este assunto. Vou falar-lhes um pouco de Matosinhos.

Nunca tinha feito uma permanência na cidade. No concelho já tinha estado em serviço algumas vezes, mas sem tempo livre. Desta vez estive dois dias em reuniões na empresa, e fui fazer uma visita à delegação da APDPk do Norte, que fica nas Águas Santas, concelho da Maia. Só na quinta-feira tive tempo de andar por Matosinhos e ver a paisagem.

O concelho de Matosinhos está encostado ao Porto, pelo seu lado sul. Tem dez freguesias, e perto de 180000 habitantes. A sua infra-estrutura principal é o porto artificial de Leixões, um dos maiores do país. Parte do aeroporto internacional Sá Carneiro fica no concelho. A Exponor, o maior recinto do país de feiras empresariais, fica na freguesia de Leça da Palmeira. As indústrias são importantes, embora menos que há tempos atrás, a logística é considerável, o comércio e os serviços estão muito desenvolvidos, e Matosinhos continua a ser um grande centro piscatório. Foi elevada a cidade em 1984. Tem uma dimensão razoável, contando com cerca de 50000 habitantes, e a sua parte central tem avenidas largas e praças amplas. A construção à beira-mar tem sido grande nos últimos anos, talvez de um modo exagerado. Tradicionalmente tem sido um dormitório do Porto, situação que parece ter sofrido alguma alteração ultimamente.  

Historicamente há a referir que Matosinhos, até ao fim do século XIX, foi conhecida como o lugar de Bouças, ou Vila de Bouças. Este nome era o de um mosteiro que já ali existia no século X. O nome Matosinhos, segundo o Dicionário Onomástico Etimológico de José Pedro Machado, será o plural do adjectivo matoso. José Pedro Machado, na mesma entrada,  refere como nomes antigos  da povoação Matesinus (1032), Matusini (1258) e Matesinis (também em 1258). Esta povoação pertencia à antiga freguesia de Sendim, que já não existe, embora haja uma rua em Matosinhos com este nome, e creio que um cemitério. Ainda segundo José Pedro Machado o topónimo Matosinhos encontra-se noutros pontos do país e também na Galiza (Matusiños) e no Brasil, em Minas Gerais (Matozinhos). O crescimento da povoação justificou a alteração de nome do concelho, cujo território actual corresponde aos antigos Julgado de Bouças e Couto de Leça.

Achei especialmente interessante a rua Heróis de França, mesmo ao pé do porto de Leixões, que tem uma série de restaurantes especializados em servir peixe. Na quinta-feira a Leninha e eu comemos lá um pargo grelhado de primeira categoria. Achei os preços um pouco altos. Mas achei também interessante a estátua ao Passos Manuel, no largo com o nome dele, ali perto. Terá sido mandada erguer em 1864, por um grupo de amigos, portanto dois anos após a morte daquele líder da esquerda liberal, figura destacada do setembrismo, e ministro brilhante, nascido ali perto em 1805 (parece que não há a certeza desta data).

É de recordar que pelo território do concelho também passavam com frequência os peregrinos para Santiago de Compostela, desde a Alta Idade Média. O mosteiro de Leça do Balio desempenhava um papel importante no apoio a estes peregrinos, que também visitavam o mosteiro de Bouças. De assinalar ainda que no concelho existem várias pontes que datam do tempo dos romanos, para além de muitos outros elementos de interesse cultural.

Não estive no Porto propriamente dito (E o Porto ali tão perto!), mas não quero deixar de cumprimentar a Carla Romualdo, o José Magalhães, a família Cruz, e todos os nossos amigos que lá estão, pedindo-lhes desculpa de não os ter ido visitar.
publicado por João Machado às 16:30
link | comentar | ver comentários (5) | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Jestem osobą fizyczną oferującą pożyczki międzynar...
I got my already programmed and blanked ATM card t...
Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...
Sera que não vai sair do roupeiro? ? E a roupa fic...
Hoje entrou uma para o meu roupeiro e não a consig...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links