Quinta-feira, 9 de Setembro de 2010

Canção de Setembro



Carla Romualdo

Em Setembro relembro a canção de Kurt Weil, anunciadora de que o tempo de espera se esgota, que os dias se fazem curtos, e que, nesse afunilar do tempo, cada dia se transforma num tesouro que não pode ser desperdiçado. Bem sabemos, como assegura a canção, que é um longo caminho de Maio a Dezembro, do auge da Primavera até à chegada do Inverno, e que tempos houve, talvez a meio de Julho, em que os dias de sol pareciam eternos, e as noites cálidas caíam sem pressa.

Mas quando irrompe Setembro, quando as nuvens anunciam o primeiro aguaceiro, e o fim da tarde traz um vento gélido, e a noite nos surpreende com a sua chegada prematura, sabemos que Dezembro já não tarda e que os dias, cada vez mais curtos, se fazem também mais valiosos.

A angústia do tempo desperdiçado faz-nos amontoar sobre as mesas de trabalho fichas de inscrição em cursos com irreconciliáveis horários, panfletos de viagens a cidades míticas cujos monumentos – ai de nós, que angústia – se degradam a cada ano um pouco mais com as invasões da turba de turistas (e que sobrará para nós, que sobrará?), pilhas de livros, recortes de jornais, impressões da web, programas de exposições.
E os telefonemas por devolver, as mensagens à espera de resposta, os papelinhos amarelos, que batem até os coelhos na rapidez com que se reproduzem, colados em todas as superfícies, alguns meramente informativos - “Dentista, dia 3” -, outros a roçar a histeria - “Telefonar S.!!!!” -, como se até as coisas inanimadas se juntassem ao coro das exigências a que nunca poderemos dar resposta inteiramente satisfatória.

E quando já não podemos negar que os dias se tornam mais curtos, Setembro toma-nos da mão, senta-se connosco para comunicar-nos, sem rispidez, que chegou o momento de abandonar os lamentos e viver o dia, tão curto, tão pleno de possibilidades no seu efémero esplendor.

Conta-se que Kurt Weil e Maxwell Andersen, autores, respectivamente, da música e da letra de “September song” escreveram-na em cerca de duas horas, no agora longínquo ano de 1938, quando já se anunciava a chegada de um longo, longuíssimo Inverno.
tags:
publicado por Carlos Loures às 16:30
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links