Segunda-feira, 6 de Junho de 2011

Felizmente Houve a LUAR - de José Hipólito dos Santos - Lançamento no Porto

 

 

 

publicado por Carlos Loures às 09:00

editado por João Machado em 03/06/2011 às 01:12
link | favorito
Quarta-feira, 20 de Abril de 2011

Felizmente houve a LUAR! - Para a história da luta armada contra a ditadura - por Carlos Loures

 

 

 

José Hipólito dos Santos, um amigo de longa data,  anda há anos a trabalhar sobre uma história da LUAR a organização de que Palma Inácio foi o elemento mais conhecido. O livro, "Felizmente houve a LUAR!" - Para a história da luta armada contra a ditadura, está pronto e será lançado na Feira do Livro em Lisboa e no Porto, deste ano. Em Lisboa o lançamento deverá acontecer no sábado, dia 14 de Maio, ao fim do dia. Para quem conheça o José Hipólito há a certeza de que será um trabalho cuidadoso, feito com grande rigor.

 

A obra aborda os acontecimentos ocorridos  essencialmente até 1970, mas refere alguns complementos posteriores. O prefácio é da Professora Irene Flunser Pimentel, autora de uma excelente história da PIDE. Eis um sumário do conteúdo do estudo de José Hipólito dos Santos:

 

1.      Introdução; Convidado para a LUAR; Para além do jornalismo

2.      Antecedentes; Nada surge do nada; Os Movimentos da Sé e de Beja reflectem um espírito novo;

A luta armada – traço distintivo nas novas organizações.

3.      Felizmente há Luar; Uma forte determinação de agir; Acção Revolucionária Democrática (ARD); “Operação preliminar” em fase de concretização; Fiat lux! E a LUAR apareceu! Padrinho com a fortuna do afilhado…

4. Impacto político da Operação Mondego; Ao encontro do que o povo oposicionista ansiava; E as organizações e grupos políticos?

5. Tentando romper com erros; Falta de preparação política; Progressivo envolvimento na LUAR; Uma nova fase da LUAR (1968); Uma direcção que não dirigia nada; Improvisação como cultura de funcionamento … Os personagens 

6. Reorganizações ao sabor dos acontecimentos (1968/70); Balanço pós “Operação Matias”; De uma estrutura “familiar” para outras forçadas e indefinidas; Uma base nos Pirenéus: “Caparica “; Armas como prioridade

7. Quadro de definição politica e organizativa; Finalmente uma Linha Política; Preparativos para se implantar em Portugal; Estratégia e táctica; Recrutamento e formação de quadros; Uma ideologia anti-sectária; Projecto de Reorganização.

8. Casa arrumada?...  Desfazer duvidas sobre o Marcelismo; No regresso do “chefe”, uma casa pobre mas limpinha... Palma Inácio precisava de ver grande... Concluindo  .

9. Acções Realizadas; Operação Mondego, a “operação preliminar” (Banco da F Foz em Maio de 1967);A habitual falta de meios; Preparação da “operação preliminar”;Hora da acção; Perseguição policial; Operação Diana – Évora (Assalto ao quartel-general /Set. 67); Operação Matias - Covilhã  (Agosto 68); Plano de Operações; Preparação em França e Bélgica; Travessia da Espanha e entrada em Portugal; Dispersão e fuga ;Operação Primavera (pilares de alta tensãoem Porto Altoe explosão no Consulado Americano do Porto);Fuga do Palma Inácio; Fragatas da Marinha de Guerra  (Out. 69 – Hamburgo);Projectos Diversos;

10. Dinheiro; Financiamento das organizações; Proteger o tesouro; Estrutura de controlo; Contas da LUAR;

11.  Bufaria, infiltrações, traições; “Bufaria” externa; “Bufaria” interna; Traições; Situações necessitando de alguma prudência; Balanço final do capítulo; A incompetência profissional de polícias/Pides; Amadorismo revolucionário; Irresponsabilidade para além do amadorismo; Considerações finais

12. Episódios da luta clandestina; Objectivo: Covilhã; Viagem a Praga com soviéticos na rua

 

José Hipólito dos Santos, autor de Felizmente houve a LUAR! - Para a história da luta armada contra a ditadura,  nasceu no Porto, em 1932. Sócio-economista, ex-dirigente cooperativista, antigo colaborador da Seara Nova e dos Cadernos de Circunstância. Membro do MUD- Juvenil, participante na Revolta da Sé e no Golpe de Beja, ex-preso político e antigo exilado em Argel, ex-dirigente do MAR, LUAR e PRP. Membro do Comité de Acção da EPHE (Sorbonne) em Maio 68. Quadro superior da CUF, presidente do Ateneu Cooperativo e da Associação dos Inquilinos Lisbonenses. Professor universitário em Paris - XIII, no ISE e no ISPA. Perito das N. U., fundador da SEIES, membro da Alliance Pour Un Monde Responsable, Pluriel et Solidaire e DRD-Démocratiser Radicalement la Démocratie. Participante na Assembleia Mundial de Cidadãos (2001).

 

Este valioso contributo para a história da luta armada contra a ditadura é-nos proporcionado por alguém que, como o autor, alia a cultura histórico-política ao profundo conhecimento prático do tema abordado  - José Hipólito dos Santos escreve sobre a resistência armada e praticou-a.

 

Sabe bem do que está a falar.

publicado por Carlos Loures às 12:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links