Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

Cuba - um milhão e trezentos mil despedimentos

O estado em Cuba dá emprego a 90% dos trabalhadores, prepara-se para reduzir a sua intervenção na economia para 50%, despedindo um milhão e trezentos mil funcionários.

 

Isto devia obrigar-nos a pensar e a tirar conclusões, até porque já vimos o que aconteceu nos países de Leste. O grande problema foi a incapacidade da economia corresponder às necessidades mais primárias da população e, digo eu, ao esmagar da iniciativa  dos cidadãos. A iniciativa privada, desde que funcionando segundo o interesse geral, é um factor decisivo para a criação de riqueza. Como, aliás, se está a ver aqui em Portugal, desde os últimos vinte anos que o Estado tem uma intervenção acrescida na economia, mas chegado o momento da crise é para as empresas exportadoras que todos nos voltamos como tábua de salvação.

 

Na China,  dois sistemas - o político, comunista e, o económico, de mercado -   a palavra de ordem é "matar a fome a milhões de seres humanos" como ouvi repetidamente e, por isso, a iniciativa privada está a ser alavancada, mas no quadro do interesse nacional. O que quer isto dizer? Se um empreendedor quiser avançar com um negócio pode fazê-lo, desde que a sua actividade seja reconhecida como de interesse para a economia do país. Ajuda-se e facilita-se a iniciativa privada que cria riqueza; impede-se as actividades especuladoras e ou que pela sua dimensão e valor estratégio possam pôr em causa o interesse nacional.

 

A questão está, pois centrada, não na dicotomia estatal versus privada, mas na dicotomia interesse geral versus interesse privado. Se uma actividade é boa para o interesse geral também é boa para o cidadão, bem ao contrário da máxima capitalista americana :  "o que é bom para a Crysler também é bom para a América."

 

A crise no Mundo Ocidental, com a perda de milhões de postos de trabalho e a transferência de biliões do bolso da maioria para o bolso de meia dúzia, também indica que nem o Estado pode fazer tudo ( falhou, vergonhosa, cumplice e flagrantemente na regulação e no controlo das actividades financeiras ) como o indivíduo não pode colocar em perigo toda a economia e o interesse geral, para satisfazer a sua ganância.

 

O diagnóstico está há muito feito, com experiências bem e mal sucedidas de sistemas muito diferentes entre si, e temos também, a experiência do sistema dos países do Norte da Europa onde a crise não entrou e onde se vive muito melhor do que em qualquer outro lado. Não vale a pena inventar!

 

Os dados estão lançados!

publicado por Luis Moreira às 22:30
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links