Terça-feira, 21 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CLXXXII e CLXIII, por José Brandão

A Sinfonia da Morte

 

 

Carlos Loures

 

Âncora Editora, 2008

 

 

A Sinfonia da Morte , terceiro romance do autor, utilizando como pano de fundo o tema do Regicídio de 1908 e a escaldante situação política em Portugal na primeira década do século XX, traça-nos uma interessante trama ficcionística, onde são colocadas questões eternas, tais como a existência ou a inexistência de Deus, a prevalência (ou não) do amor sobre os interesses materiais, a vitória ou a derrota da bondade na sua luta contra a ferocidade que o homem herdou da sua condição animal. Esta obra é uma co-edição com as Edições Colibri.

 

Carlos Loures nasceu em 1937 em Lisboa. Entre 1958 e 1960, foi um dos organizadores da Revista Pirâmide, na qual colaboraram numerosos escritores. Com Manuel Simões, organizou uma série de antologias temáticas de poetas portugueses. Talvez um Grito (1985) e A Mão Incendiada (1995), são as suas anteriores incursões no território da ficção.

 

___________________

 

A Situação Política

 

Alfredo Pimenta

 

Lisboa, 1918

 

 

…como o regímen republicano que é diferente da pessoa do sr. Sidónio Pais, não merece confiança á Nação, esta, nas eleições de 28 de Abril, manifestando-se como se manifestou, deu provas evidentes do seu sentir monárquico, cercando os deputados e senadores, monárquicos de uma votação bem significativa.

 

A situação politica só se esclarecerá definitivamente no dia em que a Nação puder responder livremente á pergunta que se lhe faça sobre as instituições politicas que prefere. Por ora, sabemos isto apenas: a Nação é conservadora, e aclama quem lhe garantir, eficazmente e honradamente, o princípio da Autoridade. Nada mais.

 

l0 de Maio de 1918.

_____________________________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Sábado, 18 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CLXXVI e CLXXVII, por José Brandão

Sidónio

 

(Contribuição para a história do presidencialismo)

 

José Brandão

 

Perspectivas & Realidades, 1983

 

«Súcia de imbecis que somos (perdoem que o diga), súcia de feiticistas das palavras a quem as palavras bastam, súcia de adoradores do Verbo que se não fez carne nem peixe mas que se pode fazer peixe-espada, súcia de escravos vis sobre que os aventureiros trepam, às escaladas inconfessáveis e às torpezas sem nome!» (Raul Proença, Março de 1924).

 

Vale a pena começar qualquer livro com as palavras de um homem como Raul Proença.

 

Se o que Proença diz em 1924 tem ou não alguma coisa a ver com o momento presente, é problema que não se torna obrigatória e muito menos vital para a leitura do livro que está agora a ser apresentado.

 

Nele se pretende falar do Sidónio Pais de 1918 sem que isso signifique qualquer desprendimento em relação ao presente.

 

_____________________

 

 

O Dr. Sidónio Pais e a República Nova

 

1910-1918

 

 

Sérgio Gouveia

 

 

Lisboa, 1918

 

 

 

Depois da extraordinária manifestação que lhe fez a população de Caminha – sua terra natal – e ainda após os estrondosos aplausos de que foi alvo por parte do povo e da Academia de Coimbra, regressou o sr. dr. Sidónio Pais a Lisboa, e então a recepção que lhe foi feita, tocou as raias do delírio, ascendendo até ao deslumbramento de uma verdadeira apoteose, destas que não esquecem mais e que profundamente devem ter calado no ânimo de S. Ex.ª, dando-lhe a mais nítida impressão de que o país está com ele e nele vê a figura predominante da redenção da Pátria saturada de desmandos, de tiranias e de crueldades sem nome.

 

 

_____________________________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CLXVIII e CLXIX, por José Brandão

A Revolução Portuguesa

 

1907-1910

 

Machado Santos

 

Sextante Editora, 2007

 

«Escrito pouco depois do Cinco de Outubro e publicado em 1911, o famoso relatório de Machado Santos intitulado A Revolução Portuguesa constitui. sem dúvida, uma das fontes fundamentais para a história da Revolução Republicana, especialmente para a narrativa dos factos ocorridos entre a noite de 3 de Outubro e a manhã do próprio dia 5. Desde logo porque o seu autor é unanimemente reconhecido como o actor principal no teatro das operações, a partir do momento em que tomou a decisão de resistir na Rotunda com um punhado de escassas centenas de militares e alguns civis, quando tudo parecia já perdido para as forças republicanas.

 

_______________________

 

A Revolução Portuguesa

 

Jesús Pabón

 

Lisboa s/d

 

Não são pretensiosas as intenções deste livro, nem meritória a sua consecução. As suas bases não assentam na investigação histórica e ao seu desenvolvimento falta um profundo exame político. Pretende apenas apresentar uma exposição clara de determinados factos.

 

Ligado a um passado que conhecemos e a um futuro imprevisível – como o de todo o mundo, actualmente em crise essencial –, observamos na vida do Portugal dos nossos dias, um drama de um interesse político extraordinário: delineamento, processo e solução de um problema nacional. A velha Ordem morre: o Rei D. Carlos representa a sua última resistência eficaz. Durante o breve reinado do filho – já vencida a Monarquia – a República é sinónimo de Desordem. Salazar cria a Nova Ordem. Três factos, pois, naquilo a que chamo a Revolução Portuguesa.

 

_________________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Domingo, 12 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CLXIV e CLXV, por José Brandão

Responsabilidades Históricas – II

 

 

 

 

Teixeira de Sousa

 

Coimbra, 1917

 

 

Julgo haver nisto um grande equívoco o uma grave injustiça: equivoco no tocante ao apego que Júlio de Vilhena tinha ao júri nos delitos por abuso de liberdade de imprensa; injustiça, reduzindo a obra colossal de Lopo Vaz ao simples facto de meter os delitos de imprensa no julgamento correccional. Júlio de Vilhena saíra da pasta da Justiça, como saíram das demais pastas todos os outros ministros pela demissão do gabinete. Organizado o novo governo, não tomou parte nele porque, sendo Lopo Vaz a figura de maior destaque e de maior influência no partido regenerador depois do Fontes, tendo por isso de ser ouvido acerca da constituição do gabinete, desde que ele aceitasse a pasta da Justiça nenhum outro partidário poderia ser chamado a geri-la.

___________________

 

 

A Revolução de 5 de Outubro de 1910

 

Rocha Martins/Lopes D’Oliveira

 

Lisboa, s. d.

 

O grupo de Machado Santos chega à porta das armas de Infantaria 16, e encontra-a fechada. Aos vivas que ergue, de dentro do quartel ninguém responde. E ficam esperando, em concentrado silêncio.

 

Mas um vulto se aproxima: é um cabo do 16, Pedro da Cruz, que estava de guarda em Vale do Pereiro, e acaba de abandonar o serviço: conhecedor do quartel, leva Machado Santos porta duma arrecadação, que ele próprio arromba à coronhada.

 

Sobem uma pequena escada, forçam um alçapão, e entram na parada, recebidos por aclamações de soldados insurreccionados.

 

À 1 hora menos 15 o cabo Manuel António Correia soltara, da sua caserna, um forte e prolongado assobio. Era o sinal combinado. Os soldados que estavam na conjura, e se tinham deitado vestidos, correm à parada, soltando vivas à República.

_______________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 8 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CLV e CLVI, por José Brandão

Duarte de Almeida

 

Edição Romano Torres, s. d.

 

Antes que a revolução proclamasse a República já o povo havia demonstrado, pela voz das urnas, a sua adesão aos ideais democráticos.

 

As eleições gerais de deputados em Abril de 1910 deram retumbante vitória aos republicanos. A vereação de Lisboa era já também composta totalmente de entidades republicanas.

 

Assim faltava apenas o gesto decisivo que a Carbonária vinha de há muito preparando.

 

Nomeou-se o comité executivo da revolução, sendo os principais dirigentes o vice-almirante Cândido dos Reis e dr. Miguei Bombarda.

 

O primeiro partiu para a província em propaganda activa onde encontrou ardentes adesões. No seu regresso a Lisboa reconheceu este ilustre oficial que o movimento revolucionário poderia ter imediata acção, mas o governo, desconfiando que qualquer coisa de grave se passava ordenou rigorosas prevenções…

 

__________________

 

 

O Reino da Traulitânia

 

(25 Dias de Reacção Monárquica no Porto)

 

Campos Lima

 

Porto, 1919

 

Estava achada a expressão própria, que dai a poucos dias, durante a conspiração republicana no Porto e mais tarde após a contra-revolução se iria generalizar a toda a cidade.

 

A viagem é longa, fastidiosa. E enquanto os outros passageiros dormem, eu passo a noite a evocar todo esse ano de República Nova, a penetrar-me dum grande receio de que os monárquicos, que obtiveram uma situação de favor nos postos de confiança da República, tenham a influência bastante para a dominarem e vencerem, e a audácia de prepararem um movimento revolucionário.

 

Sidónio Pais, com o pretexto de introduzir na Constituição o princípio da dissolução parlamentar, começara algum tempo depois de chegar da Alemanha a aliciar militares, aos quais era dada a revolução…

 

_________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Terça-feira, 7 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CLIII e CLIV, por José Brandão

Raul Proença e a “Alma Nacional”

 

Fernando Piteira Santos

 

Publicações Europa-América, 1979

 

Da leitura da revista Alma Nacional, e sem esquecermos que além do seu fundador, António José de Almeida, nas suas páginas se nos depara uma plêiade de escritores, críticos, publicistas políticos, sobressai a colaboração de Raul Proença. E se tivermos em conta a relevância que, após 1921, virá a assumir a sua actividade polémica e doutrinal, particularmente nas páginas da revista Seara Nova, não poderemos furtar-nos à evidência do interesse destas páginas, que, quase totalmente, foram votadas ao esquecimento pelos compiladores da Obra Política de Raul Proença. Não é culpa do autor de um modesto ensaio sobre a existência e função ideológica da revista Alma Nacional se, ao debruçar-se sobre a estratégia e a táctica do Partido Republicano, a presença de Raul Proença adquire relevo e exorbita da moldura que fora concebida. O âmbito da pesquisa era mais vasto.

 

______________________

 

 

O Regicídio

 

Maria Alice Samara

 

Rui Tavares

 

Editora Tinta da China, 2008

 

 

No primeiro ensaio, «Memória do Atentado», de Maria Alice Samara, constrói-se o roteiro do evento que viria a alterar de forma indelével a história de Portugal, descrevendo-se o palco, as personagens e os acontecimentos, recorrendo ao testemunho dos principais escritores, políticos e jornais da época: «Certo é que até aos dias de hoje, cem anos depois, há ainda perguntas por responder. É, sem dúvida, importante procurar conhecer a verdade sobre os factos, ou, pelo menos, encontrar uma linha coerente de explicação dos mesmos.

 

Em «O Atentado Iconográfico», Rui Tavares seleccionou uma vasta colecção de imagens - fotografias e gravuras - publicadas na «Ilustração Portuguesa», usando-as como mote para um texto que explora o modo como o regicídio português foi recebido e tratado nesta importante revista, até à deflagração da Primeira Guerra Mundial, em 1914.

 

______________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Domingo, 5 de Junho de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CXLIX e CL, por José Brandão

A I República Portuguesa

 

Uma cronologia

 

Fernando de Castro Brandão

 

Livros Horizonte, 1991

 

Hoje em dia reconhece-se a cronologia como um instrumento imprescindível para a análise histórica. As datas existem como marcas insubstituíveis a partir das quais se articulam os factos inseridos no tempo e no espaço. A referência cronológica ganha ainda mais relevância quando o material de investigação e as obras de referência são escassas ou pouco rigorosas, criando dificuldades quase insuperáveis aos investigadores e a todos quantos se interessam pela história por falta de indicações cronológicas precisas. Daí esta cronologia da I República Portuguesa, um período aliciante e fundamental da história contemporânea portuguesa mas ainda com muita informação por desbravar.

 

_____________________

 

O Primeiro Congresso do Partido Comunista Português


César Oliveira

 

Seara Nova, 1975

 

Este é um volume cujo principal objectivo é dar a conhecer ao público as teses, resoluções e outro noticiário referente ao I Congresso do Partido Comunista Português realizado em 1923, dois anos após a sua fundação em 1921.

 

Não se pretende neste volume iniciar uma história do P.C.P. para cuja continuidade nos faltariam, necessariamente, elementos dadas as condições de clandestinidade em que foram obrigados a viver, durante dezenas de anos, os militantes deste partido. Por outro lado não é nosso propósito mostrar com a publicação deste material a fraqueza teórica patente no referido congresso: isso seria, exactamente, desconhecer ou ignorar deliberadamente o contexto social e económico da época em que nasceu o partido…

________________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Maio de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CIX e CX, por José Brandão

Memórias e Trabalhos da Minha Vida

 

 

 

(4 Volumes)

 

Norton de Mattos

 

Editora Marítimo Colonial, 1944

 

Não é uma obra de recriminações ou de combate, nem tão pouco, de propaganda politica.

 

É uma obra serena, em que através das 1.200 páginas que os quatro volumes compreenderão, o general Norton de Matos evoca figuras esquecidas e factos longínquos, discute problemas que não morreram, defende pontos de vista e apresenta opiniões, numa exposição calma, reflectida, sem espírito doentio de classe ou de partido olhando, acima das pugnas que separam os homens, o interesse nacional que os deve congraçar.

 

____________________

 

 

 

 

O Meu Depoimento

 

 

(Da Monarquia a 5 de Outubro de 1910)

 

António Maria da Silva

 

República, s. d.

 

Vem agora o lume o primeiro volume de memórias de António Maria da Silva, intitulado «O Meu, Depoimento», título que ele resolveu, adoptar por alturas de 1943, quando iniciou a sua escrita, numa conversa tida comigo e durante a qual vieram à baila outros, nas acabando por preferir aquele.

 

Até quase pouco tempo antes de ter adoecido gravemente e da sua morte, António Maria da Silva, entre aquele ano de 1943 e 1950, ano em que faleceu, escreveu as suas memórias, que vão desde 1906 a Maio de 1926. É um eximo trabalho de que agora sai o primeiro e que virão surgindo sucessivamente a curtos intervalos.

 

Pena foi que a doença e a morte não lhe tivessem consentido prosseguir a feitura das suas memórias …

 

________________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Domingo, 15 de Maio de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CVII e CVIII, por José Brandão

Memórias Políticas

 

 

 

 

Volume – 1

 

José Relvas

 

Terra Livre, 1977

 

Estas rápidas páginas são o depoimento duma testemunha, que acompanhou a Revolução portuguesa, desde o seu período de preparação mais activa até à proclamação da República.

 

Na sucessão vertiginosa dos acontecimentos, decorridos desde o advento de João Franco, frequentes vezes verifiquei como se originavam versões erradas, como se desvirtuavam intenções, ideias e factos, que mais tarde podem concorrer para uma falsa noção histórica desse período de gestação, tão atormentada, da democracia republicana. Para reconstituir com exactidão a História são indispensáveis as Memórias redigidas com a serenidade de quem está já isento de paixões, alheio às lutas, que, após a Revolução e em todos os países, sempre acompanharam os primeiros tempos dum regime novo.

 

________________________

 

 

Memória Políticas

 

 

 

Volume 2

 

José Relvas

 

Terra Livre, 1978

 

Escrito sob a forma de «Cartas a um amigo», o III e último capitulo deste volume é a narrativa dos trabalhos e canseiras em que o autor se consumiu, como chefe de Governo de curta duração que se encarregou do rescaldo da tentativa de restauração monárquica que naquele ano foi o epílogo do consulado sidonista, período laivado de sangue e luto que ia destruindo a República e cavou entre os republicanos um fosso jamais colmatado.

 

José Relvas pôs, na execução dessa tarefa, a sua capacidade de conciliador e muito conseguiu no meio da tempestade que era a herança de uma época – o sidonismo – das mais tristes e sangrentas da nossa história. Foi essa a última e assinalada contribuição que prestou ao regime.

 

A República contou-o, com razão, entre os seus mais dedicados obreiros.

 

Carlos Ferrão

 

____________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Sábado, 14 de Maio de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - CV e CVI, por José Brandão

As Memórias do Chefe da Polícia Pereira dos Santos

 

 

 

Manuel Nunes

 

Editora Marítimo-Colonial, 1945

 

Nem sempre a biografia é o homem. Mas neste caso é – e longamente vivida, agitada, sofrida. Pereira dos Santos pode considerar-se hoje, dentro da sua profissão, um nome nacional. Todos o conhecem, até mesmo os que não passam pelas malhas da Justiça. Tem um passado e um presente. Aquele serviu-lhe de lição, e agora, já com cabelos brancos, e uma folha magnífica de serviços pode ser considerado o policia n. º 1.

 

Na Inglaterra ou nos Estados Unidos, dar-lhe--iam o titulo de detective e já teria figurado num daqueles filmes da série «Crime e Castigo».

 

Em Portugal, até à data, nem sequer um livro de memórias, alguma coisa de vivo e flagrante que registasse a sua actividade ao serviço do bem.

 

José Sarmento pensou escrever esse livro. O projecto não se converteu em realidade porque a morte arrefeceu a mão do brilhante jornalista.

 

_____________________

 

Memórias Duma Época

 


Sá Cardoso

 

Lisboa, 1973

 

Eu sei que é muito mais simples, mais rendoso e menos perigoso, concordar do que discordar, eu sei que é preciso um pouco de pertinácia e talvez até um pouco de coragem para dar expressão ao pensamento, quando ele é discordante do ambiente. Eu sei; mas mais alto de que o nosso sossego ou que a nossa vida, está o ideal pelo qual lutamos: o bem da Pátria.

 

E demais, para que serve o pensamento se o não podemos expandir?

 

Foi a falta de expansão de pensamento, a abulia e a impotência intelectual, cultivadas e criadas neste Pais durante os 40 anos da «Era de Salazar» que geraram um povo atrofiado e apático mentalmente.

 

Não me vou ater ao obrigatoriamente «estabelecido» e as minhas «Memórias» que podem enfermar da fraqueza dos assuntos ou da sua ordenação, são, contudo, alicerçados na verdade dos factos…

 

________________________

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito
Quinta-feira, 31 de Março de 2011

A República nos livros de ontem nos livros de hoje - XLV, por José Brandão

 

Ensaios de História da I República Portuguesa

 

 

 

A. H. de Oliveira Marques

 

Livros Horizonte, 1988

 

A. H. de Oliveira Marques nasceu no Estoril (1933), tendo-se licenciado em Ciências Histórico-Filosóficas e doutorado em História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Foi Assistente daquela Faculdade e Professor em diversas Universidades norte-americanas.

 

Reúne-se nesta colectânea um conjunto de artigos, conferências e prefácios a livros, escritos e proferidos entre 1966 e 1986. Todos eles conservam actualidade, embora os objectivos que nortearam alguns e, como consequência, a estrutura de base e o próprio estilo, se afastem um tanto do habitual escrito histórico.

 

Julgamos que o estudioso do período continuará a encontrar utilidade na leitura dos vários ensaios. Na maior pane dos casos, aliás, eles valem exactamente como ensaios e não como análises eruditas. Por isso foram reduzidas ao mínimo as notas e aligeirados, tanto quanto possível, os textos.

 

publicado por João Machado às 17:00
link | comentar | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Eles são um grupo excepcional e bem estabelecido d...
Eles são um grupo excepcional e bem estabelecido d...
Eles são um grupo excepcional e bem estabelecido d...
VOCÊ ESTÁ PROCURANDO HACKERS ON-LINE? AMIGOS SE DE...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
Olá, você precisa de algum serviço de hacking? SO ...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
VOCÊ PROCURA UM HACKER ONLINE ENTÃO CONTACT = UNLI...
se você precisa de um serviço de hacking genuíno e...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links