Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

Manuel Rui Monteiro vem até ao Terreiro da Lusofonia


Manuel Rui Monteiro nasceu na cidade de Huambo (antiga Nova Lisboa) em 1941. Licenciou-se em Direito na Universidade de Coimbra. Foi colaborador da revista “Vértice”. Em Angola, onde regressou depois do 25 de Abril de 1974,
ocupou diversos cargos políticos para além de ter sido professor universitário e Reitor da Universidade de Huambo. Poeta, contista, ensaísta, crítico, professor de Literatura, foi galardoado com o Prémio Nacional Agostinho Neto, atribuído à novela Quem me dera ser Onda (1982). É autor da letra do Hino Nacional de Angola.

Da sua obra, destacamos: Cinco Vezes Onze Poemas em Novembro (1985); O Regresso Adiado (1977) Memória de Mar (1980); Crónica de um Mujimbo (1989); 1 Morto & Os Vivos (1993); Rio Seco (1997); Um anel na areia: história de amor (2002); Universo transverso: Conchas e Búzios (2003); A Casa do Rio (2007). Ombela, poesia (2007).

 
Um cantor brasileiro, Martinho da Vila, canta um poeta angolano. Ora ouçam:



Os meninos do Huambo

Com fios feitos de lágrimas passadas
Os meninos do Huambo fazem alegria
Constroem sonhos com os mais velhos de mãos dadas
E no céu descobrem estrelas de magia


Com os lábios de dizer nova poesia
Soletram as estrelas como letras
E vão juntando no céu como pedrinhas
Estrelas letras para fazer novas palavras


Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade


Com os sorrisos mais lindos do planalto
Fazem continhas engraçadas de somar
Somam beijos com flores e com suor
E subtraem manhã cedo por luar


Dividem a chuva miudinha pelo milho
Multiplicam o vento pelo mar
Soltam ao céu as estrelas já escritas
Constelações que brilham sempre sem parar


Os meninos à volta da fogueira
Vão aprender coisas de sonho e de verdade
Vão aprender como se ganha uma bandeira
Vão saber o que custou a liberdade


Palavras sempre novas, sempre novas
Palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo


Assim contentes à voltinha da fogueira
Juntam palavras deste tempo sempre novo
Porque os meninos inventaram coisas novas
E até já dizem que as estrelas são do povo

publicado por Carlos Loures às 08:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links