Sexta-feira, 22 de Outubro de 2010

Sempre Galiza! - Bandeira e hino galegos

coordenação de Pedro Godinho




A bandeira galega tem fundo branco, e é atravessada ao centro por uma faixa azul celeste, desde o ângulo superior da esquerda até ao ângulo inferior da direita.

A bandeira nacional galega moderna tem origem no século XIX e inspira-se na bandeira naval de Corunha, então principal porto de saída para a América dos emigrantes galegos e por estes adoptada como símbolo identitário.

“Os Pinos” é o hino nacional da Galiza. A letra corresponde às duas primeiras partes do poema “Queixumes dos pinos” de Eduardo Pondal e a música é de Pascual Veiga.

A invocação da Galiza é feita de forma metafórica por referência à nação de Breogám, guerreiro mitológico celta e pai fundador da Galiza, e primeiro título do texto enviado por Eduardo Pondal a Pascual Veiga a solicitação deste.

A Lei 5/1984, de 29 de Maio, estabelece os símbolos oficiais da Galiza.

A letra do hino oficializada pela Lei 5/1984 seguiu asNormas Ortográficas e Morfolóxicas do Idioma Galegoda Real Academia Galega (RAG), apresentando diferenças relativamente à versão original do poema de 1890. À versão oficialista é contraposta uma outra do Prof. Carlos Garrido pelos que como a Associaçom Galega da Língua (AGAL) lembram que já no poema original Pondal afirmara uma tendência reintegracionista.


Os Pinos (Os Pinheiros)

Versão oficialista



Que din os rumorosos
na costa verdecente,
ao raio transparente
doprácido luar?
Que din as altas copas
de escuro arume arpado
co seu bencompasado
monótono fungar?

Do teu verdor cinguido
e de benignos astros,
confín dos verdes castros
evalerosochan,
nondes a esquecemento
dainxuria o rudo encono;
desperta do teu sono
fogar de Breogán.

Os bos e xenerosos
anosa voz entenden
econ arroubo atenden
onoso ronco son,
maissóo os iñorantes
eféridos e duros,
imbéciles e escuros
non nos entenden, non.

Os tempos son chegados
dos bardos das edades
que as vosasvaguedades
cumpridofinterán;
pois, donde quer, xigante
anosa voz pregoa
aredenzón da boa
nazón de Breogán.

Versão
reintegracionista


Que dim os rumorosos
na costa verdecente,
ao raio transparente
do plácido luar?
Que dim as altas copas
de escuro arume arpado
c’o seu bem compassado
monótono fungar?

Do teu verdor cingido
e de benignos astros,
confim dos verdes castros
evalerosoclam,
nom dês a esquecimento
da injúria o rude tono;
desperta do teu sono,
fogar de Breogám.

Os bons e generosos
a nossa voz entendem
e com arroubo atendem
ao nosso rouco som,
mas só os ignorantes
eférridos e duros,
imbecis e obscuros,
nom nos entendem, nom.

Os tempos som chegados
dos bardos das idades,
que as vossas vaguidades
cumprido fim terám,
pois, onde quer, gigante,
a nossa voz pregoa
aredençom da boa
naçom de Breogám.



              
Versão do hino nacional de Galiza
(embora apenas na versão oficialista)

publicado por Carlos Loures às 09:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links