Sábado, 14 de Maio de 2011

A nossa encantadora Natureza 25 – Gaivota de Audouin (Larus audouinii) - Andreia Dias

 

 

 

 

Esta simpática gaivota, foi considerada até há pouco tempo, a gaivota mais rara da Europa.

 

O sentimento perante um animal, muda a partir do momento em que o temos na mão… tive a sorte de colaborar na colocação de localizadores GPS em 60 gaivotas de Audouin, num projecto desenvolvido pela SEO/BirdLife, a Universidade de Barcelona e com apoio do Ministério do Ambiente Espanhol. Os investigadores pretendem estudar o comportamento das gaivotas durante a reprodução e conhecer a interacção com diferentes tipos de pesca bem como outras actividades humanas que possam representar uma ameaça para a espécie. Além disso, serão efectuados estudos de isótopos estáveis, que permitirão estudar a ecologia alimentar das aves marcadas.

Os animais foram capturados com armadilhas, colocaram-se GPS nas costas que recolhem dados durante cerca de 10 dias, altura em que se procede à recaptura dos animais para se removerem os aparelhos e recolherem os dados acumulados. Na altura da captura, são registadas biometrias (peso, altura do bico…), colocadas anilhas e recolhido sangue para análises.

Esta gaivota ostenta um característico bico vermelho cor de sangue e olhos escuros, contrastando com uma plumagem clara.

 

 

 

 

 

 

 

 

Distribui-se pela bacia do Mediterrâneo e em Portugal, pensa-se que iniciou as primeiras tentativas de nidificação no Algarve, entre 1998 e 2000. Provavelmente a colónia de nidificação portuguesa será uma expansão das colónias do Delta do Ebro.

 

A nível mundial, a população aumentou nos últimos 10 anos. É considerada “Quase-Ameaçada” a nível global.

Viaja usualmente ao longo da costa e prefere baías abrigadas. Encontra-se muitas vezes na foz de um curso de água. Alimenta-se em mares tranquilos e afastados da costa.

Alimenta-se de peixes, invertebrados, pequenas aves e alguns vegetais. Ocasionalmente come os excedentes atirados ao mar por barcos de pesca (by-catch).

O casal é monogâmico e ambos os progenitores cuidam das crias até que estas sejam independentes. São territoriais na zona de nidificação e instalam o ninho no chão.

 

 

 

As principais ameaças incluem a alteração, destruição e perturbação dos habitats de nidificação e a predação. Pode ainda ser alvo de pilhagem de ovos para colecção (por ser uma espécie rara) e pode ter problemas com artes de pesca.

 

Curiosidades: em Portugal estima-se a presença de cerca de 50 – 250 indivíduos. Durante a nidificação os casais descansam juntos. Fora desta época encontram-se em bandos.

 


publicado por atributosestrolabio às 18:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links