Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Dias das Beiras - Longroiva - Marialva - Foz Côa

LONGROIVA

Acredita-se que a primitiva ocupação humana de seu sítio remonte a um castro pré-romano, erguido entre os séculos IV e II a.C..

À época da ocupação romana, esta povoação denominou-se Longóbriga, quando teria sido fortificada. O mesmo o teriam feito os Visigodos e os Muçulmanos, que a ocuparam posteriormente.

O castelo medieval

À época da Reconquista cristã da península Ibérica, esta povoação e seu castelo encontram-se relacionados entre os domínios legados ao Mosteiro de Guimarães, em testamento, por D. Flâmula Rodrigues, sobrinha de Mumadona Dias (960). Os estudiosos associam esta doação a uma ação de repovoamento encetada pelo pai da doadora, D. Rodrigo Tedoniz, acreditando remontar a esta fase a primitiva feição do castelo.

Após a reconquista definitiva das terras da Beira por Fernando Magno, o inventário dos bens do Mosteiro de Guimarães, no ano de 1059, relaciona o Castelo de Longroiva. Estes domínios integraram os do Condado Portucalense, e conseqüentemente os do reino emancipado de Portugal.

D. Dinis (1279-1325) concedeu foral à vila, e, em 1304, mandou fazer alguns reparos no castelo. Ainda em seu reinado, diante da extinção da Ordem, os domínios da povoação e seu castelo foram incorporados ao patrimônio da Ordem de Cristo (1319).

No reinado de D. Manuel (1495-1521), uma Visitação de 1505 nos permite conhecer alguns detalhes deste monumento .

 

Longroiva orgulha-se também das suas Termas de águas medicinais que foram recentemente objecto de um projecto de recuperação com um novo hotel . Assinale-se ainda a sua Fonte da Concelha e as festas da Senhora do Torrão que reunem  muita gente em Setembro.

O topónimo - Longroiva - diz-nos que se trata de uma povoação de origem céltica. Nesta freguesia foram encontrados vestígios da presença humana desde os tempos do megalitismo até ao período do império romano.

Para além do castelo, que sofreu beneficiação recente ao nível da iluminação e embelezamento, Longroiva possui um notável património cultural construído: o solar dos marqueses de Roriz, adaptado a turismo de habitação, a capela da Senhora do Torrão, a Fonte da Concelha, a Fonte Nova, a Igreja Matriz, dedicada a Santa Maria, a estrada nomana (para Astorga e Caliábria), a forca, sepulturas antropomórficas e moinhos de água.

Vista para a freguesia e castelo de Longroiva, Portugal.
MARIALVA
Numa vasta eminência rochosa, a 580 metros de altitude, sobranceira aos campos da Devesa atravessados pela ribeira de Marialva, situa-se a parte antiga desta povoação.

Foi nesta parte antiga que se situou o principal núcleo da comunidade dos Aravos, tribo lusitana, que se terá oposto com todo o seu vigor à invasão romana.

A presença desta comunidade é atestada por uma lápide, levada para o Museu Regional da Guarda, com uma inscrição honorífica dedicada ao Imperador Adriano. Certamente; também este local, foi objecto de passagem de outros povos que a seguir aos romanos ocuparam o nosso território, tais como os povos Bárbaros e Árabes, alterando o modo de vida.

Esta povoação foi arrancada do domínio muçulmano, em 1063 quando o rei D. Femando Magno a conquistou e lhe terá atribuído o nome que hoje tem, Marialva ou Marialba.

FreguesiaUm dos passos importantes para o desenvolvimento da economia desta região, esteve na criação, feita pelo Rei D. Dinis, da feira mensal de Marialva.


 

 

 

 

PARQUE DE FOZ CÔA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

as suas raízes Vila Nova de Foz Côa encontra o homem paleolítico que, com modestos artefactos, vincou na dureza do xisto ambições e projectos do seu universo espiritual e material, fazendo deste santuário o maior museu de arte rupestre ao ar livre, hoje Património da Humanidade.

Os vestígios da ocupação humana, mais ou menos intensa, prolongam-se pelos tempos castrejos e romanos. Os escassos testemunhos do período suevo-visigótico e árabe garantem, contudo, a continuidade dos núcleos populacionais. Contrariando as vicissitudes próprias das terras fronteiriças nestas paragens, a vida comunitária revelou-se regular e contínua, a partir do séc. X.


 

 

 


publicado por Luis Moreira às 15:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links