Domingo, 27 de Junho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine

Capítulo XXXI

Pedalada

Eu nasci em Lisboa mas cresci em Queluz e, mesmo quando andava na universidade, embora viesse, quando tinha tempo, à cinemateca, a museus, a bibliotecas, à Feira do Livro, a manifestações, na prática, cada dia, durante aqueles cinco anos, apressei-me do comboio para o metro e, quotidianamente, só frequentei a Faculdade de Letras. Depois fui viver para França.

Em Paris tenho um cartão, gratuito e de duração ilimitada, com o qual apanho todos os transportes públicos, pagando a mensalidade correspondente à zona em que quero circular – é barato e muito prático. Sendo funcionária pública, quando estou a dar aulas, reembolsam-me metade da mensalidade correspondente ao trajecto entre o domicílio e o local de trabalho; e algumas empresas privadas reembolsam até a totalidade. Ora em Lisboa, desde o dia 22 de Novembro, data em que me roubaram a precedente colecção, já juntei um Viva que, ignoro por que razão, ficou inutilizável, não obstante os cuidados, evitando dobrá-lo, evitando o contacto com o telemóvel, segundo Viva, que utilizei na linha de Sintra e na Fertagus, com o qual não posso andar na linha de Cascais, terceiro Viva com duas viagens de metro, que não serve na CP, nem na Carris, nem na Fertagus e quarto Viva com dois euros que, a qualquer altura, por qualquer outra razão, quando menos esperar, não poderei utilizar aqui, nem ali nem acolá. Quando saio levo os três cartões mais ou menos válidos, nunca se sabe, cuja validade máxima, claro, não ultrapassa um ano; isto seria simplificar, o que é contrário a todos os princípios que regem os transportes públicos na região de Lisboa. Cada vez que os cartões não servem para isto ou aquilo, por isto ou por aquilo, cumpre comprar outro; mais cinquenta cêntimos. Não me leva à ruína – mas como é que faz quem ganha o salário mínimo? Sobretudo isto revela uma mentalidade: valem todos os pretextos para depenar o utente. E para o dissuadir de apanhar transportes públicos.

Eu, na verdade, desisto. A minha paciência é grande no que contribui para a qualidade de vida; mas tem limites. Por isso, na maior parte das vezes, vou a pé. Esta cidade ultrapassa a mediocridade dos transportes públicos, não com mais carros – isso são reflexos de um passado monomaníaco – mas com outras opções.

A vantagem de uma andarilha viver nos Anjos é que, num instante, mesmo a pé, chega a todos os pontos da cidade. A Baixa? Dez minutos. A Gulbenkian? Quinze. O Chiado? Outros quinze. O CCB? Vou pela beira do Tejo.

Amo esta cidade com proporções perfeitas e todas as características de uma capital: museus e cinemas e teatros e lojas. E tanta diversidade. Isto é muito raro. As cidades costumam ter dimensões monstruosas. Ou serem provincianas. Aliás muitas acumulam até os dois defeitos.

Onde está a província nesta época global? Perguntará o leitor. Está na escassez de espaços culturais. Ou na necessidade de ser índigena para ter acolhimento. Ser do Porto (é apenas um exemplo) para expor no Porto; isto conduz sempre a um resultado pobre.

Em Lisboa deliciei-me há pouco com um festival intitulado Todos, caminhada de culturas, no qual – da música à culinária, passando pela fotografia, pelo cinema, por espectáculos de rua, por diversas outras festividades – a riqueza cultural do meu bairro teve fulgor. Gosto deste cosmopolitismo. E desta exigência; tivemos direito ao melhor. (Vivi uma das mais marcantes experiências musicais da minha vida num recital de guitarra chinesa. Aprendi a fazer comida indiana...)

E Lisboa tem o Tejo ao fundo da rua. Agora tem até mais Tejo porque enfim, graças à ciclovia, podemos admirá-lo num percurso de sete quilómetros. Por enquanto só andei na zona ribeirinha a pé mas projecto equipar-me dentro de pouco tempo com uma bicicleta. Chegarei depressa ao CCB. E ao Museu da Arte Antiga. E...

Sinto-me cada vez mais lisboeta.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links