Quarta-feira, 23 de Março de 2011

Os rivais eternos, por Raúl Iturra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os eternos rivais de que falo não são o gato e o cão da minha imagem. Antes fossem! Porque os eternos rivais são pessoas de dois países fronteiriços, sempre de costas viradas, o mais forte sempre a invadir o mais fraco. Como o leitor pode adivinhar, estou a falar do nosso pequeno país Portugal, e do gigante que o rodeia a Espanha. Digo pequeno, por ser a população de não mais de dez milhões de habitantes, enquanto a Espanha conta com trinta e nove milhões. As relações entre estes dois países nem sempre foram harmoniosas, apesar dos desencontros terem sido esporádicos. Claro que exagero que estes países sejam como o cão e o gato. Em tempos, Isabel de Castela, podia ter sido pretendente ao trono de Portugal por ser filha de uma Infanta Portuguesa, Isabel da casa de Avis. Isabel de Castilha, filha de Juan II de Castilla e da sua segunda mulher, Isabel de Portugal (1428-1496), nasceu em Madrigal de las Altas Torres (Ávila) a 22 de Abril, Quinta-Feira Santa, de 1451, no paço que hoje é ocupado pelo Monasterio de Nuestra Señora de Gracia. Lugar e data de nascimento, têm sido historicamente discutidos, ninguém, há época, estava consciente da importância que essa menina teria no futuro Juan II de Aragón, que tratou de negociar em segredo com Isabel a boda do seu filho Fernando. Foi bem sucedido, após grandes batalhas de Corte por causa de serem primos, mas o Vaticano dispensou este impedimento, passando assim Fernando de Aragón a ser príncipe consorte de Isabel. Ora, durante seu reinado unificou a Espanha, ganhou as guerras com os emiratos árabes que ocupavam a península e enviou-os para a sua terra, tal como aos mouros que regressaram à sua terra Natal, Marrocos. O resto da história está no meu livro Esperanza, uma história de vida, editado por Estrolabio, 2010, Lisboa, texto que pode ser acedido em:  http://estrolabio.blogs.sapo.pt/. Para acabar com a História de vida de Isabel, que recebeu do Vaticano o título da Católica pelas suas proezas de converter, sem medo do perigo, toda a península hispânica, ao catolicismo, confiandoem Cristóvão Colombo para circum-navegar os mares proibidos ou temidos, até encontrar uma terra, que denominara Índias Orientais, convicto que estava de ter descoberto uma outra passagem para a Índia, contudo, ao reparar no seu engano navegou pela costa, mais tarde mapeada e cartografada por Américo Vespucio, desta dádiva de Colombo à sua protectora Isabel. Outro motivo, ainda, para ser chamada Isabel a Católica, enobrecer o descobridor, que passou a ser duque de Carvajal, com os seus descendentes ainda vivos e endinheirados.

 

Até este ponto, não parece haver uma rivalidade eterna entre as duas monarquias, pelo contrário, havia parentesco de consanguinidade entre os habitantes dos dois reinos. No caso de Isabel, e apesar dos esforços do seu irmão, Enrique IV, para a casar com Afonso V de Portugal, o que não veio a ocorrer porque Isabel o achou demasiado velho. Contudo, Enrique IV, que pelo Tratado de los Toros de Guisando teria de aprovar o matrimónio de Isabel, continuava, mesmo após a rejeição de sua irmã por Afonso V, a querer a aproximação ao reino de Portugal, pela via do matrimónio, restando-lhe a sua filha Juana que veio a casar com Juan II de Portugal, filho de Afonso V de Portugal. Assim, Isabel, como membro da família real, iria para o reino vizinho e, à morte do seu esposo, o trono de Portugal e de Castela passaria para D. João II de Portugal e sua esposa, Juanala Beltraneja. Qual, porém, a rivalidade? A rivalidade era casar a Isabel com o Rei de Portugal, ou a filha, Juana a Beltraneja, com o Infante herdeiro do trono português.

 

 

 

publicado por João Machado às 14:00
link | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Una Mentalitat Hipercentralista por Josep A. Vidal

 

Aquest espai, dedicat a tots els amics d'Estrolabio i, de manera molt especial, als que segueixen el nostre bloc des de les terres de parla catalana. Aquí parlarem de cultura lusòfona i de cultura catalana, i de les qüestions i els problemes que ens afecten als uns i als altres.

 

 

Sí, no tinc més remei que tornar una altra vegada a allò que ja he comentat en articles anteriors. De fet, el discurs del nacionalisme espanyol i del context sociopolític que l'alimenta, és de tal manera que podria haver triat algun article publicat fa dècades i serviria igual amb algun retoc conjuntural.

 

Breument: a l'empara de la crisi econòmica i de la necessitat de reajustar els pressupostos a la baixa i amb sensibles retalls, a Espanya s'ha encetat una via crítica envers les despeses que comporta l'Administració d'un Estat descentralitzat. I és lògic que aquesta revisió crítica es faci, com s'hauria de fer també -atès el context de crisi- als països amb una concepció centralista o amb una organització federal.

 

Però, a Espanya, que té una administració força descentralitzada, organitzada en Comunitats Autònomes, hi perviu una mentalitat hipercentralista, que s'autoreconeix en una simbologia -una fantasmagoria, hauríem de dir- castellana i que participa encara de la mateixa mitologia que es va gestar al llarg del XIX i que va servir de fonament al discurs nacionalista espanyol del franquisme. Això fa que en el que hauria de ser una revisió crítica dels pressupostos i dels costos de l'Administració estatal, l'Estat quedi al marge de l'anàlisi i que, de manera fàcil i acrítica, tots els mals s'atribueixin a la descentralització i a l'Estat de les Autonomies.

 

Per les mateixes raons adduïdes i d'altres de naturalesa clarament patològica, un cop el mal ha estat atribuït a les autonomies, el debat polític necessita personalitzar l'enemic, donar-li rostre i nom, perquè l'existència d'un enemic individualitzat fa innecessari qualsevol altra anàlisi. I, com de costum, l'enemic a vèncer torna a ser Catalunya.

 

Mentre el govern espanyol prepara les seves estratègies per recuperar, amb el pretext de la crisi, parcel·les de poder que havien estat traspassades a les Comunitats Autònomes, el Partido Popular posa la mirada una vegada més en Catalunya i atia el foc de l'anticatalanisme, exacerbant l'exaltació del nacionalisme espanyol i presentant-se com a redemptor de tots els mals.

 

En aquest context, els populars, que confien cegament en recuperar el govern de l'Estat en les pròximes eleccions i que fins i tot somien amb la majoria absoluta, han donat tribuna una vegada més a l'ex president José María Aznar. I aquest, convertit en adalid i portantveu de la caverna espanyolista, ha bramat que cal tornar al 1978 (al moment immediatament anterior a la Constitució espanyola) i redissenyar el camí. És a dir, tornar al postfranquisme original i evitar de cometre novament l'error de la descentralització de l'Estat: el PP ha brandat -ja clarament i de manera desvergonyida- la bandera i la torxa de l'Espanya única.

 

Sembla mentida que una persona de la migradesa intel·lectual que exhibeixen les argumentacions de José María Aznar pugui servir com a bandera d'un partit que aspira a governar un país modern. Però al capdavall José María Aznar no s'allunya gaire de la talla d'altres personatges que mouen els fils de la política europea des del govern d'altres països. Hi ha una patologia europea que ens hauria de preocupar fermament.

 

Des de l'obscurantisme del nacionalisme espanyol excloent, Aznar i els altres dirigents del Partido Popular han desqualificat, amb to d'ironia, l'ús de les llengües de l'Estat –el català, el gallec i l'euskera- al Senat espanyol, que, per primera vegada després de més de trenta anys de democràcia, ha acceptat de trencar l'exclusivitat del castellà. I s'han permès fer-ho amb virulència, menysteniment i irionia. No hi fa res que els parlamentaris del PP a Catalunya es permetin d'utilitzar el castellà al Parlament català sense haver de demanar permís a ningú; no els cal cap coherència: protesten i diuen exabruptes irracionals quan s'utilitzen el català, l'euskera i el gallec al Senat. I dic "exabruptes irracionals" perquè no vull ser groller. Perquè han dit animalades polítiques i disbarats culturals de tanta alçada, que qualsevol ciutadà d'un país democràtic hauria de sentir vergonya d'estar representat per polítics d'aquest nivell i d'aquest perfil. Si més no, en un país que, en lloc de practicar l'autoodi, hagués après a estimar-se ell mateix, a reconèixer en la pluralitat, i fos capaç de transmetre aquest mateix sentiment a les noves generacions.

 

Naturalment, no tot han estat exabruptes. També hi ha hagut intents de disfressar l'animadversió amb "arguments" polítics i de racionalitat. Així, el president del PP i candidat a la presidència del Govern, Mariano Rajoy, ha blasmat la despesa que suposa haver d'utilitzar un servei de traducció simultània al Senat espanyol en un temps de crisi. Es veu que utilitzar de tant en tant aquest servei genera a l'Estat una despesa insuportable. El mateix José María Aznar, amb el seu estil histriònic i fatxenda habitual, ha reblat el clau dient que Espanya no està per a bromes ni per a bajanades com la d'haver d'utilitzar auriculars (ell ha emprat el mot "pinganillos") al Senat.

 

Naturalment, el fet que José María Aznar –segons han informat els mitjans de comunicació recentment cobri 80.000 euros anuals i vitalicis –com els cobra també Felipe González– pel fet d'haver estat president del Govern i per dedicar-se a posar l'Estat espanyol en ridícul allà on va, i que alhora cobri 600.000 euros d'una potent empresa editorial per tres llibres que fan vergonya de llegir, o que cobri 30.000 euros per cada conferència per exposar idees arnades i perillosament demagògiques, i que a més hagi estat contractat per ENDESA com a assessor –és a dir, per no fer res– amb un sou de 200.000 euros anuals, a part d'ostentar altres assessories i beneficis –Felipe Gonzáles en cobra 126 000 com a assessor de Gas Natural–, això sí que deuen ser diners ben gastats i una exhibició d'austeritat i prudència econòmica en un context de crisi! De segur que els ciutadans li agraeixen serveis tan útils i tan desinteressats!

 

Però, és clar, gastar 60.000 euros l'any perquè les llengües oficials de l'Estat espanyol comparteixin un 0,00001 de l'espai que el castellà controla en exclusiva i amb prepotència excloent és una despesa que l'Estat no es pot permetre.

 

La campanya centralitzadora s'ha començat, i serà l'eix vertebral de bona part del discurs polític dels pròxims mesos o dels pròxims anys.

 

I encara bo, si fos un discurs polític, perquè l'intercanvi democràtic d'idees i d'argumentacions no ha de molestar ningú. Però, no ens enganyem, serà tota una altra cosa. El desvergonyiment centralista del PP i de l'espanyolisme cavernari ja ho han anunciat.

 

I el pregoner que han triat és el pitjor presagi.

 

Josep A. Vidal

publicado por Josep Anton Vidal às 09:00
link | comentar | favorito
Sábado, 20 de Novembro de 2010

Notas soltas - Merecida homenagem

Carlos Godinho

Esta imagem reflecte a face mais pura do futebol e do espírito de selecção. Numa equipa, num grupo de trabalho, todos são importantes. Desde o seleccionador ao mais humilde dos funcionários, todos devem acreditar e lutar pelo mesmo objectivo. Quando assim é torna-se mais fácil a concretização dos desejos de todos. Luís Figo é o Director de Relações Públicas do Inter, Pauleta é Embaixador do Paris Saint-Germain e embora vivendo fora de Lisboa, e um do próprio País, vieram a Lisboa participar na homenagem ao António Gonçalves. Sabem ambos o muito que ele trabalhou durante os cerca de dezoito anos em que andaram pelas selecções nacionais. Muitas viagens, jogos e treinos, muitas histórias, imensas alegrias, algumas tristezas, uniram estes homens, e por isso não hesitaram os dois, mais o Fernando Couto, em estar na quarta-feira em Lisboa. Alguns outros ligaram e mandaram mensagens, com realce para a de Jorge Costa. Nenhum, felizmente, precisa nada do António Gonçalves, mas a amizade e o reconhecimento assentam-lhes que nem uma luva. Curiosos e emotivos, envolvendo António Gonçalves e os jogadores, foram também os momentos vividos no vestiário antes da entrada em campo, mas esses só um dia mais tarde revelarei.

(Foto: Francisco Paraíso)

O Hino Nacional



(Foto: Francisco Paraíso)


(Transcrito de "Todos Somos Portugal")
Eu sei que estes jogadores estão habituados a grandes ambientes, a grandes estádios e ao ruído associado ao grande número de espectadores. Curioso é que os momentos dos hinos nacionais quase sempre marcam os jogos. Anteontem, porque me encontrava bastante perto das equipas perfiladas, reparei que alguns dos jogadores espanhóis tinham um ar de algum espanto perante a forma muito entusiástica como os cerca de 30.000 espectadores cantaram "A Portuguesa". Não sei se por não estarem habituados, o hino espanhol, só tem música, ou se o eco que aquelas gargantas produziram no relvado os impressionou, tal a força que irradiaram. Até a mim, que já o cantei centenas de vezes me arrepiou. Aquele estádio tem de facto uma força que não é explicável. Parabéns a todos que lá estiveram e que não tiveram medo de exprimir os seus sentimentos.
publicado por Carlos Loures às 11:00
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Domingo, 7 de Novembro de 2010

Recepção ao papa na Galiza

Por sugestão de um leitor, incluímos estas fotografias - eis como alguns irmãos galegos recebem Bento XVI




publicado por Carlos Loures às 12:29
link | comentar | ver comentários (5) | favorito

Recepção ao Papa



Adão Cruz





Cuelga una pancarta en tu balcón




Que todos lo vean!



                                                               En defensa de la laicidad!



Ainda bem que há gente viva neste mundo. Ainda bem que a espécie humana mantém sistemas neuronais activos  e uma higiene mental cheirando a frescura

publicado por Carlos Loures às 10:30
link | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 11 de Setembro de 2010

Dia 11 de Setembro - Diada nacional de Catalunya - Dia Nacional da Catalunha

Josep Anton Vidal

L'onze de setembre del 1714, Barcelona, fortament assetjada per les tropes de Felip d'Anjou comandades pel duc de Berwick i traïda i abandonada per les potències europees, queia sota l'assalt de l'exèrcit borbònic. Aquella data és, encara avui, un punt de referència per als catalans, que n'han fet la Festa Nacional de Catalunya. Hi ha qui diu que celebrem una derrota, i n'hi ha també que afegeixen o fan entenedor que els pobles que celebren derrotes han perdut la capacitat de fer-se un lloc propi en la història. No és pas així; els catalans no celebrem cap derrota, perquè les derrotes les celebren els vencedors. Els vençuts commemorem (és a dir, "compartim la memòria") un fet que ens diu clarament qui som, d'on venim i quins camins hem transitat, alhora que ens empeny a la reflexió de cap on volem anar i ens porta a compartir també l'esforç de fer i aconseguir un projecte per al nostre país.

Així, doncs, en tancar-se el cercle, els extrems es toquen: d'on venim i on volem anar.

Som una nació i volem ser una nació.

El 1714, però, és la data de referència de la pèrdua de les nostres llibertats. D'aleshores ençà hem estat una nació sense Estat i en un medi que ens ha fet pagar amb hostilitat manifesta no només cada intent de reivindicar la nostra identitat nacional i cultural, sinó fins i tot qualsevol mostra de singularitat per molt simple que fos.

A tall d'anècdota, un fet que no deixa de ser significatiu: Si recentment els nacionalistes espanyols han muntat un ciri per la pronunciació del Parlament de Catalunya contra les "corrides de toros", fa cosa d'un segle i mig, el governador civil de Barcelona va prohibir les corrides a la ciutat perquè considerava que els ciutadans hi posaven massa entusiasme i s'hi havien produït aldarulls per la mala qualitat del bestiar. I la prohibició es va fer efectiva amb l'aquiescència del govern espanyol, naturalment. En aquell moment van ser els catalans els qui van denunciar el fet discriminatiu respecte de la resta del Regne, però va ser inútil, i les corrides van continuar prohibides fins que els empresaris taurins van reclamar al govern indemnitzacions econòmiques per les pèrdues que la mesura els ocasionava. Això va fer que fossin autoritzades novament, però amb l'argument de l'autorització el govern va denegar les compensacions econòmiques que els perjudicats havien reclamat.

El fet que acabo de narrar succintament és, en la perspectiva històrica, trivial. Però serveix perfectament per representar el paradigma de les actituds d'hostilitat amb què se solen rebre les manifestacionsde singularitat dels catalans, fins i tot les més banals.

La pèrdua de la nostra independència no és, però, un fet extraordinari en el conjunt de les nacions. La majoria dels territoris avui integrats en els estats moderns han seguit una història semblantment arbitrària: una batalla, una herència règia, la dot matrimonial d'un príncep, un cop de fortuna, un caprici o un tractat han servit secularment per dibuixar o esborrar fronteres i llibertats. En alguns casos s'ha aconseguit amb el temps generar unions harmòniques, països integrats, identitats plurals perfectament assumides; en d'altres casos, s'han perpetuat l'antagonisme, l'enfrontament i els sentiments irreconciliables. En el nostre cas, el de Catalunya vull dir, mai no hem deixat de "saber-nos" vençuts. Dic "saber-nos", que no vol dir "sentir-nos". La raó, o una de las raons –potser la principal- és clara: la derrota de Catalunya el 1714 va significar literalment el naixement del Regne d'Espanya. Mai abans cap rei no havia pogut dir-se "rei d'Espanya". Per això aquella victòria fou congènita per a Espanya, i per això Espanya no ha volgut renunciar mai a la seva posició de vencedor i no ha deixat mai d'actuar com a tal. I la pervivència de l'esperit de victòria comporta la necessària pervivència dels vençuts.

No estic pas dient que abans d'aquella data no existís Espanya. Existia i se'n parlava sovint, però no era pas un Estat, ni era un Regne, per molt que hi hagués un sol monarca. L'Espanya "una" neix amb la pèrdua de les llibertats catalanes. Sense aquesta victòria prèvia, que havia estat buscada obstinadament al llarg del segle XVII pels Habsburgs castellans i els seus validos, l'Espanya que ha arribat fins als nostres dies no hauria existit ni hauria estat possible. Potser sí que avui dia existiria Espanya, però seria probablement una Espanya diferent, nascuda d'una altra manera, sense l'estigma del "vencedor"... Dic estigma, perquè és precisament d'aquesta identidad assumida per mitjà de la "victòria" d'on neix el sentiment profund, probablement inconscient, del nacionalisme espanyol. I del mateix pou d'on neix l'orgull espanyol –aquest que s'ha exhibit sense cap contenció a partir dels èxits de la "Roja"- és d'on neixen alhora l'expressió arrogant, l'autarquia despectiva i les pors que alimenten els nacionalistes espanyols, ja siguin o es diguin de dretes o d'esquerres. En la seva consciència hi ha el sentiment atàvic –i els sentiments no necessiten ni argumentació ni convenciment– que la recuperació de les llibertats dels catalans, la recuperació i l'exercici de la nostra identitat nacional significaria la fi d'Espanya, si més no de l'única Espanya que ells són capaços de reconèixer encara que ni existeixi ni hagi existit mai com ells la pensen.

"España se rompe" és la consigna de la caverna del nacionalisme espanyol que expressa l'amenaça i el perill més grans, alhora que expressa una por ancestral i incapacitadora, que impedeix pensar, analitzar els problemes i cercar propostes de concòrdia i solucions.

Són freqüents les manifestacions de polítics, intel•lectuals i gent comuna contra el "separatisme", perquè, és clar, en un món cada cop més global –diuen– les voluntats disgregadores, particularistes o separatistes són un anacronisme. El separatisme –insiteixen– és anar contra la dinàmica del temps, contra el progrés, contra un esperit d'obertura i universal. I un cop dit això es queden tan contents i satisfets com si haguessin dit alguna cosa i es permeten anatematitzar tothom que no pensi com ells. I és que, com hem dit abans, el sentiment no necessita anàlisi crítica ni arguments. És per això que no s'adonen que no és de "separatisme", que es parla, sinó d'independència i, indefectiblement, de llibertats.

El progrés de la humanitat es mesura en àtoms de llibertat. És el creixement de les llibertats, expressat en el reconeixement de drets i deures dels ciutadans i l'esforç per fer-los extensius a tots els pobles i a totes les persones, el que expressa el progrés global de la societat humana. I no m'estic referint a aquella llibertat individualista i anacrònica segons la qual la llibertat de l'un acaba on comença la de l'altre, sinó a una llibertat solidària en la qual la llibertat de l'un comença on comença la de l'altre. Perquè la "meva" o la "teva" llibertat són una fal•làcia si no neixen del compromís radical i irrenunciable amb la llibertat de l'altre i dels altres. Per això, dir que s'està en contra del separatisme és no dir res. Perquè, si acceptem com a premissa el dret a la llibertat, veurem que el que cal debatre no la separació, sinó sobre quines bases s'estableixen les unions. És d'això del que parlem, i qui ho aprofita per parlar de separatismes és que no vol, no sap o no li interessa mirar cara a cara el problema que es debat.

Catalunya vol establir lliurement els seus vincles, els seus compromisos, elegir les seves fidelitats. I això, en el nostre món i fins i tot en el nostre entorn més pròxim, no és només una aspiració de Catalunya.

És hora de preguntar-se si el concepte d'Estat –i les estructures de poder associades a aquest concepte– que hem heretat del passat continuen sent vàlides per al món actual, en el qual han passat, estan passant i és necessari que passin encara, i de manera imminent, moltes coses. Els organismes internacionals o supraestatals són, cada vegada més, referència obligada per als estats. És hora de preguntar-se si el model –o els models– d'Estat i les estructures estatals heretats del jacobinisme serveixen per afrontar els reptes, no ja del futur, sinó del present. L'Estat ha de ser un sistema de garanties que s'insereix en un sistema de relacions –de gran complexitat en totes les dimensions– en el qual sigui capaç moure's i articular-se amb la flexibilitat necessària per respondre adequadament i amb eficàcia als fets i a les dinàmiques de la història.

És precisament la defensa ultramontana de l'estat jacobí i dels esquemes mentals en què es fonamenta allò que va contra la història i el progrés, perquè va contra el desenvolupament de les llibertats.

Catalunya viu un moment políticament complicat, però de gran interès. Són molts els reptes que té plantejats la societat catalana a tots els nivells. I en la cerca de camins, solucions i alternatives, en l'elaboració de programes i planificacions, i en l'aplicació de polítiques concretes i necessàries, i en un miler de coses més, els catalans no volem continuar sent ni comparses, ni convidats, ni espectadors, ni subalterns... És a nosaltres que ens competeix la nostra societat, som nosaltres els qui hem de decidir què fem amb la nostra llengua i amb la nostra cultura, naturalment. Però, també som nosaltres els qui hem de decidir què fem amb la nostra economia i amb la nostra societat, i amb el nostre territori, i amb les nostres infraestructures, i amb les nostres relacions comercials, i amb les nostres relacions amb els altres països i la manera com establim els lligams amb els pobles veïns i amb el món. No reivindiquem cap separatisme –llevat potser de la caverna del nacionalisme català, que també existeix i que pot ser tan obtusa com la del nacionalisme espanyol, encara que parteixi de posicions identitàries i de força diferents–: allò que reivindiquem és la llibertat que ens correspon com a poble per incorporar-nos al sistema de relacions que ens pertoca com a nació des de posicions d'igualtat de drets, de posicions, de capacitats i de competències.

Onze de Setembro. Dia Nacional da Catalunha

Em onze de setembro de 1714, Barcelona, fortemente assediada pelas tropas de Filipe de Anjou, sob o comando do duque de Berwick, atraiçoaada e abandonada pelas potências europeias, caía sob o assalto so exército bourbónico. Esta data é, ainda hoje, um ponto de referência para os catalães, que a transformaram na Festa Nacional da Catalunha. Há quem diga que celebramos uma derrota e há também os que acrescentam ou dão a entender que os povos que festejam derrotas perderam a capacidade de ter um lugar próprio na História. Não é assim; nós, os catalães, não festejamos nenhuma derrota, pois as derrotas são os vencedores quem as festejam. Nós, os vencidos comemoramamos (ou seja, "partilhamos a memória")de um facto claramente quem somos. de onde vimos e que caminhos percorremos, ao mesmo tempo que nos leva a reflectir para onde queremos ir e nos leva também a partilhar o esforço de construir e de conseguir um projecto para o nosso país.

Assim pois, ao fechar-se o círculo, os extremos tocam-se: de onde vimos e para onde queremos ir.

Somos uma nação e queremos ser uma nação.

No entanto, 1714 é a data de referência da perda das nossas liberdades. Desde então somos uma nação sem Estado e num meio que nos fez pagar com manifesta hostilidade, não só cada tentativa de reivindicarmos a nossa identidade nacional e cultural, como também qualquer demonstração de singularidade, por mais simples que ela seja.

Em jeito de anedota, refiro um facto que não deixa de ser significativo: se recentemente os nacionalistas espanhóis ergueram as mãos ao céu devido à decisão do Parlamento catalão contra as "corridas de touros", há aproximadamente um século e meio o governador civil de Barcelona proibiu as corridas na cidade por considerar que os cidadãos as viam com demasiado entusiasmo e que isso dera lugar a distúrbios causados pela má qualidade do gado. Naquele momento foram os catalães que denunciaram o facto discrimanitivo relativamente ao resto do reino, mas foi inútil e as corridas continuaram proibidas até que os empresários taurinos exigiram ao governo indemnizações pelos prejuízos que esta medida lhes provocava. As corridas foram de novo autorizadas, mas, com o argumento da autorização, o governo não atribuiu as compensações económicas que os prejudicados tinham reclamado.

O facto que acabo de sucintamente narrar é, na perspectiva histórica, trrivial. Mas serve perfeitamente para representar o paradigma das atitudes de hostilidade com que são habitualmente recebidas as manifestações de singularidade dos catalães, inclusivamente as mais banais.

A perda da nossa independência não é, no entanto, um facto extraordinário no conjunto das nações. A maioria dos territórios hoje integrados nos estados modernos seguiram uma história similarmente arbitrária: uma batalha, uma herança régia, o dote matrimonial de um príncipe, um golpe de sorte, um capricho ou um tratado, serviram secularmente para desenhar ou para apagar fronteiras e liberdades.

Em alguns casos, conseguiu-se com o tempo gerar uniões harmoniosas, países integrados, identidades plurais perfeitamente assumidas; noutros casos perpetuou-se o antagonismo, o confronto e os sentimentos irreconciliáveis. No nosso caso, no caso da Catalunha, nunca deixámos de «nos saber vencidos». Quando digo «saber», não quero dizer «sentir». A razão, ou uma das razões - talvez a principal - é a clara: a derrota da Catalunha em 1714, significou literalmente o nascimento do Reino de Espanha. Nunca antes ninguém se pudera chamar "rei de Espanha". Por isso, essa vitória foi congénita para a Espanha, pelo que a Espanha nunca quis renunciar à sua posição de vencedora, nunca deixando de actuar como tal. E a sobrevivência do espírito de vitória, acarreta a correspondente sobrevivência dos vencidos.

 Não estou a afirmar que antes dessa data não existisse a Espanha. Existia e usava-se frequentemente essa designação. Mas não era um Estado, en um Reino, mesmo havendo apenas um monarca. A Espanha «una» nasce com a perda das liberdades catalãs. Sem esta vitória prévia, que fora pertinazmente procurada ao longo de todo o século XVII pelos Habsburgo castelhanos e pelos seus validos, a Espanha que chegou até aos nossos dias não teria existido nem teria sido possível. Talvez hoje existisse Espanha, mas provacelmente seria uma Espanha diferente, nascida de outra maneira, sem o estigma do "vencedor"... Digo estigma, por ser precisamente desta identidade assumida através da "vitória" que nasce o sentimento profundo, provavelmente inconsciente, do nacionalismo espanhol. E do próprio poço onde nasce o orgulho espanhol - esse mesmo que se exibiu sem contenção a partir dos êxitos da "Roja" - é também onde se gera a expressão arrogante, a autarquia despreziva e os medos alimentados pelos nacionalistas espanhóis, quer sejam ou se digam de direita ou de esquerda. Na sua consciência perdura o sentimento atávico - e os sentimentos não precisam de argumentação nem de convencimento - de que a recuperação das liberdades dos catalães, a recuperação e o exercício da nossa identidade nacional signiificaria o fim da Espanha - pelo menos da única Espanha que eles são capazes de reconhecer, embora seja inexistente ou nunca tenha existido da forma que eles a pensam.

"A Espanha desfaz-se" é a palavra de ordem da caverna do nacionalismo espanhol, exprimindo a ameaça e o perigo maiores, ao mesmo tempo que exprime um medo ancestral e incapacitante, que impede de pensar e de analisar os problemas, de procurar propostas de concórdia e soluções.

São frequentes as manifestações de políticos, intelectuais e de gente comum contra o "separatismo", porque, claro, num mundo cada vez mais global - dizem - as aspirações desagregadoras, particularistas ou separatistas são um anacronismo. O separatismo - insistem - é ir contra a dinâmica do tempo, contra o progresso, contra um espírito de abertura universal. E, dito isto, ficam tão contentes e satisfeitos como se tivessem dito alguma coisa. E permitem-se anatematizar todo aquele que não pense como eles. E, como disse antes, o sentimento não precisa de análise crítica nem de argumentos. É por isso que não se apercebem de que não se está a falar de "separatismo", mas sim de independência e, indefectivelmente, de liberdades.

.
O progresso da humanidade mede-se em átomos de liberdade. É o crescimento das liberdades, expresso no reconhecimento de direitos e deveres dos cidadãos e o esforço para os tornar extensivos a todos os povos e a todas as pessoas, que retrata o progresso global da sociedade humana. E não estou a referir-me a essa liberdade individualista e anacrónica, segundo a qual a liberdade de um termina onde começa a liberdade do outro, mas sim a uma liberdade solidária em que a liberdade de um começa onde começa a do outro. Porque a «minha» liberdade ou a «tua» são uma falácia caso não nasçam do compromisso radical e irrenunciável com a liberdade do outro e a dos outros. Por isso, dizer-se que se está contra o separatismo é não dizer nada. Porque se aceitamos como premissa o direito à liberdade, veremos que o que há a debater não é a separação, mas saber sobre que bases se devem as uniões estabelecer, É disto que estamos a falar e quem o aproveitar para falar de separatismos é porque não quer, não sabe ou não lhe interessa olhar de frente o problema que se debate.

A Catalunha quer estabelecer livremente os seus vínculos, os seus compromissos, escolher as suas fidelidades. E isso no nosso mundo e inclusive na nossa proximidade, não constitui apenas uma aspiração da Catalunha.

É o momento de se perguntar se o conceito de Estado - as estruturas de poder associadas e esse conceito - que herdámos do passado continuam a ser válidas para o mundo actual, no qual se passaram, passam e é necessário que continuem ainda a  passar-se e de maneira iminente, muitas coisas. Os Organismos internacionais ou supraestatais são, cada vez mais, referência obrigatória para os estados. É por isso o momento de se perguntar se o  modelo - ou modelos - de Estado e as estruturas estatais herdadas do jacobinismo servem para enfrentar os desafios, não os do futuro, mas os do presente. O Estado deve ser um sistema de garantias que se insere num sistema de relações - de grande complexidade em todas as dimensões - no qual seja capaz de se movimentar e de se articular com a flexibilidade necessária para responder adequadamente e com eficácia aos factos e às dinâmicas da história.

Aquilo que vai contra a história e contra o progresso, por ir contra o desenvolvimento das liberdades, é precisamente a defesa ultramontana do estado jacobino e dos esquemas mentais em que ele se fundamenta.

A Catalunha vive um momento políticamente complicado, mas de um grande interesse. São muitos os desafios que a sociedade catalã tem de, a todos os níveis, enfrentar. E na procura de caminhos, soluções e alternativas, na elaboração de programas e planificações, na aplicação de politicas concretas e necessárias, e em muitas e numerosas coisas mais, nós os catalães não queremos continuar a ser comparsas, nem convidados, nem espectadores, nem subalternos... É a nós que compete a nossa sociedade, naturalmente, somos nós que devemos decidir o que fazemos com o nosso idioma e com a nossa cultura. Mas somos nós também que devemos decidir o que fazemos com a nossa economia e com a nossa sociedade, e com o nosso território, e com as nossas relações com os outros países e a maneira como estabelecemos vínculos com os povos vizinhos e com o mundo. Não reivindicamos qualquer separatismo - salvo, talvez, da caverna do nacionalismo catalão, que também existe q que pode ser tão obtuso como a do nacionalismo espanhol, embora parta de posições identitárias e de força diferentes; o que reivindicamos é a liberdade a que temos direito como povo, para integrarmos o sistema de relações que desejamos construir como nação, a partir de posições de igualdade de direitos, de posições, de cpacidades e de competências.


publicado por Carlos Loures às 09:00
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 27 de Agosto de 2010

As citações de Saramago - 4


Luis Moreira


Depois dos livros as citações para melhor compreensão do homem e do escritor.

Abandono de Portugal

Pago todos os impostos em Portugal e é lá que voto.Se não vivo em Portugal é porque fui maltratado, publicamente ofendido pelo governo de Cavaco Silva, de que era secretário de Estado Santana Lopes e subsecretário Sousa Lara. E no governo, a que pertencia Durão Barroso não se levantou uma única voz dizento "isto é um disparate, isto não se faz"

Balanço

A única coisa que ainda quero ter é vida.Vida para viver, vida para viver com quem vivo, se possível trabalhando. Se eu faço um balanço, operação bastante inútil, enfim, pois balanço feito pelo próprio é sempre suspeito...Se eu olhar para trás, independentemente dos triunfos, das glórias, aquilo de que eu gosto mais é de encontrar um sujeito consciente, coerente. Coerente. Nunca cedi às tentações do poder, nunca me pus à venda.

Espanha

Viajar por Espanha é surpreendente porque se está, permanentemente, a passar de um mundo a outro e isso, sim, é fascinante. Estão hoje, em virtude dessa diversidade, perfeitamente justificadas as autonomias, com aquela enorme diferença de caracteres. E isto não é um lugar comum: as pessoas são realmente diferentes, um andaluz é completamente diferente de um galego, um galego de um catalão, um castelhano de outro qualquer.

Ibéria

Em primeiro lugar sou português.depois sou ibérico.Eu digo isso há muitos anos.Não é por estar casado com uma espanhola que estou a dizer isso. E, depois, se me apetecer, serei europeu.Portanto acontece que eu continuo a ser português. Não posso ser outra coisa senão português. Não posso escrever em outra língua senão portuguesa. Mas digamos que o meu sentido de pertencer a algo se ampliou.Passou a ser a Península ibérica. Eu sou tão estimado em Espanha como sou estimado em Portugal.
publicado por Luis Moreira às 19:30
link | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Agosto de 2010

Iberismo? - Não, obrigado! (2)

Carlos Loures

Em entrevista à agência Lusa, em Novembro de 2008, Arturo Pérez-Reverte escritor espanhol, defendeu a existência da Ibéria como país único, sem fronteiras que separem Espanha e Portugal. Entende ser «um absurdo» que os dois países vivam «tão desconhecidos um do outro». Afirma haver «uma Ibéria indiscutível que está entre os Pirenéus e o estreito de Gibraltar, com comida, raça, costumes, história em comum e as fronteiras são completamente artificiais", Para ele, o maior erro histórico de Filipe II, no século XVI, foi não ter escolhido Lisboa como capital do império. “Teria sido mais justo haver uma Ibéria, e a história do mundo teria sido diferente". Acrescentou que a Ibéria não existe de jure, mas "qualquer espanhol que venha a Portugal se sente em casa e qualquer português que vá a Espanha sente o mesmo". (..)"É uma realidade incontestável" que precisa de um empurrão social e não político para ser concretizada”(…)”. O mundo de hoje "é um lugar de grandes mudanças sociais". O " Ocidente pacífico, sereno, poderoso, com alguma coerência cultural e social do século XX não poderá continuar. O Ocidente como o entendemos está na sua etapa final"-

Numa entrevista dada ao Diário de Notícias em 2007, José Saramago defendera também a integração de Portugal em Espanha: «Não vale a pena armar-me em profeta, mas acho que acabaremos por integrar-nos» Não seria uma integração cultural,.acrescentou: «A Catalunha tem a sua própria cultura, que é ao mesmo tempo comum ao resto de Espanha, tal como a dos bascos e a galega, nós não nos converteríamos em espanhóis.» Porém, quando o jornalista pergunta se Portugal seria mais uma província de Espanha, Saramago respondeu: «Seria isso. Já temos a Andaluzia, a Catalunha, o País Basco, a Galiza, Castilla-La Mancha e tínhamos Portugal. Provavelmente (Espanha) teria de mudar de nome e passar a chamar-se Ibéria.» E os portugueses aceitariam a integração? - quis saber o jornalista: «Acho que sim, desde que isso fosse explicado».

Comparar Portugal com a Andaluzia e com Castilla-La Mancha, territórios que têm a sua cultura própria, formas dialectais de se exprimir em castelhano, mas que nunca tiveram autonomia política, é absurdo. Os casos da Galiza, da Catalunha e do País Basco são diferentes, pois são nações submetidas e aculturadas. Coisa que nós, os Portugueses que amam o seu país, não queremos que nos aconteça. E este amor não é flor de retórica, requebro de sentimento fadista ou saudosismo de descobrimentos, de esplendores passados – é o genuíno orgulho de pertencer a um povo que desde há séculos está desfasado das vanguardas culturais da Europa, mas que, com todas as imperfeições que acompanham a sua história de nove séculos, tem logrado manter o seu território, a sua língua, os seus valores culturais e a sua independência. Somos um dos estados mais antigos do mundo - o estatuto autonómico de Castilla-La Mancha? Nem a brincar.

Ficou-nos, aos europeus do século XIX, talvez relacionada com a matriz do Romantismo, a ânsia dos grandes impérios, das grandes óperas, dos grandes amores, dos magnicídios e dos suicídios espectaculares. A unificação da Itália, a da Alemanha, sob a hegemonia prussiana, a cavalgada do Império Russo na conquista das nações circundantes, são exemplos dessa ânsia de grandeza que as elites contrapunham ao populismo das ideias igualitárias do socialismo nascente, para essas elites, redutoras da grandeza histórica a que julgavam ter direito. Il gattopardo, a grande obra de Lampedusa, dá-nos um magistral fresco desse contraste de mentalidades – o ruralismo áspero da Sicília sendo afogado pela refinada cultura aristocrática ou a ela se sobrepondo, enquanto em pano de fundo a gesta unificadora de Garibaldi corria ao som das óperas de Verdi. Os intelectuais portugueses e catalães não ficaram imunes a essa tentação de grandeza, vendo os últimos na unificação peninsular uma forma de serem autónomos sem grande esforço ou sacrifício.

Os que defendem a integração de Portugal num Estado estrangeiro, isto é, que desapareça enquanto entidade nacional, não explicam como é que essa tal Espanha aumentada ou Ibéria, seria governada – por uma monarquia? Por uma República? Sou republicano convicto, penso que a maioria dos portugueses o é também. Parece-me ridículo, no século XXI, haver quem se considere e seja considerado «ungido por Deus» e com o direito de estar à frente de uma Nação. Que seus filhos e netos, mesmo que sejam atrasados mentais, tenham o mesmo direito. Quando os vejo nas revistas «do coração» ao lado de play-boys, de jogadores de futebol e suas namoradas, numa palavra, do chamado jet set, dá-me vontade de rir e espanto-me por Saramago ter podido levar a sério coisa tão risível.

Estamos na União Europeia, com decisões importantes para as nossas vidas a serem tomadas, não nos nossos pseudo-centros de poder, nas instâncias comunitárias, em Bruxelas ou em Estrasburgo. Perdemos a moeda nacional e somos obrigados a falar inglês, a língua franca dos nossos dias. Pouca independência nos resta e mesmo essa há gente que a quer hipotecar, banqueiros, empresários. Numa entrevista que aqui reproduzimos há dias, o líder político catalão Josep – Lluís Carod – Rovira dizia que Espanha lidava mal com a independência de Portugal. O que parece ser verdade. Porém, o estado espanhol cometeria um grave erro se quisesse integrar Portugal. Não lhe bastam já os problemas que tem com a Catalunha, o País Basco e a Galiza? Aliás se Portugal tivesse governantes sérios, Espanha enfrentaria um quarto problema – o da restituição de Olivença. Uma diplomacia que não fosse cobarde, exigiria essa devolução pelo menos com a pertinácia com que os governos espanhóis exigem ao Reino Unido a devolução de Gibraltar. Apesar de tudo, com menos razão do que nós.

Nota: Num comentário de valioso conteúdo histórico ao texto antecedente, o meu querido amigo António Sales admite a solução ibérica, embora a relegue para uma próxima encarnação. Nâo creio que essa integração das nações ibéricas se venha a verificar. Neste momento, Espanha começa a revelar-se um estado inviável. Russos e sérvios, por exemplo, ao imporem o seu idioma, os seus valores e interesses ás outras nações que faziam parte dos «seus» impérios, tornaram essas federações impossíveis com os contornos trágicos de que a implosão da Jugoslávia se revestiu e com o dramatismo que a resistência tchetchena assume.


Espanha com a morte do ditador e a democratização que se seguiu poderia ter retomado o processo de federação que a II República encetara e que foi em 1936 brutalmente interrompido. Isso tê-la-ia viabilizado. Mas não, os governos democráticos, do PSOE ou do PP, têm mantido a concepção arcaica, passadista de uma Espanha “una y grande”. Aboliram o fascismo, mas comem-lhe os sobejos. A Catalunha dá sinais de querer dizer Adèu Espanya. A sua eventual saída, poderá, num efeito de dominó, fazer ruir o edifício que, há cinco séculos, foi a utopia de Isabel de Castela e de Fernando de Aragão.
publicado por Carlos Loures às 12:00
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Domingo, 18 de Julho de 2010

Mais um aspecto da generosidade da Democracia, ou azar meu!

Carlos Leça da Veiga

Envio o texto duma carta dirigida à Senhora Directora do “Destak” que, até agora – e já vai tempo bastante – não teve o favor dum bom acolhimento. Não mereceria?

Naturalmente que os jornais não podem estar abertos a todas as fantasia que se lhes dirijam razão pela qual o título dado a esta croniqueta – para ser-se justo – talvez só merecesse designar-se “azar meu”.

Não posso excluir que tenha produzido obra sem a elevação que é devida à altura dos primores literários do “Destak”. Será que enviei matéria de tão má qualidade? Será que pequei por não venerar a herança dos reis católicos? Terei ferido a susceptibilidade da Senhora Embaixadora?

Mesmo sem expressá-lo – mas será fácil deduzir-se – terei caído no erro de induzir que a chamada verdade desportiva – tantas vezes chamada à pedra – tem mais verdade para uns do que para outros. Só por laracha é que David bate Golias!

O “Estrolabio” é outra loiça – faiança da melhor – e, ao que parece – por mim posso afirmá-lo – abre as portas da sua generosidade democrática sem cuidar “da sorte ou do azar” dos seus correspondentes.

Lisboa, 18 de Julho de 2010



Exmª. Senhora


Directora do”Destak”


Lisboa, 2 de Julho de 2010


“Desenterrar a cabeça da areia” foi a sábia recomendação com que a Senhora Embaixadora Drª Ana Gomes intitulou um texto jornalístico dado à estampa no “Destak”, do dia 2 de Julho deste 2010.


Por igual, são palavras de Sua Exª,”este é o momento para que levantemos a cabeça” pela razão que “Estas são as coisas verdadeiramente importantes” sendo que estas – no conceito esclarecido duma Senhora Embaixadora – “são os assuntos prementes que pintam a crise económica”.


Sê-lo-ão? Não haverá outros com maior premência? Não estou a pensar nos interesses da banca mas sim daqueles dos mais anónimos, afinal os produtores das mais valias que forram a bolsa alheia, a bancária inclusive. A premência é política e não económica, isso caso queira que as coisas melhorem.


O texto da Senhora Embaixadora surge em estreita ligação com um acontecimento «futebolístico» entendido com lamentável para este nosso Portugal. Perdeu-se um jogo com o estado espanhol, estado a que a Articulista, como mandam as regras, chama Espanha.


Portugal perderia se jogasse contra a Catalunha, contra a Andaluzia, contra a Galiza, contra o País Basco ou contra o reino de Castela? Será democrático amalgamar tantas Nacionalidades para fingir ter-se um certo potencial desportivo?


A Inglaterra, mau grado os seus maus antecedentes e piores consequentes face às Nacionalidades que obriga a integrarem o chamado Reino Unido, em matéria de futebol – talvez a contragosto – não aparece reforçada por galeses, irlandeses e escoceses.


A tal ficção castelhana que dá pela designação de Espanha, uma obra bafienta do hipotético direito dinástico, deveria, ou não, aparecer nas competições internacionais – não estou a pedir tudo quanto é devido – não como um todo mas sim com representações desportivas de quantas partes (Nacionalidades) a compõem. Provavelmente nunca ganharia o que quer que fosse.


O tema permitiria ir muito mais longe mas para responder ao final desagradável dum jogo de futebol “politicamente incorrecto” bastará ficar-se por aqui.


Com os meus melhores cumprimentos,


Carlos Leça da Veiga
publicado por Carlos Loures às 21:00
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

ter o curso de futebol não chega...

Luís Moreira




A selecção portuguesa quando teve que vencer uma equipa do melhor nível, perdeu! É só isto, o resto é a conversa de encher habitual, as desculpas mal amanhadas.

O defesa direito devia ter sido um dos dois defesas direitos que lá estavam, mas quem jogou foi um defesa central? O médio defensivo não jogava há seis meses e mesmo assim foi para o Mundial, sem ritmo e sem rotinas? O único médio que sabe colocar a bola jogável nos avançados zangou-se com o seleccionador e não jogou mais? O melhor jogador do mundo não jogou nada e está feito num menino mimado ? O avançado centro foi substituído por um jovem que corre muito mas não acerta na baliza?

Foi mesmo por isso tudo que perdemos!Agora há que arranjar uma equipa preferida e torcer para ver bons espectaculos.

Só para quem gosta!
publicado por Luis Moreira às 08:30
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

Portugal/Espanha

Carlos Godinho (Na África do Sul com a Selecção)


No início das actividades da Selecção Nacional a larga maioria dos jogos realizavam-se contra a Espanha. As dificuldades de transportes eram grandes e optava-se por jogar com os nossos vizinhos. Com o decorrer dos tempos foram acontecendo cada vez menos jogos entre o nosso país e Espanha. Ultimamente têm sido mesmo muito esporádicos os confrontos entre os dois países. Portugal defrontou a Espanha em 35 jogos, nos quais obteve 7 vitórias, 12 empates e 16 derrotas. O último encontro teve lugar em 2004, no durante a fase de grupos do Euro e realizou-se no Estádio de Alvalade. O resultado foi-nos favorável por 1/0, com golo de Nuno Gomes, e deu lugar à eliminação dos espanhóis. Que tudo se mantenha como então é o meu, nosso, desejo!
___________________________________
publicado por Carlos Loures às 10:45
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Apresentando Carlos Luna



Carlos Eduardo da Cruz Luna, nasceu em 1956 em Lisboa, de forma perfeitamente acidental, como faz questão de salientar Oriundo de uma família de Estremoz, é nessa cidade alentejana onde vive e ensina. Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é Professor de História, há 32 anos. No período que se seguiu à Revolução de Abril militou no MES. Ao longo da sua vida, tem-se batido por causas que considera justas, desde a liberdade para a Birmânia até aos Direitos do Povo Curdo ou a independência do Sara Ocidental, desde a ecologia até ao desenvolvimento sustentado de Portugal... e entre essas causas privilegia a da restituição de Olivença a Portugal. É de sua autoria o livro "Nos Caminhos de Olivença". Assumindo-se como um regionalista alentejano, visita quase semanalmente Olivença, onde tem muitos amigos e alguns não-amigos., acrescenta. Continua a estudar o território usurpado, apoiando iniciativas que visem a recuperação das antigas História e Língua.

A sua opinião sobre a questão de Olivença é de que esta tem muitas semelhanças com o diferendo que o estado espanhol mantém com o Reino Unido acerca de Gibraltar. Porém enquanto os espanhóis aproveitam todas as oportunidades para debater a questão de Gibraltar, "o Estado Português não fala em Olivença, é quase uma posição clandestina". É, por isso, uma luta difícil. Mas lutar por uma causa que considerou sempre justa é uma questão de princípio.
publicado por Carlos Loures às 09:00
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

Um fantasma chamado Olivença



António Marques *

Um fantasma surge, regularmente, nas chancelarias de Madrid e Lisboa, e intromete-se no relacionamento peninsular. Fantasma que, por fragilizar argumentos, incomoda aqueles que porfiam na «aproximação ibérica». Em Espanha, erigido como troféu pelos mais imediatistas e radicais, é, para os que têm uma visão sólida e calculista da «aproximação», um «esqueleto no armário» que talvez preferissem dispensar. Em Portugal, o espectro é a ilustração perfeita da tentação imperial da Meseta e, por isso, a maioria receia-o e acautela-se. Alguns, proclamando que não existe, ingénuos, não alcançam que, justamente, ele se revela como símbolo e alerta a Portugal de um certo «abraço peninsular». O fantasma chama-se «Questão de Olivença» e nasceu há duzentos anos:

Espanha, cínica e manhosamente concertada com a França Napoleónica, invadiu Portugal, sem qualquer pretexto ou motivo válido, tomando Olivença e outras povoações do Alentejo, em 20 de Maio de 1801, na torpe e aleivosa «Guerra das Laranjas». Portugal vencido, às exigências de Napoleão e de Carlos IV, entregou a Espanha, «em qualidade de conquista», a «Praça de Olivença, seu território e povos desde o Guadiana», assinando em 6 de Junho o «Tratado de Badajoz», iníqua conclusão de um latrocínio. «Cedeu-se» Olivença, terra entranhadamente portuguesa que participara na formação e consolidação do Reino, no florescimento da cultura nacional, nas glórias e misérias dos Descobrimentos, na tragédia de Alcácer-Quibir, na Restauração!...

Findas as «guerras napoleónicas», reuniu-se, com a participação de Portugal e Espanha, o Congresso de Viena, concluído em 9 de Junho de 1815 com a assinatura da Acta Final pelos plenipotenciários, entre eles Metternich, Talleyrand e D. Pedro de Sousa Holstein, futuro Duque de Palmela. O Congresso retirou, formalmente, qualquer força jurídica a anteriores tratados que contradissessem a «Nova Carta Europeia». Foi o caso do «Tratado de Badajoz». E consagrou, solenemente, a ilegitimidade da retenção de Olivença por Espanha, reconhecendo os direitos de Portugal. Na Acta Final, apoio jurídico da nova ordem europeia, prescrevia o seu artº 105º:

«Les Puissances, reconnaissant la justice des réclamations formées par S. A. R. le prince régent de Portugal e du Brésil, sur la ville d’Olivenza et les autres territoires cédés à Espagne par le traité de Badajoz de 1801, et envisageant la restitution de ces objets, comme une des mesures propres à assurer entre les deux royaumes de la péninsule, cette bonne harmonie complète et stable dont la conservation dans toutes les parties de l’Europe a été le but constant de leurs arrangements, s’engagent formellement à employer dans les voies de conciliation leurs efforts les plus efficaces, afin que la rétrocession desdits territoires en faveur du Portugal soi effectuée ; et les puissances reconnaissent, autant qu’il dépend de chacune d’elles, que cet arrangement doit avoir lieu au plus tôt».

Espanha assinou o tratado, em 7 de Maio de 1807 e assim reconheceu os direitos de Portugal. Volvidos 183 anos, o Estado vizinho não deu, porém, provas do carácter honrado, altivo e nobre que diz ser seu, jamais nos devolvendo Olivença. Mas em terras oliventinas, sofridos dois séculos de brutal, persistente e insidiosa repressão castelhanizante (hoje, falar-se-ia de genocídio e crimes contra a Humanidade...), tudo o que estrutura e molda uma comunidade, a sua História, cultura, tradições, língua, permaneceu e permanece pleno de portugalidade! Entretanto Portugal, nunca aceitou nem reconheceu o esbulho. Todavia, não fazendo o que pode e deve (repudiar, determinada e desembaraçadamente, a situação ultrajante de Olivença e exigir a sua retrocessão), transmite a Espanha um despudorado sinal de fraqueza e dependência.

Eis, singela, a «Questão de Olivença»: uma parcela de Portugal encontra-se usurpada por Espanha, extorsão não reconhecida por Portugal e ilegítima face ao Direito das Nações.

Desafortunadamente, talvez a inacção do Estado Português seja culpa colectiva, como alvitrado por Oliveira Martins, na sua História de Portugal: «um povo que não só desconhece o patriotismo, que não só ignora o sentimento espontâneo de respeito e amor pelas suas tradições, pelas suas instituições, pelos seus homens superiores (...) que não só não possui uma alma social, mas se compraz em escarnecer de si próprio com (...) o desdém mais burlesco. Quando uma nação se condena pela boca dos seus próprios filhos, é difícil, se não impossível, descortinar o futuro de quem perdeu por tal forma a consciência da dignidade colectiva».
__________
*Ex-Presidente do Grupo dos Amigos de Olivença
publicado por Carlos Loures às 19:30
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

A independência da Galiza e a restituição de Olivença

Carta de Carlos Leça da Veiga a Carlos Loures



Meu Caro Carlos Loures,

Para realizares um bom exercício de literatura - o que te vai a matar
- estás a dar-me cabo da cabeça.
Enviei-te um texto com tonalidade telegráfica e tu respondes com um texto imenso e, para mim, esgotante. Meios demasiado desproporcionados!
Pouco terei para dizer-te e, esse pouco, condenso em quatro pontos:

1º) Escreveste "Quanto à Galiza, penso que devemos deixar os Galegos decidirem sobre a sua independência. Se a querem". Não será por eles quererem, ou não, que vou deixar de insistir em que têm de querer.


Nunca ouvi que tu fosses favorável à manutenção da escravatura pela razão de, durante tempos infindos, os escravos aceitarem sê-lo. O fenómeno da alienação das populações nunca foi uma matéria que tenhas considerado feliz inclusive, por não teres compaginado com essa dissonância social, tiveste de provar a cadeia. Não se têm opiniões em função do grau de alienação dos circunstantes.

No mundo, há populações a quem a cultura foi roubada a ponto de perderem a própria noção da sua autonomia, por desígnio, a da sua Nacionalidade (com maiúscula). Não pode nem deve aceitar-se que assim possa acontecer. A Democracia (outra com maiúscula) não cumprirá o seu papel se, entre muitos outros, esquecer que, também, tem de esforçar-se por querer rectificar todos os erros históricos que estiverem ao seu alcance. A absorção da Galiza por Castela, só foi conseguida pela força das armas e do direito dinástico e na sua forma mais acabada não é tão antiga como parece. Tudo inaceitável.

2º)A Andaluzia, tal como a Galiza, tem todas as razões para ser um Estado independente e não uma região, melhor dito, uma colónia de Castela. Todas as razões invocadas para contrariarem esta minha asserção não têm valor político porquanto foram construídas depois dos tais reis católicos terem conquistado aquela zona da Hispânia e, à posterior, terem-na moldado à custa das maiores violências de que a da inquisição não foi a menos despicienda.

3º)A coerência de quem descolonizou - tanto por ser obrigado como, também, por querer fazê-lo - obriga a querer impor essa mesma condição a todos os demais. A auto-flagelação, tão do gosto dos esquerdalhos portugueses, não tem o mais pequeno cabimento no combate pela Democracia que, esse, não pode ser objecto de avaliações ou interpretações tácticas.

4º)Mesmo tendo mais para dizer-te não o faço. Cansa-me e, por igual, nenhuma discussão, por melhor argumentada que esteja, far-me-á abandonar o que penso sobre as Libertações Nacionais.

Com amizade, segue mais um abraço do

Carlos Leça da Veiga
publicado por Carlos Loures às 19:30
link | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 14 de Junho de 2010

Resposta de Carlos Loures à carta de Carlos Leça da Veiga

Meu caro Leça da Veiga:

Respondo à tua carta de ontem, começando pelo fim, pelo quinto ponto: «Não gostei de ver-me mencionado como alguém que defende uma Independência duns e esquece a dum território que é português e está invadido». E terminas: «Se no meu texto sobre a Galiza não fiz referência a Olivença dever-me-ia ser perguntada a razão e não tirar-se a conclusão duma falta cometida».

Lembro-te que o meu texto não constituía resposta ou contestação ás tuas palavras. Essa contestação, fi-la, oportunamente, em comentário ao teu texto. Aludi a esse texto, em que defendias a independência da Galiza, mas não te acusei de coisa alguma. Falavas da Galiza, não era forçoso falar de Olivença. Usei o teu texto como referência. Disse assim: «Há dias, no Estrolabio, Carlos Leça da Veiga, denunciando que na Europa há colónias, pedia a independência da Galiza. Pois há uma outra pequena colónia - Olivença, terra portuguesa, roubada há mais de 200 anos.». De uma forma geral, as nossas posições quanto a Olivença são coincidentes, pelo que uma grande parte do que dizes é por mim aceite, sem reservas. Quanto à Galiza, penso que devemos deixar aos galegos decidirem sobre a sua independência, se a querem. No que diz respeito aos oliventinos acho que não têm o direito de optar – Nasceram num território roubado; podem escolher a nacionalidade que quiserem, mas o território é português.

Passando a outro ponto, dizes. «é inaceitável falares de Espanha e não de estado espanhol. Uma cedência imprópria dum Democrata!» Ora, quem leia o que escrevo, sabe que essa fórmula «estado espanhol» é a que geralmente utilizo. É verdade que neste texto, usei mais vezes a expressão «Espanha». Não tenho que me justificar – todos utilizamos por vezes a designação: não faz, por exemplo, sentido dizer-se «vou fazer uma viagem ao estado espanhol». Esta tua observação, parece-me um exagero, semelhante ao de alguns crentes, em que as referências à entidade divina têm sempre de ser grafadas com maiúscula – Ele, faça-se a Sua vontade, e por aí fora. Não sou religioso e, portanto, reservo-me o direito de dizer Espanha, Grã-Bretanha, como também dizia Jugoslávia e União Soviética. Porque embora desejasse (e desejo) a sua extinção, esse estados existiam e existem à luz do Direito Internacional. Portanto, mencioná-los é coisa natural. Não me parece que a minha condição de democrata fique em risco. Realidade e utopia devem conviver sem sobressaltos.


Por outro lado a Espanha existe, embora tenha começado por ser uma utopia dos reis Católicos. Parece existir uma carta de D. João II a seus primos Isabel de Castela e Fernando de Aragão em que os censura pela abusiva utilização da palavra Espanha para designar os seus reinos, pois, terá escrito o Príncipe Perfeito, «Portugal também é Espanha». E dizem haver uma frase de Camões: "Hablad de castellanos y portugueses, porque españoles somos todos". Frase que reforça a tua tese, mas que também me dá alguma razão.

Em suma, não te quis atingir, não quis contestar nada do que disseste porque o que tinha a contestar, fi-lo no comentário. O meu texto sobre Olivença visava condenar, sobretudo, a cobardia dos políticos portugueses que em mais de dois séculos se têm esquivado de enfrentar este assunto. Apenas quis dizer – pede-se a independência da Galiza; muito bem. E peça-se também a restituição de Olivença.

E já agora, a tal questão sobre a existência ou inexistência de Espanha. Desmantelar o actual estado espanhol, não significa, quanto a mim, acabar com a união das regiões que têm o castelhano como idioma. Se defendemos a independência de Galiza ou a sua união com Portugal, a libertação dos chamados países catalães (Catalunha, Valência e Baleares), bem como a independência dos bascos, estamos portanto a relacionar a identidade nacional com a língua e com a cultura. Existem regiões, além de Castela, onde se fala o castelhano. Aliás, a Andaluzia (cuja independencia também reclamas), região que conheço bem, faz parte do substrato mais profundo daquilo a que se convencionou chamar Espanha – Sevilha, mais do que Madrid ou Toledo, está no cerne da «espanholidade». E não me refiro só às touradas e ao flamenco - Federico García Lorca, Picasso, Góngora, Antonio Machado, Juan Ramón Jiménez, Manuel de Falla (citei de memória, pois a lista de intelectuais andaluzes, se completa, seria maior que toda esta carta), constituem um lastro cultural impressionante. Para não falar em bascos, como Unamuno, em galegos, como Torrente Ballester ou Camilo José Cela, catalães com Manuel Vázquez Montalbán ou valencianos como Vicente Blasco Ibañez, que, sem renegar as suas origens, se consideravam espanhóis.

Espanha é uma realidade. Dentro das suas fronteiras, se há milhões de pessoas que não se consideram espanhóis, há uma maioria que como tal se considera. Hoje já não faria sentido chamar Castela a uma nação que extravasa em muito os limites das regiões castelhanas. Talvez as nossas utopias quanto ao reordenamento da Península não sejam coincidentes. Para mim, para além de Portugal, da Galiza, dos Países Catalães e do País Basco, haveria uma quinta república – a espanhola. Porque podemos recusar o conceito de Espanha, opressora de nacionalidades; mas não temos o direito de impedir quem se sente espanhol de o sentir e de reivindicar a nacionalidade. E a Andaluzia faz parte dessa Espanha. Bem sei que há movimentos autonomistas (sem expressão significativa). Quanto a mim, defender a independência da Andaluzia enfraquece a defesa das legítimas lutas pelas independências da Galiza, Catalunha e País Basco. Mas isto é só um pormenor. Por mim, a independência da Andaluzia ou a da Extremadura, não merecem discussão. É como pedir a independência do Algarve ou a da Galécia portuguesa., a norte do Douro. E pedir independências que não fazem sentido, aos olhos da opinião pública, retira o sentido às que são legítimas.

Em suma, meu caro Carlos Leça da Veiga, querido companheiro de tantas lutas, de modo algum quis acusar-te de qualquer falta, pelo que não tinha que perguntar-te fosse o que fosse. Posso não concordar sempre contigo, mas compreendo bem o que dizes, de tal maneira é clara a forma como escreves. O que acontece desde sempre é que as nossas respectivas utopias não são inteiramente coincidentes. O que não é crime, nem meu nem teu. E já não estamos em idade de as mudar. Pode ser que a razão se encontre algures a meio desses territórios. E, sem louvaminhas despropositadas, queria felicitar-te pela tua pertinácia na defesa daquilo em que acreditas, nas tuas utopias e lembrar-te uma frase de Boaventura Sousa Santos que justifica, se precisássemos de justificações, a crença que mantemos na utopia: «Mas, como disse Sartre, antes de ser concretizada, uma ideia tem uma estranha semelhança com a utopia. Seja como for, o importante é não reduzir o realismo ao que existe, pois, de outro modo, podemos ficar obrigados a justificar o que existe, por mais injusto ou opressivo que seja». Como injusta e opressiva é a ocupação que o estado espanhol faz na Galiza, no País Basco e na Catalunha, e do roubo a Portugal do pequeno território de Olivença, acrescento eu.

Recebe um forte abraço.

Carlos Loures
publicado por Carlos Loures às 12:00
link | comentar | ver comentários (1) | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Para as hemorroidas, resulta ou não?
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...
Potrebujete pôžičku alebo zaplatíte svoje účty ale...
Dostali jste se do nelehké finanční situace a nev...
Jestem osobą fizyczną oferującą pożyczki międzynar...
I got my already programmed and blanked ATM card t...
Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links