Terça-feira, 19 de Abril de 2011

Sempre Galiza! – Os velhos não devem enamorar-se e Lela, de Daniel Castelão

publica-se às 3ªs e 6ªs

coordenação Pedro Godinho


 

Daniel Castelão foi o nome escolhido para o 2º Dia das Letras Galegas (1964).

 

Artista, escritor e político é considerado um dos fundadores do nacionalismo galego.

 

Da produção de Daniel Castelão faz parte a peça de teatro ”Os velhos não devem enamorar-se”, para a qual, além do texto, Castelão cuidou também do lado visual tendo-se encarregado do desenho dos cenários, figurinos e máscaras.

 

 

Escrita na década dos anos trinta foi estreada no exílio, em 1941, em Buenos Aires, com a participação do actor galego Fernando Iglesias (“Tacholas”). Desde então é representada por muitos grupos de teatro galegos.

 

 

 

 

Da peça “Os velhos não devem enamorar-se” - ironia sobre o passar do tempo e o amor dos velhos pelas jovens -, faz parte a canção “Lela”, pensada como uma serenata estudantil à moda de Compostela na qual podemos encontrar semelhanças com os fados e baladas de Coimbra.

 

Lela

   

Están as nubes chorando

Por un amor que morreu

Están as ruas molladas

De tanto como chovéu

 

Lela, Lela

Lelina por quen eu morro

Quero mirarme

Nas meninas dos teus ollos

 

Non me deixes

E ten compasión de min

Sen ti non podo

Sen ti non podo vivir

 

Dame alento das tuas palabras

Dame celme do teu corazón

Dame lume das tuas miradas

Dame vida co teu dulce amor

 

 

Ouçamos Lela na adaptação do galego Carlos Núñez e voz da portuguesa Dulce Pontes.

 

 

publicado por Pedro Godinho às 11:00
link | favorito
Terça-feira, 12 de Abril de 2011

Sempre Galiza! – Uma rua num porto distante, por Daniel Castelão

publica-se às 3ªs e 6ªs

coordenação Pedro Godinho


 

Daniel Castelão foi o nome escolhido para o 2º Dia das Letras Galegas (1964).

 

Artista, escritor e político é considerado um dos fundadores do nacionalismo galego.

 

De entre os contos, sobre cousas da vida, incluídos nos dois livros de Cousas (1926 e 1929), escolhemos para hoje, com desenhos também de Castelão:

 

 

 

UNHA RÚA NUN PORTO LONXANO

 

 

Unha rúa nun porto lonxano do norte. As tabernas están acuguladas de mariñeiros e botan polas súas portas o bafo quente dos borrachos. Xentes de tódalas castes do mundo, cantigas a gorxa rachada, música de pianolas chocas, moito fedor a sebo...

 

Un mariñeiro que fala francés tropeza cun mariñeiro que fala inglés. Os dous fanse promesas de gran amistade, cada un no seu falar. E sen entenderse, camiñan xuntos, collidos do brazo, servíndose mutuamente de puntales.

 

0 mariñeiro que fala francés e maiío mariñeiro que fala inglés entran minha taberna servida por un home gordo. Queren perde-lo sentido xuntos para seren máis amigos. Quen sabe se despois de ben borrachos poderán entenderse!

 

E cando o mariñeiro que fala inglés xa non rexe co seu corpo, comenza a cantar:

 

Lanchiña que vas en vela,

levas panos e refaixos

para a miña Manoela.

 

0 mariñeiro que fala francés arregala os ollos, abrázase ó compañeiro e comenza tamén a cantar:

 

Lanchiña que vas en vela,

levas panos e refaixos

para a miña Manoela.

 

A-iu-jú-jú!! Os dous mariñeiros eran galegos.

 

0 taberneiro, gordo coma una ilamengo de caste, veu saí-los dous mariñeiros da taberna e pola súa faciana vermella escorregaron as hágoas. E dispois dixo para si nun laído saudoso:

 

Lanchiña que vas en vela,

 

Tamén o taberneiro era galego.

 

 

 


publicado por Pedro Godinho às 11:00
link | favorito
Terça-feira, 5 de Abril de 2011

Sempre Galiza! - O Retrato, por Daniel Castelão

publica-se às 3ªs e 6ªs

coordenação Pedro Godinho


 

Daniel Castelão foi o nome escolhido para o 2º Dia das Letras Galegas (1964), vendo assim reconhecida a importância da sua obra para a língua galega.

 

Artista, escritor e político é considerado um dos fundadores do nacionalismo galego.

 

Entre a narrativa de Castelão encontra-se Retrincos, um conjunto de cinco relatos sobre a condição humano, publicado em 1934.

 

 

 

 

 

O RETRATO (de Retrincos)

 

Por amaina­la conciencia guindei co meu título de médico no fondo dunha gabeta, e busquei outra maneira de me valer. As xentes xa non sabían que eu era dono de tan tremenda licencia oficial; mais unha noite foron requiridos os meus servicios.

 

Era domingo. Melchor, o taberneiro, agardaba por min ó pé da porta. Deume as "boas noites" e rompeu a chorar, e por entre os saloucos saíanlle as verbas tan estruchadas que soamente logrou dicirme que tiña un fillo a morrer.

 

O pobre pai turraba por min, e eu deixábame levar, enfeitizado pola súa dor. Despois de todo eu era médico titulado e non podía negarme! E tiven tan fortes anceios de compracelo que sentín xurdir nos meus adentros unha grande ciencia...

 

Cando chegamos á casa de Melchor logrei arriarme das súas mans, e con finxido acoitamento confeseille que sabía pouco da carreira...

 

-Repara que hai moitos anos que non visito enfermos.

 

E entón Melchor, facendo un esforzo, díxome quedamente:

 

-O meu fillo xa non precisa de médicos. Eu xa sei que o coitado non pasa da noite. E váiseme, señor; ¡váiseme e non teño ningún retrato seu!

 

Ai, eu non fora chamado como médico; eu fora chamado como retratista, e no intre sentín ganas acedas de botarme a rir.

 

E por verme ceibe de xeira tan macabra díxenlle que unha fotografía era mellor ca un deseño, asegureille que de noite poden facerse fotografías, e botando man de moitos razonamentos logrei que Melchor largase de min á cata dun fotógrafo.

 

A cousa quedaba arrombada, e funme durmir, con mil ideas ensarilladas na chola.

 

Cando estaba prendendo no sono petaron na miña porta. Era Melchor.


Os fotógrafos din que non teñen magnesio!

 

E díxomo tremendo de anguria. A face albeira, e os ollos coma dous tetos de carne vermella de tanto chorar.

 

Endexamais fitei a un home tan desfeito pola dor.

 

Pregaba, pregaba, e collíame as mans, e turraba por min, e o malpocado dicía cousas que me rachaban as entrañas:

 

Considérese, señor. Dous riscos de vostede nun papel e xa poderei ollar sempre a cariña do meu neno. Non me deixe na escuridade, señor!

 

Quen teria corazón para negarse! Collín papel e lapis, e alá me fun con Melchor, disposto a facer un retrato do rapaz moribundo.

 

Todo estaba quedo e todo estaba calado. Unha luz cansa alumeaba, en amarelo, dúas facianas arrepiantes que ventaban a morte. O neno era o centro daquela pobreza da materia.

 

Sen dicir nada senteime a debuxa­lo que ollaban os meus ollos de terra, e soamente ó cabo dalgún tempo conseguín afacerme ó drama que fitaba e aínda esquecelo un pouco, para poder traballar afervoado, coma un artista. E cando o deseño estaba xa no seu punto a voz de Melchor, agrandada por tanto silencio, feriume con estas verbas:

 

- Pola alma dos seus defuntos, non mo retrate así. Non lle poña esa cara tan encoveirada e tan triste! 

 

Confeso que ó volver á realidade non souben que facer, e púxenme a repasa­las liñas xa feitas do retrato. O silencio foi esgazado novamente por Melchor: 

 

Vostede ben sabe como era o meu rapaciño. Faga memoria, señor, e debúxemo rindo

 

De súpeto naceume unha grande idea. Rachei o traballo, ensumín o meu ollar nun novo papel branco e debuxei un neno imaxinario. Inventei un neno moi bonito, moi bonito: un anxo de retábulo barroco, a sorrir.

 

Entreguei o debuxo e saín fuxindo, e no intre de poñe-lo pé na rúa sentin que choraban dentro da casa. A morte viñera.

 

Agora Melchor consólase ollando a miña obra, que está pendurada enriba da cómoda, e sempre di coa mellor fe do mundo:

 

Tiven moitos fillos, pero o máis bonito de todos foi o que me morreu. Velaí está o retrato que non minte.

 

Pontevedra, 1922

 

 

 

Como a sua escrita, os desenhos e caricaturas de Castelão são marcados pela crítica social.

 

 

publicado por Pedro Godinho às 11:00
link | favorito
Terça-feira, 29 de Março de 2011

Sempre Galiza! - Daniel Castelão: língua e nação

publica-se às 3ªs e 6ªs

coordenação Pedro Godinho


 

 

Afonso Daniel Manuel Rodrigues Castelão nasceu a 30 de Janeiro de 1886, em Rianxo, Galiza, e morreu a 7 de Janeiro de 1950, em Buenos Aires, Argentina.

 

 

 

 

Artista, escritor e político é considerado um dos fundadores do nacionalismo galego.

 

Foi-lhe dedicado o 2º Dia das Letras Galegas, em 1964 (o 1º, em 1963, tendo sido dedicado à “gigante” Rosalia de Castro).

 

Aos três meses de idade emigrou para a Argentina de onde regressou à Galiza. Estudou Medicina na Universidade de Santiago de Compostela. Depois dum curso de doutoramento em Madrid, entre 1909 e 1910, especializou-se em obstretícia, em 1910, em Santiago de Compostela, após o que se instalou na sua terra natal, Rianxo.

 

Em 1926 foi nomeado académico da Real Academia Galega.

 

 

 

 

Em 1931 foi eleito deputado pela Organização Republicana Galega Autónoma (ORGA) para as Cortes Constituintes da Segunda República Espanhola e participou na constituição do Partido Galeguista.

 

Desterrado para Badajoz em 1934, foi novamente eleito deputado em 1936 na lista da Frente Popular e protagonista da campanha pelo sim ao Estatuto de Autonomia da Galiza, aprovado em plebiscito.

 

 

O golpe de estado franquista apanha-o em Madrid. Exilou-se no México, depois Nova Iorque e, finalmente, em Buenos Aires. Pertenceu ao governo republicano no exílio presidido por Giral (1946).

 

Em 1944 publicou Sempre em Galiza, ligando literatura e teoria do galeguismo, considerada uma obra capital do nacionalismo galego.

Foi o primeiro presidente do Conselho da Galiza, o governo da nação no exílio.

 

 

Ao longo da vida, teve também uma intervenção activa na vida cultural, literária e artística da Galiza e dos círculos galegos, deixando obra importante desde o desenho à narrativa, passando pelo ensaio.

 

Além da escrita, interessou-se pelo desenho e a pintura, em especial pela caricatura. Em 1908 expõs os seus desenhos pela primeira vez, em Madrid. Realizou diversas exposições, fundou e colaborou com várias publicações e fez múltiplas conferências.

 

Defendeu, em numerosas ocasiões, a importância da língua na identidade e a unidade linguística galego-portuguesa.

 

«Nengum idioma alheio -por ilustre que seja- poderá expressar em nome do nosso os íntimos sentimentos, as fundas dores e as perduráveis esperanças do povo galego; se ainda somos diferentes e capazes de existir, nom é mais que por obra e graça do idioma. Velaí porque o autor dum livro sempre será um patriota e porque os que refugam a nossa fala nom som dignos de chamar-se galegos, porque desprezam o cerne da democracia e cegam as melhores fontes de criaçom.»

 

«Nengum galego culto deve consentir que a fala do seu povo -umha fala de príncipes, que ainda é senhora em Portugal e Brasil- seja escrava no pátrio lar, sem direito a ir à escola nem a apresentar-se como igual do castelhano.»

 

«...a nossa língua está viva e floresce em Portugal, falam-na e cultivam-na mais de sessenta milhões de seres que, hoje por hoje, ainda vivem fora do imperialismo espanhol.»

 

«Desejo, ademais, que o galego se acerque e confunda co português»

 

«As palavras castelhanas, em boca de galegos, som quase sempre palavras envilecidas, incapazes de ressoarem na consciência dos autênticos galegos; pero tamém hai consciências envilecidas por complexos de inferioridade, só capazes de admiraçom anteposes decorativas e linguagens de teatro. E já é hora de dizer que Galiza será forte em Espanha quando se negue a falar castelhano e fale fortemente a sua língua. Um galego pode falar o castelhano com o mesmo interesse com que fala qualquer outra língua estrangeira; pero em quanto um galego fale o castelhano como língua própria deixa de ser galego sem que por isso chegue a ser castelhano.»

 

«Estamos fartos de ser umha colónia»

 

«Nom esqueçamos que se ainda somos galegos é por obra e graça do idioma.»

 

«O problema do idioma em Galiza é, pois, um problema de dignidade e de liberdade; pero mais que nada é um problema de cultura.»

 

 

publicado por Pedro Godinho às 11:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links