Quinta-feira, 20 de Maio de 2010

A vida é um conto cheio de som e fúria, narrado por um louco, e nada significa

Nota sobre o mais recente filme realizado por Woody Allen - You Will Meet A Tall Dark Stranger

Carlos Loures

No sábado passado, em Cannes, Woody Allen apresentou o seu mais recente filme, a comédia romântica You Will Meet A Tall Dark Stranger, com actores como Anthony Hopkins, Antonio Banderas, Josh Brolin, Freida Pinto, Naomi Watts e Lucy Punch que substituiu a inicialmente prevista Nicole Kidman. No vídeo, podemos assistir a um memento da conferência de imprensa. You Will Meet a Tall Dark Stranger é o quarto filme que Allen roda em Londres, parecendo ter virado definitivamente as costas a Hollywood.



O tema do filme, ainda sem título em português, gira em torno da vida amorosa dos membros de uma família, e das suas tentativas para a tornar menos disfuncional. Isto, à superfície. Sob esta camada visível, subjaz a eterna obsessão de Allen – a morte. Com 74 anos, Woody Allen chega à conclusão de que a velhice não tem graça, nem traz qualquer vantagem, apenas dá problemas nas costas, vai-se perdendo a vista. A idade não nos torna mais inteligentes, nem mais generosos… «Não podem evitar a velhice?», pergunta. Interrogado sobre o que pensa sobre a morte, responde prontamente «- Sou contra!». Um casal divorciado (Anthony Hopkins e Gemma Jones) tem uma filha (Naomi Watts), com uma vida sentimental complexa, onde se cruzam o marido (Josh Brolin) e o dono de uma galeria de arte (Antonio Banderas). O título do filme, que se pode traduzir por “ irá encontrar um homem alto e escuro”, é uma alusão satírica às frases ditas por bruxas e videntes a mulheres que pretendem descortinar o seu futuro amoroso.


Como sempe faz nos seus filmes, Allen chama subtilmente a atenção para a face cruelmente absurda da vida. Por vezes, chega-se ao fim da caminhada e pergunta-se «para quê?», «porquê?». A resposta, dada no filme pela voz do narrador em off é colhida no famoso solilóquio de “Macbeth”:: “A vida é um conto cheio de som e fúria, narrado por um louco, e nada significa”. Na conferência de imprensa de sábado passado, Woody Allen responde a Shakespeare e dá uma solução para enfrentar a falta de sentido da existência: “- A única maneira de sobreviver é mentir, mentir” e acrescentou: “ De contrário, a vida torna-se insuportável”.

Um filme de Woody Allen. A não perder, ainda que seja para discordar dos pressupostos de um homem que provoca gargalhadas, mesmo quando põe tudo em causa.

publicado por Carlos Loures às 12:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links