Sexta-feira, 10 de Junho de 2011

Homenagem a Amato Lusitano - 500 anos ( Parte II)

José Calrão

 

 

 

 

AMATO LUSITANO 

EM CASTELO BRANCO

Erguer uma estátua ao renascimento médico português, mereceu o criterioso despacho do engenheiro, José Frederico Ulrich, ministro das Obras Publicas.O mestre escultor foi Martins Correia, da «terra dos lusitanos», a Golegã (1910), professor da ESBAL prémio Soares dos Reis, representado no museu de arte Moderna em Madrid e Contemporânea de Lisboa. Em1947, recebia já o seu 1º prémio de escultura

BEM HAJAM

DE A a Z

 

A Beira Baixa na Expansão


Ultramarina-Joaquim Candeias Silva e Manuel Castelo Branco

 

Logares Selectos – Cavaleiro de Oliveira

 

História de Portugal- Dirigida por José Hermano Saraiva

 

História Diplomática de Portugal- Fernando de Castro Brandão

 

Reis e Rainhas de Portugal- Manuel de Sousa

 

O Grande Livro dos Portugueses- Manuel Alves de Oliveira

 

Pró- Memória do Dr João Rodrigues de Castelo Branco-José Lopes Dias

 

Notas e Documentos para a História dos Judeus e Cristãos Novos de Castelo Branco de Manuel da Silva Castelo Branco

 

CarlosV Portugal y Brasil-Ricardo Evaristo Santos

 

 

NOTAS: A compilação destes dados têm valor de cábula académica, transcreve o que anda solto por publicações diversas, os agradecimentos vão para os valorosos autores acima descritos, quem se achar no direito de alterar  estes elementos pode informar   josecalrao@sapo.pt. todos os elementos serão aceites. O “compilador” declara livre de utilização tudo o que escreveu.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

publicado por siuljeronimo às 18:00

editado por Luis Moreira às 00:10
link | favorito
Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2011

Dia das Beiras - Beirões ilustres

Luis Moreira

 

 

Amato Lusitano

 

Amato Lusitano, de seu nome João Rodrigues de Castelo Branco, nasceu em Castelo Branco em 1511 e faleceu em Salónica em 1568.

Começou, desde muito novo, a mostrar aptidões excepcionais para MEDICINA o que lhe permitiu fazer medicina nos hospitais de Salamanca onde estudou. Querendo voltar para Portugal, mas temendo a Inquisição, vagueou por vários países europeus, convivendo com homens de ciência e espalhando rapidamente por toda a Europa a fama da sua erudição e dos seus processos clínicos. Recebeu convites de vários governos para exercer a medicina nos seus países, optando pela Itália onde se fixou.

Foi professor de Anatomia em Ferrara e o seu nome ficou especialmente ligado à descoberta da circulação do sangue, tendo sido ele que descobriu as válvulas venosas. Devem-se-lhe notáveis observações cirúrgicas e médicas, foi naturalista e extraordinário terapeuta, muito versado em Botânica Médica.

Vítima de perseguições em Itália por seguir a religião hebraica, veio a falecer em Salónica, onde se refugiara. Amato Lusitano é considerado pelos modernos tratados da história da Medicina como o tipo de médico erudito no séc. XVI, dominando tanto a cultura clássica como a latina. Escreveu inúmeras obras, muitas das quais se perderam, onde expôs as suas doutrinas sobre Medicina nos campos da Anatomia, Patologia, Epidemiologia, Terapêutica, etc.

Grão Vasco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Vasco Fernandes (Viseu, ~1475 — ~1542), mais conhecido por Grão Vasco, é considerado o principal nome da pintura portuguesa quinhentista. Nasceu provavelmente em Viseu e exerceu sua atividade artística no Norte de Portugal na primeira metade do século XVI.

Grão Vasco
Detalhe do São Pedro pintado por Vasco Fernandes para a Sé de Viseu, hoje noMuseu Grão Vasco em Viseu.

 

 

A primeira referência a Vasco Fernandes data de 1501, quando se iniciou a feitura do grande retábulo da capela-mor da Sé de Viseu. Nessa empreitada, que durou de 1501 a 1506, Vasco Fernandes trabalhou junto ao pintor flamengo Francisco Henriques, trata-se de uma obra oficinal colectiva, sendo dificil determinar com rigor o papel que Vasco Fernandes desempenhava. Mais tarde, entre 1506 e 1511, trabalhou em Lamego pintando o retábulo da capela-mor da , nesta obra toma a responsabilidade individual sendo auxiliado por entalhadores flamengos. Esteve depois em Coimbra (cerca de 1530), onde pintou quatro retábulos para o Mosteiro de Santa Cruz, dos quais sobrou apenas um magnífico Pentecostes na sacristia do mosteiro. Mais tarde se instalou novamente em Viseu e realizou vários retábulos, considerados suas obras mais importantes, para a Sé e o Paço Episcopal do Fontelo, junto com seu colaborador Gaspar Vaz. Vasco Fernandes foi um pintor de transição do Manuelino, pintura flamenga e renascentista à custa do humanista D. Miguel da Silva, que com o seu conhecimento e biblioteca lhe cria influências renascentistas. Além dos traços italianizantes é também a utilização de uma iconografia humanista que mostra o impacto que os ideias de D. Miguel da Silva tiveram sobre a oficina de Viseu.

A maior parte das pinturas de Vasco Fernandes estão no Museu Grão Vasco, em Viseu, com obras da sua primeira e última fases artísticas. No Museu de Lamego estão cinco das vinte tábuas do retábulo da Sé de Lamego, desmontado no século XVIII. Na igreja matriz de Freixo de Espada à Cinta, construída na época manuelina, assim como no Mosteiro de Salzedas, encontram-se outros importantes grupos de pinturas de Vasco Fernandes. Finalmente, na sacristia do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra pode-se apreciar o Pentecostes.

Vasco Fernandes esteve casado duas vezes, a primeira com Ana Correia, e a segunda com Joana Rodrigues, e teve vários filhos. Apesar de essas duas mulheres, tinha uma diferente, todas as noites.

 

Pero da Covilhã

 

 

 

 


João Pêro nasceu, talvez em 1450, na Covilhã, burgo empoleirado nos contrafortes da Serra da Estrela, virado a Oriente. Portanto, virado a Espanha. Em Dezembro de 1468 vento, muito frio e neve. Um espanhol arribado há pouco à Beira Baixa pergunta a João Pêro qual o seu nome de família. Ele tem 18 anos e responde, galaroz pimpão:

- Covilhã es el nombre de mi familia, que es la fundadora deste burgo.

A rapaziada que os cerca desmancha-se a rir com a atoarda. Só por causa da galhofa é que o espanhol se dá conta da mentirola. João Pêro move-se na vida como num palco, papéis para desempenhar é o que mais lhe apetece. Muito humilde será certamente a sua família, por isso o mancebo levanta a arrogância como um escudo.

O espanhol deslocara-se à Covilhã para comprar panos grossos e lanifícios por ordem do seu amo, D. Juan de Gusman, irmão do Duque de Medina-Sidónio, um dos mais conceituados fidalgos de Sevilha. Cativa-o a desfaçatez do rapaz.

- Entonces tu nombre es...
-
Mi nombre es Pêro da Covilhã.

 

O andaluz larga-se a rir, dá uma palmada nas costas do moço. D. Juan de Gusman precisa de servidores desembaraçados. Donde o convite para o jovem ir servir em Sevilha. João Pêro aceita a proposta, também cavalo emprestado, vai de viagem a tentar a sorte porque sombrio é o seu futuro na Covilhã, dias e dias sempre a fiar e a tecer, moedas poucas por panos prontos.

 

Em Sevilha o papel que lhe atribuem é o de espadachim e ele assume-o. Na sala de armas de D. Juan de Gusman aprende a agilidade de aparar e devolver golpes de espada, estocadas fatais. Ainda bem que aprende porque, nos próximos seis anos, a sua vida, em ruas tortuosas, passará a ser de emboscadas, brigas sangrentas e rixas nocturnas contra o bando de Ponce de Leon, fidalgo rival dos Gusman.

Bem impressionado com a desenvoltura de Pêro da Covilhã, D. Juan de Gusman propõe que ele se engaje nas embarcações de D. Henrique, seu irmão e Duque de Medina-Sidónio. A este os portugueses chamam o Pirata Espanhol pois, com a tolerância papal, dedica-se a saquear as praças recém-descobertas ou conquistadas pelos lusitanos. Pêro da Covilhã recusa o convite; apesar de bem treinado não lhe apetecem as pelejas fratricidas, só as outras.

publicado por Luis Moreira às 22:00
link | favorito

Dia das Beiras - Orquestra Típica Albicastrense

Luís Rocha

Orquestra Típica Albicastrense

 

Notas retiradas do Livro de Carlos Salvado “ 50 anos Orquestra Típica Albicastrense”
“Ao Serviço da Cultura e da Região”

Diz o autor no seu livro que o amor e a religião são as características mais fortes e elementos essenciais da canção popular da Beira Baixa.
Por as fronteiras com Espanha serem praticamente artificiais em termos musicais, muitas canções da Beira Baixa têm influência andaluza.

A Orquestra Típica Albicastrense é por Carlos Salvado considerada como lídima interprete e fiel depositária da memória colectiva do património etnográfico e poético-musical da Beira Baixa.

Do dia da primeira apresentação ao público da Orquestra (24 de Fevereiro de 1957) no Cine Teatro Avenida de Castelo Branco, transcreve-se em seguida a parte final da missiva proferida por Eugénia Lima (trajando à Malpiqueira):

Albicastrenses, beirões,
Propagai as tradições
Da nossa terra querida!
Ai dos povos que as perderam!
Porque esses…ou já morreram,
Ou nunca tiveram vida.

E pronto; vou terminar,
Para que possa falar
A “Orquestra” da cidade.
Sem pretensões, nem alardes
Ela aí está! E, se achardes
Que possui algum valor
Recebei-a com”Bondade”!
Amparai-a com “Amor”

A orquestra era composta por 27 elementos, desde o modesto operário a oficial do exército, com rapazes de 20 anos e homens de 80.
Nos anos que se seguiram a Orquestra fez espectáculos por todo o Pais.

No 2º aniversário de apresentação da orquestra, ocorreu um espectáculo, no Cine Teatro Avenida (9 de Março de 1959) onde também participaram o “Trio Guiomar” composto por alunos do 7º ano do Liceu Nuno Álvares (João Américo da Conceição, Daniel Proença de Carvalho – o jurista que todos conhecem – e Ernesto Pinto Lobo). Actuaram também “Os Alegres Albicastrenses” formado por João Nunes Fradique, Manuel da Silva Quilhó, Januário Roque da Silva e Augusto Cravo Dias.

A primeira deslocação a Lisboa ocorre no dia 28 de Abril de 1962 no Pavilhão de Desportos, num espectáculo transmitido pela então “Emissora Nacional”. Seguiu-se um espectáculo transmitido pela RTP.
A orquestra voltaria de novo aos ecrãs da RTP no dia 28 de Outubro de 1962 num espectáculo intitulado “ Música e Cantares de Portugal”, realizado no Pavilhão dos Desportos em Lisboa, apresentado por Artur Agostinho.

Em 20 de Dezembro de 1968, decorre um Sarau de Gala da Orquestra típica Albicastrense, integrado no ciclo comemorativo do IV centenário (1568-1968) da morte de Amato Lusitano.
Também em 20 de Março de 1971, participou nas comemorações do Bicentenário da Cidade de Castelo Branco.

No dia 25 de Junho de 1977 (comemorações dos seus 20 anos), a Orquestra Típica Albicastrense leva a efeito a organização de um grande espectáculo no Coliseu de Recreios de Lisboa, num espectáculo a que deram o nome de “ Danças e Cantares da Beira Baixa”.

Os antigos estudantes da cidade de Castelo Branco fazem romagens de saudade á cidade de 3 em 3 anos, constituindo sempre presença nos festejos a “Orquestra Típica Albicastrense” tão apreciada por todos.

publicado por siuljeronimo às 01:00

editado por Luis Moreira em 24/01/2011 às 23:22
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links