Quarta-feira, 8 de Setembro de 2010

Maratona Poética - Abu Tamman conduz Adília Lopes, Manuel Maria, Florbela Espanca (com o Luís Represas)

Abu Tammam
(actual Síria,,788-845)


A POESIA

A glória sem a poesia é uma terra vazia, sem referências. São as palavras dos poetas que cobrem a seu talante de alegria ou de vergonha o rosto dos homens.

Transformam a insensatez em sabedoria e julgam, de acordo com a sua sentença, o que é injustiça ou opressão.







___________________________


Manuel Maria

(Outeiro de Rei, 1929 — Corunha,  2004)

A PALAVRA

Nós, de verdade, unicamente temos

a palavra. Só a palavra verdadeira

pode traduzir a fecha

e insondável soidade do nosso ser.

Só a palavra. A própria.

A que pertence à nossa língua.

A que amamos. A que usa,

conhece e reconhece a nossa gente.

Sem a palavra seria a pobreza,

a miséria total, a impotência

a escuridade e o nom ser.

Mas hai quem manipula, força,

retorce, desfai e prostitui

o autêntico senso da palavra.

Hai quem mente. E ainda hai

o frio, feroz assassino da palavra".

(A Luz Ressuscitada_. Corunha: Associaçom Galega da Língua. Carta-Prefácio e edição de António Gil)
________________________________



Adília Lopes
(Lisboa, 1960)


 ARTE POÉTICA


Escrever um poema
é como apanhar um peixe
com as mãos
nunca pesquei assim um peixe
mas posso falar assim
sei que nem tudo o que vem às mãos
é peixe
o peixe debate-se
tenta escapar-se
escapa-se
eu persisto
luto corpo a corpo
com o peixe
ou morremos os dois
ou nos salvamos os dois
tenho de estar atenta
tenho medo de não chegar ao fim
é uma questão de vida ou de morte
quando chego ao fim
descubro que precisei de apanhar o peixe
para me livrar do peixe
livro-me do peixe com o alívio
que não sei dizer

(Um jogo bastante perigoso. Lisboa:, 1985).


Florbela Espanca


SER POETA


Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e cetim…
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente…
É seres alma e sangue e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

(«Charneca em Flor», in «Poesia Completa»)

Luís Represas em espectáculo em 1988 no Campo Pequeno, canta SER POETA:



Às quatro,  antecedidos do texto de Horácio, vêm os poemas de Nuno Júdice, Salvador Espriu e Jorge Luís Borges.
publicado por Carlos Loures às 03:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links