Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2011

O valioso tempo dos maduros, por Mário de Andrade

 


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a
frente do que já vivi até agora.
Tenho muito mais passado do que futuro.
Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas.
As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói
o caroço.
Já não tenho tempo para lidar com mediocridades.
Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados.
Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando
seus lugares, talentos e sorte.
Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos
inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha.
Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da
idade cronológica, são imaturos.
Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de
secretário-geral do coral.
'As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'.
Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha
alma tem pressa...
Sem muitas cerejas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito
humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se
considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade,
Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade,
O essencial faz a vida valer a pena.
E para mim, basta o essencial!

Mário de Andrade

 

 

 


 

 

 

 

 

Mário Coelho Pinto de Andrade (1928-1990) já foi abordado aqui neste blogue, pelo Fernando Correia da Silva, em 18 de Dezembro de 2010. Ver estrolabio.blogs.sapo.pt/2010/12/?page=15. Activista político e intelectual de primeira água, é sem dúvida uma figura notável da história e cultura, de Angola e da lusofonia.

publicado por João Machado às 08:00
link | comentar | favorito
11 comentários:
De Luis Moreira a 2 de Fevereiro de 2011
É bem verdade, as cerejas vão umas atrás das outras e as últimas...
De augusta clara a 2 de Fevereiro de 2011
Este poema é uma maravilha e acaba de forma magistral.
De ethel feldman a 2 de Fevereiro de 2011
Este texto não é do Mário Andrade, nem do Rubem Alves como correu pela net, é da autoria de um senhor que dá pelo nome de Ricardo Gondim.

é dele ete mail que partilho convosco:
(...) Escrevi "O Tempo que Foge". Alguém o fez circular como de um Autor Anônimo. Depois, disseram que era de Mário de Andrade. Agora, por último, me acusam de tê-lo roubado de Rubem Alves. Insisto, o texto é meu. Eu o escrevi no meu computador, na privacidade de meu ambiente de trabalho e está publicado no meu livro "Creio, mas tenho Dúvidas", Editora Ultimato, , com registro no ISBN, consta na página 107. (...)

Se os meus poemas circulassem como esse texto já circulou eu ficaria muito feliz, mas gostaria que fosse respeitada a minha autoria.

Ao Ricardo dou os meus parabéns porque o texto é maravilhoso.
A nós Estrolábio felicito pelo bom gosto.
De augusta clara a 2 de Fevereiro de 2011
Eu peço muita desculpa ao autor porque fui eu a culpada do texto chegar aqui como sendo do Mário de Andrade. Mas, ao mesmo tempo, mando-lhe um abraço por tão belo poema. Aprende-se com as trafulhices que por aí andam na net . Nunca mais divulgo poemas sem ser a partir de livros.
De ethel feldman a 2 de Fevereiro de 2011
o texto que seleccionaste é maravilhoso. se não fosse a net, não o leríamos. não sejas tão radical! trafulhices há em todo lado.
De Mira Baeta a 19 de Junho de 2014
O texto em questão é realmente do escritor e político angolano Mário Coelho Pinto de Andrade. A César o que é de César!
De Gina Rocha a 9 de Setembro de 2016
Está certa Mira Baeta.
O texto é do escritor e político angolano.

Plagiar ou roubar é muito feio.
Deveriam envergonhar-se disso.

Conforme as palavras da Mira Baeta: A César o que é de César!
E ponto final.
De Fernando Righi a 2 de Setembro de 2017
Agora fiquei curioso com esta autoria. Em que livro Mário Pinto de Andrade publicou este este texto?
De redonda a 29 de Maio de 2017
Cheguei aqui pelo link no blogue O Cantinho da Janita (http://francis-janita.blogspot.pt/) vou aproveitar para descobrir mais do seu blogue.
Gabriela
De MILTON MENDES a 30 de Dezembro de 2017
O texto de fato é do Ricardo Gondim, publicado livro "Creio, mas tenho Dúvidas", Editora Ultimato, com registro no ISBN, consta na página 107. (...).

Basta ir lá e conferir. No texto só alteraram a fruta de "jabuticabas" original para "cerejas".
De Carlos Peralt a 10 de Abril de 2018
Este Mário de Andrade do poema é brasileiro e morreu em 1945, nada a ver com o nacionalista angolano do MPLA na foto!
https://www.google.pt/search?ei=KfHMWsfVDIOzUfiQjYAP&q=mario+de+andrade+brasil&oq=mario+de+andrade+br&gs_l=psy-ab.1.1.0i22i30k1l10.7010.12353.0.14313.35.24.0.0.0.0.141.2444.13j11.24.0....0...1c.1.64.psy-ab..15.20.2025...0j35i39k1j0i67k1j0i203k1.0.Pk2F_bYmlbU

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

eu preciso de um empréstimo urgente em fredlarrylo...
Olá Andreia.Fico grato pelo seu texto, que me ajud...
Resultou bem o Daflon.
Pode funcionar melhor para algumas pessoas, mas fu...
Olá a todos ,Eu sou Chiara de Bolzano, Itália e só...
OLÁ!!! Senhoras e senhores? Você precisa de dinhei...
eu preciso de um empréstimo urgente em fredlarrylo...
28 de setembro de 1969 - (Morre em combate em Moça...
Para as hemorroidas, resulta ou não?
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links