Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Luta armada contra a ditadura (8) – por Carlos Loures

(Continuação)

No Porto, permaneceram fiéis à Ditadura, elementos do Regimento de Infantaria 18, do Regimento de Cavalaria 9 e o Regimento de Artilharia 5 , instalado em Gaia, na Serra do Pilar. A GNR declarou-se neutral, declarando-se disposta a garantir o policiamento das ruas da cidade. Informadas do que se passava, as forças fiéis ao Governo, mais numerosas e dispondo de mais meios, iam, mesmo antes de receber reforços, preparando o cerco. Logo às primeiras horas de sedição, houve esporádicas trocas de tiros nas Ruas de Barros Lima e Montebelo (actual Avenida de Fernão de Magalhães); no Marquês de Pombal; na Praça dos Poveiros e no Largo do Padrão. Porém, os 12 feridos do primeiro dia de revolta atestam a brandura dos primeiros confrontos. Na madrugada do dia 3, a artilharia da Serra do Pilar entrou em acção. Dois obuses atingiram, na Rua de Gonçalo Cristóvão o quartel de Sapadores Bombeiros.

As forças governamentais, depois de algumas horas de desorganização, passaram a ser constituídas por uma parte reduzida do Regimento de Infantaria 18,, que tinha como comandante o coronel Raul Peres, o Regimento de Cavalaria 8 e o Regimento de Artilharia 5, este aquartelado na  Serra do Pilar. Na tarde do dia 3 de Fevereiro, sob o comando do coronel  João Carlos Craveiro Lopes, chefe do estado-maior da Região Militar e governador militar da cidade,  concentraram-se no quartel da Serra do Pilar e abriram fogo de artilharia contra os revoltosos. Na própria manhã de 3 de Fevereiro, o Ministro da Guerra, coronel Passos e Sousa, saiu de Lisboa num comboio com destino a Vila Nova de Gaia, onde chegou ao fim da tarde. Assumiu o comando das forças governamentais até então comandadas pelo coronel Craveiro Lopes.

Durante essa primeira manhã da sedição, chegaram aos revoltosos reforços vindos de Valença. Desembarcaram na estação da Boavista, na Avenida da França, e marchando pela Carvalhosa, Cedofeita, Clérigos, Praça da Liberdade,  Rua de 31 de Janeiro, atingiram a Batalha, onde se juntaram às forças rebeldes. O cerco ia-se apertando, no entanto. O navio "Infante de Sagres" aportou a Leixões com reforços. Em Valbom, tropas governamentais tinham atravessado o rio e dirigiam-se a marcha forçada para o centro do Porto. Os combates tornavam-se, de hora para hora, mais renhidos. Violentos tiroteios ouviam-se perto da Batalha, no Bonfim, em Santo André (Poveiros), Padrão, Campo de 24 de Agosto, Rua do Duque de Loulé, Fontainhas, S. Lázaro… No dia 4 de Fevereiro, e nos dias imediatos, juntaram-se aos revoltosos do Porto forças vindas de Penafiel, Póvoa do Varzim, Póvoa do Varzim, Famalicão, Guimarães, Valença, Vila Real, Régua e Lamego. Vinda de Amarante chegou mais artilharia, a qual foi posicionada perto de Monte Pedral. A artilharia da Figueira da Foz foi detida na Pampilhosa quando se dirigia para o Porto. Começaram a chegar notícias de adesão de diversas unidades: Viana do Castelo, Figueira da Foz e Faro, Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António. No entanto, a notícia mais esperada, a da adesão da guarnição de Lisboa não chegava e esses levantamentos locais foram jugulados rapidamente.

Às quatro da tarde do dia 5 houve intenso fogo de artilharia nas duas margens do Douro, um combate que causou baixas nos dois lados. Nessa manhã falhara uma tentativa de os combates pararem, com o comandante Jaime de morais e o major Severino a deslocar-se ao posto de comando governamental, instalado num edifício da Avenida das Devezas, em Gaia. O ministro foi inflexível: ou a rendição ou o bombardeamento e a destruição das posições rebeldes. Finalmente, de Lisboa chegou a notícia da adesão de algumas unidades. Travavam-se duelos de artilharia na capital. No Porto, a esperança renasceu.

Como já disse, as operações de cerco aos revoltosos eram dirigidas pessoalmente por Passos e Sousa, ministro da Guerra e pelo coronel João Carlos Craveiro Lopes, pai do futuro presidente da República, Francisco Higino Craveiro Lopes. Um dispositivo que ia, a cada hora que passava, sendo reforçado pelo afluxo de tropas, transformou o centro da cidade ocupado pelas tropas rebeldes numa zona onde nada podia entrar ou sair. Com as atenções focadas em Lisboa, onde  o movimento parecia finalmente arrancar, os revoltosos resistiram durante os dias 5, 6 e 7 de Fevereiro à crescente agressividade das ofensivas lealistas, mas à medida que as horas passavam e as munições se iam esgotando, ia aumentando o número dos que entendiam 1que a rendição era inevitável Preocupado com o que estava a acontecer, Raul Proença regressou a Lisboa na noite de 6 de Fevereiro para pedir auxílio e para tentar activar a já desencadeada revolta na capital.

Pôde verificar que apenas tinha havido movimentações de trabalhadores greves e agitação, movimentos de solidariedade com os democratas portuenses. A tropa continuava nos quartéis. Em Lisboa a agitação alimentava-se com a solidariedade para com as vítimas de uma tragédia, verdadeira, mas pintada com cores catastrofistas. No Porto, a resistência ia buscar forças à ilusão de que em Lisboa a revolta ia de vento em popa e que em breve a ajuda chegaria. Segundo parece, os resultados da viagem de Raul Proença foram nulos. Sem as adesões e os apoios esperados, os revoltosos do Porto começavam a enfrentar sérias dificuldades. Pôs-se a hipótese de assaltar à baioneta o dispositivo de artilharia da Serra do Pilar, mas um tal assalto às baterias leais ao governo seria um sacrifício heróico, mas inútil, de muitas vidas.

Ao cabo de cinco dias intermináveis de luta cada vez mais acesa, na zona ocupada pelos revoltosos, os militares haviam-se já apercebido de que não existia qualquer hipótese de êxito. Segundo Sarmento Pimentel, o número dos sitiantes era sete vezes superior ao dos sitiados. Na tarde do dia 7, no quartel-general dos revoltosos, instalado no Teatro de S. João, foram dispensados os civis que voluntariamente ali prestavam serviço. O ambiente era de pesado desânimo.  À meia-noite, foi pedido ao major Alves Viana, da GNR, que fizesse chegar ao Regimento de Artilharia 5, em Gaia, onde estava o posto de comando governamental, um documento assinado  pelo general Sousa Dias em que  era proposta a rendição das forças revoltosas sob algumas condições, tais como a "isenção de responsabilidade aos sargentos, cabos e soldados e toda a responsabilidade aos oficiais". O quartel-general das forças lealistas respondeu concedendo a isenção de responsabilidades a cabos e soldados, oficiais e sargentos envolvidos seriam punidos. E os civis apanhados de armas na mão seriam imediatamente fuzilados (como, dias depois, viria a acontecer em Lisboa). Pelas 3 horas da manhã do dia 8, Sousa Dias informou que aceitava as condições, ordenando a rendição dos revoltosos.

A  população saudava entusiasticamente os militares - «Viva o Exército! Viva a República! Vivam os Revoltosos!, gritava-se para os lados do Marquês de Pombal, quando os oficiais passavam de automóvel para as Antas. Iam avisar os camaradas de artilharia da rendição iminente. Diz o capitão Sarmento Pimentel «Correra na cidade a afirmação enganosa da nossa vitória e ouvindo cessar os tiros e grupos de oficiais percorrendo as linhas, mais acreditava a ingenuidade popular na queda do Governo e no triunfo dos republicanos. – Que glória! Que grande glória a destes rapazes vencerem! Dizia comovido um homem com aspecto de empregado de escritório, que passara junto ao nosso carro  quando íamos a apear-nos. Santa ilusão a deste povo que depressa acredita no que a justiça e a razão, e a inteligência e a índole democrática lhe mostram por verdade! ». Pelas 8:30 horas, Passos e Sousa entrou triunfalmente na cidade, pela Ponte D. Luís. Estava terminada a revolta. Na tarde desse mesmo dia 8 de Fevereiro, o Ministro Passos e Sousa partiu para Lisboa, cidade onde a rebelião aumentava de intensidade. Nessa manhã, o comandante da Região Militar, Craveiro Lopes, através da telegrafia sem fios, enviou a seguinte mensagem ao presidente da República "Felicito V. Ex.ª e o Governo da Nação. Tropas entraram Praça da Batalha, Porto, às 8 horas e meia, tomando conta da cidade onde a vida vai retomando a sua normalidade".

No opúsculo "Memórias de um sitiado (5 dias e 5 noites sob a metralha)", datado de 1927, são identificados os oficiais presos no final da revolta do Porto: um general (Sousa Dias), dois coronéis, três majores, 18 capitães, 55 tenentes, seis alferes, três músicos das bandas militares. O mesmo documento refere que até 11 de Fevereiro tinham sido presos 125 sargentos e 22 civis. Os presos foram depois conduzidos à Penitenciária de Lisboa. Durante a revolta no Porto  terão morrido mais de 100 pessoas, entre militares e civis. Foram mais de 500 os feridos, alguns dos quais viriam a sucumbir nos dias seguintes, mais de um milhar de prisões, muitas deportações. Estes dados parecem-me fiáveis, embora haja estimativas que apontam para números muito mais elevados, quer quanto aos mortos, quer quanto aos feridos.

(Continua)

publicado por Carlos Loures às 12:00

editado por Luis Moreira às 12:26
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links