Sábado, 22 de Janeiro de 2011

Il manifesto anti-Marchionne/ Andrea Camilleri, Paolo Flores d’Arcais, Margherita Hack su MicroMega: "Come lo squadrismo fascista"

Apelo

 

Il diktat di Marchionne, che Cisl e Uil hanno firmato, contiene una clausola inaudita, che nemmeno negli anni dei reparti-confino di Valletta era stata mai immaginata: la cancellazione dei sindacati che non firmano l’accordo, l’impossibilità che abbiano una rappresentanza aziendale, la loro abrogazione di fatto. Questo incredibile annientamento di un diritto costituzionale inalienabile non sta provocando l’insurrezione morale che dovrebbe essere ovvia tra tutti i cittadini che si dicono democratici. Eppure si tratta dell’equivalente funzionale, seppure in forma post-moderna e soft (soft?), dello squadrismo contro le sedi sindacali, con cui il fascismo distrusse il diritto dei lavoratori a organizzarsi liberamente.

 

Per questo ci sembra che la richiesta di sciopero generale, avanzata dalla Fiom, sia sacrosanta e vada appoggiata in ogni modo. L’inaudito attacco della Fiat ai diritti dei lavoratori è un attacco ai diritti di tutti i cittadini, poiché mette a repentaglio il valore fondamentale delle libertà democratiche. Ecco perché riteniamo urgente che la società civile manifesti la sua più concreta e attiva solidarietà alla Fiom e ai lavoratori metalmeccanici: ne va delle libertà di tutti.

 

Andrea Camilleri, Paolo Flores d’Arcais, Margherita Hack

Primi firmatari: don Andrea Gallo, Antonio Tabucchi, Dario Fo, Gino Strada, Franca Rame, Luciano Gallino, Giorgio Parisi, Fiorella Mannoia, Ascanio Celestini, Moni Ovadia, Lorenza Carlassarre, Sergio Staino, Gianni Vattimo, Furio Colombo, Marco Revelli, Piergiorgio Odifreddi, Massimo Carlotto, Valerio Magrelli, Enzo Mazzi, Valeria Parrella, Sandrone Dazieri, Angelo d'Orsi, Lidia Ravera, Domenico Gallo, Marcello Cini, Alberto Asor Rosa, don Paolo Farinella.

____________

 

Manifesto de intelectuais italianos sobre a democracia, sobre as   liberdades

 

 

APELO

 

 

O manifesto anti-Marchionne / Andrea Camilleri, Paolo Flores d'Arcais, Margherita Hack na revista MicroMega sobre: "Como os esquadrões fascistas"

Andrea Camilleri, Paolo Flores d'Arcais, Margherita Hack assinam  o manifesto contra Marchionne, o director da Fiat, na revista MicroMega. O sítio da revista  abriga o manifesto cultural dos três intelectuais contra o que é chamado de "diktat" do director-geral da Fiat, a partir da sua sede, em Lingotto, com um convite aos leitores para assinar e difundir o apelo.


Apelo
O diktat de Marchionne que os sindicatos CISL e UIL subscreveram, contém uma cláusula inédita que  mesmo nos  anos dos pós guerra sob a orientação de governo de Valletta nunca seria possível imaginar : o afastamento de sindicatos  que não assinaram o acordo, a impossibilidade  destes poderem  representar os trabalhadores, a sua eliminação de facto. Este incrível e inaceitável aniquilamento  de um direito constitucional inalienável não está a provocar a insurreição moral que devia ser óbvia entre todos os cidadãos que se dizem democratas. No entanto, o que se está a passar é o equivalente funcional, numa forma pós-moderna e suave (soft?), da acção dos  esquadrões fascistas contra as sedes do sindicatos com que o fascismo destruiu  o direito dos trabalhadores se organizarem livremente.

 
Por esta razão, acreditamos que a proposta de uma greve geral, feita pelo FIOM, seja inatacável  e que deve ser apoiada de modo inequívoco  por toda a gente. O ataque sem precedentes feito contra os direitos dos trabalhadores da Fiat é um ataque aos direitos dos cidadãos, uma vez que se põe em causa o valor fundamental das liberdades democráticas. É por isso que consideramos e sentimos como  uma necessidade urgente que  a sociedade civil manifeste   a sua solidariedade mais concreta e activa para com os  trabalhadores metalúrgicos e para com  o FIOM: é a liberdade de todos que está em jogo.

 
Andrea Camilleri, Paolo Flores d'Arcais, Margherita Hack
Primeiros signatários: Don Andrea Gallo, Antonio Tabucchi, Dario Fo, Gino Strada, Franca Rame, Luciano Gallino, Giorgio Parisi, Fiorella Mannoia, Ascanio Celestini, Moni Ovadia, Lorenza Carlassarre, Sergio Staino, Gianni Vattimo, Furio Colombo, Marco Revelli, Piergiorgio Odifreddi, Massimo Carlotto, Magrelli Valerio, Mazzi Enzo, Valeria Parrella, Dazieri Sandrone, Angelo d'Orsi, Lidia Ravera, Domenico Gallo, Marcello Cini, Alberto Asor, Don Paolo Farinella.

 

 

publicado por Carlos Loures às 20:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links