Segunda-feira, 10 de Janeiro de 2011

Faz hoje 50 anos que Dashiell Hammett morreu - por Carlos Loures

O pai de Sam Spade, o escritor que maior credibilidade  deu ao género policial

 

 

 

 

 Em 10 de Janeiro de 1961 morria Dashiel Hammett, o escritor norte-americano que conferiu ao romance policial o estatuto de literatura «séria».Foi com ele que nasceram heróis anti-heróicos como Sam Spade – desencantado, céptico, sem ilusões sobre as pessoas, mas de uma inquebrantável integridade. O Falcão de Malta. O modelo de detective sagaz, de raciocínio infalível, de que  o Poirot  de Agatha Christie, para não falar no Sherlock Holmes de Conan Doyle, com os seus ajudantes de mentalidade trôpega (para melhor fazer brilhar a inteligência do mestre, deu lugar a um ser solitário, que não acredita nos homens, mas crê na humanidade. Um novo paradigma que floresceria em personagens como  Pepe Carvalho de Manuel Vázquez Montalbán. Não esqueçamos que, pela mesma época, Raymond Chandler (1888-1959) aparecia com o seu Philip Marlowe (também interpretado no cinema por Bogart).

 

Dashiel Hammett e Raymond Chandler criaram um género novo dentro do policial – o «romance negro» e, sobretudo, contribuíram para que a literatura poliicial não pudesse continuar a ser considerada  um «género menor».

 

Dashiel Hammett nasceu em 1894 no Saint Mary's Conty, Maryland e morreu em 1961 na cidade de Nova Iorque. Durante o período maccartista da «Caça às Bruxas», em 1951, não querendo denunciar nenhum dos seus amigos, acusados de serem militantes comunistas, foi preso. Na véspera da prisão disse - «um homem deve manter a sua palavra».

 

Em 1941, o seu «Falcão de Malta» seria passado para o cinema, sob a direcção de John Houston – Humphrey Bogart interpretou de tal forma a figura de Sam Spade que o mítico detective passou a ser evocado com o seu rosto – diz-se que Bogart, se portou muito mal durante a «Caça às Bruxas» mantendo a liberdade à custa da denúncia de amigos – traiu a integridade de Sam Spade.

 

Josephine Hammett, a filha de Dashiel explica por que motivo o seu pai depois de 1934 não voltou a publicar nenhuma obra significativa – não deixou de escrever, mas deixou de concluir o que começava a escrever.

 

 

 
 
 

                       

 

 

publicado por Carlos Loures às 12:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links