Quarta-feira, 5 de Janeiro de 2011

Os cambaleantes - por Carla Romualdo

Alguém duvida que a mera forma como se caminha pelas ruas constitui, por si só, todo um manifesto de uma situação vital? A saúde, a harmonia familiar, os sobressaltos económicos, o estado dessa coisa etérea a que alguns chamam espírito, tudo se revela nas passadas. E, por isso mesmo, os desapossados da sorte, aqueles que, por qualquer que seja a razão, se encontram diminuídos face aos outros, facilmente se distinguem.

Andam devagar, consumidos pela depressão ou pela crise renal, raramente levantam os olhos do chão, a não ser para espreitar a custo o mundo que avança apressado. Ou para reconhecer um semelhante, que se deteve no outro lado da rua, e com ele trocar um olhar cúmplice.

Tendo ficado limitada recentemente, e por razões que pouco interesse têm, a uns passinhos de gueixa, dei por mim num novo mundo, onde a pressa de pouco vale. Abranda-se o passo, olha-se para os lados a cada paragem, descobrem-se as fendas que se vão abrindo nos prédios da baixa, espreita-se para dentro do tasco que vai cumprindo a sua função social inestimável, reconhecem-se traços novos nos rostos olhados diariamente: o velho doente dos pulmões que passa o dia a cravar cigarros, a lojista avinagrada que não gosta que as crianças encostem o rosto ao vidro da montra, o guardião da sala de bilhar, que cumpre a função com a seriedade de quem defende um palácio.

Ah, a irmandade que se descobre entre os que vão abrandando, que vivem atormentados pela sufeca, que sofrem de reumatismo, que vêem o mundo a andar à roda e têm de se encostar nas bordas. Trôpegos e lentos, vêem o mundo através de uma lente de ampliar.

Lição aprendida, agora que retomei o passo estugado, procuro pretextos para abrandar.

publicado por CRomualdo às 20:00
link | favorito
8 comentários:
De augusta clara a 5 de Janeiro de 2011
Aposto que deste uma cacetada, de propósito, num joelho só para satisfazeres essa tua inesgotável curiosidade e cumprires a missão de traduzir o que vês na rica prosa que é a tua. Mas, agora, já chega, Carla! :))
De CRomualdo a 6 de Janeiro de 2011
Não preciso, Clara, há uns anos caí pelas escadas e desde então a minha coluna de vez em quando manda-me abrandar. Um beijinho

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links