Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010

Rosa de Porcelana pintada (Como se fora um conto)

José Magalhães


No princípio do século vinte os hotéis e pensões tinham quartos para alugar que não possuíam quarto de banho. Este situava-se normalmente ao fundo do corredor e servia todos os quartos desse andar. Havia até pensões que tinham um só quarto de banho para os diversos andares dos quartos.

Na minha família havia um Padre. Quase todas as famílias tinham pelo menos um. Este, pelos anos vinte do século, era já entrado na idade. Teria bem mais de sessenta anos.

O Tio Padre, fazia palestras e orava em muitos locais para onde era convidado. Um dia teve de se deslocar a Chaves, em pleno Inverno, para falar, a convite de uma qualquer organização. Foi de Paços de Ferreira, onde residia, para Chaves, de charrete, como era hábito naquelas alturas.

Chegou a Chaves já o dia tinha acabado.

havia muito tempo, e dirigiu-se a uma pensão que ele conheceria bem, e onde já tinha quarto reservado. Jantou e recolheu-se.

Algum tempo depois, já em trajes de dormir, imagino-o eu em camisa branca e gorro por causa do frio, teve vontade de urinar. O frio era tanto que não lhe apetecia nada deslocar-se pelo corredor até à casa de banho.

Usava-se na altura e ainda se usou durante muitas décadas, um pote em cada quarto para utilizar sempre que as necessidades fisiológicas apertassem. Procurou-o por baixo da cama e como não o encontrou percorreu o quarto, que era pequeno, de ponta a ponta, não se esquecendo de procurar dentro do guarda-fatos, nas gavetas do pessiché, e por baixo da mesa de cabeceira. Nada! tinha levado sumiço. E ele apertadinho de todo, e o frio que apertava, que em Chaves, no Inverno, a coisa é dura.

De um modo ou de outro, o meu Tio Padre lá conseguiu resolver o seu problema.

De manhã, lavou-se na bacia que estava no quarto, usando para tal a água quase congelada que já lá estava e que ele havia despejado no dia anterior de numa jarra de porcelana que tinha uma rosa pintada, limpou-se a uma toalha de linho que lhe tinham colocado no quarto para esse efeito, desceu para tomar o pequeno almoço, pagou a estadia e abalou para o seu destino.

Horas de pois, a empregada da pensão entrou no quarto para as limpezas normais e reparou que em cima do pessiché estava a jarra da água com um bilhete encostado e que tinha qualquer coisa escrita nele. A pobre da rapariga não sabia ler, o que era comum nessa altura, e desceu as escadas em passo de corrida dirigindo-se ao dono da pensão.

- Ó se Maneli, o sô Padre esqueceu-se disto. Estava encostado à jarra de porcelana, a que tem a rosa pintada, que o senhor mandou colocar lá no quarto.

- Mostra lá rapariga.

A moçoila entregou-lhe a folha de papel, o sr Manuel colocou os óculos na ponta do nariz, e leu:


Rosa de porcelana pintada
Perfume não pode ter
Aqui deixo a minha graça
E o perfume do meu ser.
publicado por Carlos Loures às 19:30
link | comentar | favorito
5 comentários:
De Luis Moreira a 10 de Novembro de 2010
Já se percebe de onde vem a tua veia artística.Um abraço,Zé.
De augusta.clara a 10 de Novembro de 2010
Ó Zé, também já estás a ficar politicamente correcto? Aquele objecto chamava-se um penico.
De ATRIBUTOS a 10 de Novembro de 2010
Chamava-se e chama-se pote, penico, vaso de noite, vaso sanitário, urinol, são de vários tamanhos e um só feitio, redondo, de fundo chato e com uma asa.
Conheço os de cerâmica, de loiça (louça), de plástico e de ferro, mas também os há de bronze e até de ágata. Eram usados de noite, nos quartos e normalmente debaixo das camas, quase exclusivamente para urinar. Hoje servem só para ensinar criancinhas a fazer xixi e cócó.
Quanto ao politicamente correcto, bem, às vezes sou assim, Augusta, uma desilusão.
Luís, o meu tio Padre, que nunca conheci, era o máximo!
De ATRIBUTOS a 10 de Novembro de 2010
Esqueci-me do bonequinho.
:o)
De augusta.clara a 10 de Novembro de 2010
Está bem :-)

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Jestem osobą fizyczną oferującą pożyczki międzynar...
I got my already programmed and blanked ATM card t...
Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...
Sera que não vai sair do roupeiro? ? E a roupa fic...
Hoje entrou uma para o meu roupeiro e não a consig...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links