Domingo, 11 de Julho de 2010

O Emir-Poeta Al-Mu’tamid, de Ana Cristina Silva


António Gomes Marques

I

Aquando da polémica provocada pelo projecto da Constituição Europeia muito se falou do esquecimento a que tinha sido votada a influência do catolicismo, influência essa que não seremos nós a negar; no entanto, o mundo moderno e o seu desenvolvimento científico, que viria tornar possíveis as sociedades industriais, se muito devem ao catolicismo, não podem esquecer a dívida ao mundo antigo e ao mundo muçulmano. As influências clássicas, nomeadamente da filosofia grega, ficaram a dever-se aos árabes, não fossem as suas traduções e muitos dos filósofos clássicos continuariam no desconhecimento de todos nós; para além dos árabes, foi fundamental a influência dos muçulmanos e dos judeus. A Espanha dos séculos VII e VIII é o espelho da civilização muçulmana de que, facilmente, se encontram hoje vestígios bem marcantes. Se falarmos de Portugal, basta-nos visitar Beja, Mértola, Silves, Faro, …

No final do século VIII assiste-se à assumpção do Islamismo como um complexo político-religioso, considerando o poder político como fundamental para a consolidação na Terra da vontade de Deus. Os juristas e os teólogos muçulmanos vão desenvolver um direito assente numa sociedade teocrática em que o valor do Estado só se mede pela maior ou menor devoção à religião revelada, segundo esse direito o Estado tem de ser um mero servidor da religião muçulmana, dividindo o mundo «entre o dar-al-islam, o povo que vivia sobre a regra muçulmana, e o dar-el-arb, as terras dos poderosos campos de batalha não convertidos» ((Heer, Friedrich – O Mundo Medieval, Editora Arcádia, Lisboa, 1968, trad. de Maria Ondina). Os territórios conquistados e sob a influência muçulmana são vastos, mas uma sociedade fechada como queriam os juristas e os teólogos muçulmanos não é necessariamente uma sociedade imune a influências dos povos dos territórios conquistados, tendo sido «possível aos judeus e aos cristãos subirem alto nos estados muçulmanos, por vezes até ao cume, ao serviço do governo e da administração financeira» (Heer, F., pág. 248). Estas múltiplas influências deram origem à criação de muitas seitas com as mais variadas influências místicas, religiosas e filosóficas e às consequentes divisões numa sociedade que se queria una.

Diz-nos Adalberto Alves, com a sua habitual erudição no que a estes temas respeita: «Com a deterioração do Califado de Córdova, o Islão Peninsular perde força aglutinante, mostrando-se com nitidez as contraditórias pulsões que no seu seio se debatiam. Entre convertidos, árabes e berberes far-se-á a partilha de poder e território num generalizado ambiente de guerra civil (fitna). Daí surgem os turbulentos e, em geral, precários reinos partidários ou de Taifas (mulûk al-tawa’if) do primeiro período, destinados a uma efémera existência de sessenta e quatro anos, com início em 1031» .

Estas divisões acentuaram-se e no século XI as rivalidades entre os emires das Taifas sobrepunham-se à necessária unidade muçulmana, mas não impedia que nessas cortes houvesse uma grande tolerância religiosa a par com uma cultura abrilhantada por escritores e poetas, sendo alguns destes poetas os próprios governantes, como o emir da Taifa de Sevilha, Al-Mu’tamid ibn’Abbad (1069-1091), nascido em Beja. Nestas cortes eram frequentes as públicas polémicas entre teólogos do islamismo, do judaísmo e do cristianismo.

Das referidas Taifas, destaca-se a de Sevilha, cujo poder foi tomado por Hishâm II al-Mu’ayyad, fundando assim a dinastia abádida, cujos territórios foram sendo alargados à custa dos vizinhos e por acção do seu filho ‘Abbâd Abûal-Qâsim billâhi al-Mu’tadid. «A ambição expansionista cedo o leva à conquista sucessiva de Carmona, Jerez, Arcos, Niebla, Morón, Mértola, Serpa, Silves, Faro, Huelva e Ronda, transformando Sevilha na capital do mais extenso e poderoso reino Taifa» . Esta política vai ser prosseguida pelo filho deste, o nosso poeta al-Mu‘tamid, podendo afirmar-se que a ambição deste seria «a reunificação do território califal» (Alves, Adalberto).

A falta de unidade entre as várias Taifas – Sevilha, Córdova, Málaga, Valência e Saragoça -, aliada à tolerância religiosa que nesses reinos se vivia, permitiu a entrada em cena dos Almorávidas, vindos do Sara, o deserto africano, que acabaram por impor a sua ortodoxia religiosa, considerando-se os únicos fiéis seguidores de Maomé. Contra os emires das Taifas, os quais, ao permitir tal tolerância religiosa, esquecendo que «não há outro deus senão Alá e (que) Maomé é o seu profeta», se tornam infiéis e merecedores de castigo.

Conquistado Marrocos, o caminho agora apontava para a destruição dos infiéis emires das Taifas, que não deixavam de se digladiar entre si e que viviam fazendo acordos com os cristãos, pagando-lhes mesmo tributos, o que indignava os ortodoxos muçulmanos.

Com a guerra fratricida, o luxo da corte e o pagamento dos referidos tributos não restava outra hipótese senão aumentar impostos, tornando a população cada vez menos predisposta a defender o reino, obrigando o Estado a contratar cada vez mais mercenários, levando o rei Afonso VI de Castela a não se contentar apenas com os tributos e a aumentar as suas exigências com vista ao domínio dos territórios das Taifas, o que obriga al-Mu’tamid a pedir auxílio ao emir dos Almorávidas, auxílio que viria a ser concedido mais do que uma vez e que abriria caminho à conquista dos territórios das Taifas pelos Almorávidas, conquista esta que, em meados do século XII , cairia nas mãos dos Almóadas, berberes do Alto Atlas. Mas este período já ultrapassa o tempo do nosso poeta, é a ele que nos interessa agora regressar.

Fazendo fé no pouco que se conhece do tempo das Taifas e, sobretudo, na poesia e nas cartas de al-Mu’tamid, este sempre terá pensado que o caminho a seguir não seria a guerra fratricida, mas sim o combate aos cruzados e a Afonso VI de Castela, unindo portanto os reinos das Taifas nesta luta comum, mas a sua prática foi seguir o caminho que tinha sido o do seu avô e o do seu pai, com os resultados referidos. Na carta em que pede auxílio ao emir dos Almorávidas, escreve o poeta, a dado passo: «Nós, Árabes, neste Andalus vemos o nosso povo em ruínas, as nossas populações desunidas e as nossas genealogias abastardadas pela renúncia aos princípios da nossa santa religião. Não passamos de facções, sem laços de solidariedade e sem união. », o que mostra bem a consciência de ter escolhido o caminho errado e que não era o que queria na sua juventude, como testemunha, claramente, a sua poesia.

No combate final contra os Almorávidas perde vários dos seus filhos e acaba partindo para o exílio com o que resta da família, incluindo a sua bem-amada ‘Itimad, a escrava que terá conhecido nas margens do Arade (outros dirão nas margens do Guadalquivir). Os restos mortais de al-Mu’tamid repousam num Mausoléu em Aghmât, perto de Marráquexe.

II

Chegado é agora o momento de justificar o título deste texto. Falemos então de Ana Cristina Silva, a escritora brilhante que recentemente mais me tem espantado e encantado.

Depois de As Fogueiras da Inquisição, onde trata de três gerações de uma família judaica portuguesa na sociedade do nosso século XVI, desde o reinado de D. Manuel I até à dinastia filipina, onde as fontes insertas nas várias histórias da Inquisição e sobre os Judeus em Portugal, nomeadamente a Inquisição de Évora, de António Borges Coelho, são as balizas históricas para o mundo criado por Ana Cristina Silva, de que a autora é profundamente respeitadora; depois de A Dama Negra da Ilha dos Escravos, onde, contando a história da fidalga D. Simoa Godinha, a mulata oriunda de uma família rica de S. Tomé, a romancista fala não só da vida em S. Tomé, mas também da sociedade lisboeta do século XVI, vem agora Ana Cristina Silva falar-nos do Emir-Poeta al-Mu’tamid e da complexa sociedade peninsular do século XI, em que ele viveu, cujo título completo é Crónica do Rei-Poeta Al–Mu’ tamid. Todos estes livros foram editados pela Editorial Presença (passe a publicidade gratuita).

Há, nestas obras, uma característica comum: a pobreza dos dados históricos para a construção das vidas que a autora nos dá a conhecer, particularmente nas duas últimas, o que dá à ficcionista uma grande liberdade de criação. Mas uma outra característica não pode deixar de se realçar: Ana Cristina Silva faz questão de respeitar a História. Tudo o que escrevemos na parte I deste texto poderia encontrar-se na obra da escritora com um pouco de imaginação, imaginação essa que está sempre presente em todos os historiadores.

Há ainda uma característica, em nossa opinião verdadeiramente fundamental nesta autora, que é a riqueza psicológica das personagens, de todas as personagens, principais ou secundárias, que cria nas suas ficções, não sendo naturalmente despiciendo a influência que nessa criação tem a profissão da autora, pois, para além de doutorada em Psicologia da Educação e de especializada na área da aprendizagem da leitura e da escrita, Ana Cristina é docente universitária das cadeiras de Psicologia da Comunicação e da Linguagem e de Seminário de Estágio no Instituo Superior de Psicologia Aplicada.

Dito isto, não se assuste o leitor; Ana Cristina Silva não procura a chamada linguagem erudita. Conhecedora das técnicas, sinto-a como senhora de uma profunda cultura humanista, tomando a expressão cultura humanista como significando o não reconhecimento de nenhum valor superior ao ser humano. Cria as suas personagens numa linguagem simples, acessível a todos os leitores, competência que só está ao alcance dos grandes escritores e Ana Cristina Silva, na minha modesta opinião, é uma grande escritora. Veja-se a forma como trata quer os momentos de intimidade das suas personagens e/ou as suas reflexões pessoais, quer os momentos dessas mesmas personagens em acção, como, por exemplo, o combate das massas guerreiras no confronto final com os Almorávidas e a acção individual do emir-poeta nesse mesmo confronto, a forma como expressa os sentimentos de cada um. Os sentimentos contraditórios do povo para com o seu emir são também exemplares, mostrando-nos ser essa uma das razões por que o fim de al-Mu’tamid não poderia ser outro: morrer no exílio, longe do luxo em que foi criado, mas rodeado do amor dos que sempre o amaram verdadeiramente, como a sua mulher preferida, a sua rainha ‘Itimad, falhada que foi a sua tentativa de morrer em combate. É de pessoas que sentimos vivas que a autora nos fala. É a história em movimento dialéctico, cheia das contradições com que temos de construir o futuro.

Lembro a apresentação que do livro fez o Prof. Adalberto Alves, em Vila Franca-de-Xira, e termino como ele terminou: «Obrigado Ana Cristina por esta Crónica do Rei-Poeta Al–Mu´tamid .
publicado por Carlos Loures às 11:00
link | comentar | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Philip Mark Financial Corporation, Inc.We are priv...
Philip Mark Financial Corporation, Inc.Somos credo...
eu preciso de um empréstimo urgente em fredlarrylo...
Empréstimo expressoVocê precisa de um empréstimo c...
Dia bomVocê quer ser empresário, iniciar um projet...
Dia bomVocê quer ser empresário, iniciar um projet...
Oi pessoal eu admiro muito as osgas pois lido com ...
Olá!Você está em alguma confusão financeira ou pre...
Olá e bem-vindo ao Spotlight Global Financial Serv...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links