Sábado, 16 de Outubro de 2010

Boaventura de Sousa Santos no estrolabio - Ética Jornalística


A jornalista Judith Miller acaba de ser despedida pelo New York Times (NYT) depois de ter passado quase três meses na prisão por se ter recusado a identificar as fontes de uma fuga de informação sobre a identidade de uma agente secreta da CIA.
Esta notícia parece algo paradoxal. Como é possível que uma jornalista de tão elevada exigência ética seja despedida por um dos jornais mais influentes do mundo? Mais estranho ainda é que não tenha havido nenhum movimento de jornalistas em favor da sua colega e muitos tenham manifestado as suas dúvidas acerca dos verdadeiros motivos do silêncio desta jornalista.

A explicação de tudo isto está no facto de Judith Miller ter sido a jornalista que mais prolificamente escreveu sobre as armas de destruição maciça de Saddam Hussein e mais zelosamente defendeu a tese de que tais armas existiam. Com fortes ligações aos neoconservadores que dominam a administração Bush, Miller teve acesso a informação confidencial que alegadamente justificava as suas reportagens e que pôde usar sob a condição de não a revelar, nem sequer aos próprios directores do NYT.

Segundo alguns analistas políticos, a persistência e o dramatismo das reportagens da jornalista tiveram um papel decisivo em condicionar a opinião norte-americana, no sentido de apoiar a invasão do Iraque e em influenciar, no mesmo sentido, muitos jornalistas estrangeiros. Ora nos últimos meses souberam-se dois factos importantes: não havia armas de destruição maciça no Iraque e a administração Bush sabia disso quando decidiu a invasão; as reportagens da jornalista do NYT foram parte de um esquema impressionante de manipulação da opinião pública e de produção de informação falsa que envolveu muitos meios de comunicação e jornalistas, não só nos EUA, como no resto do mundo. O esquema envolveu o departamento de defesa, sectores dos serviços secretos, especialistas de "gestão de percepção" e de "manipulação da informação", contratados para o efeito, e ainda o Iraqi National Congress, uma organização de dissidentes iraquianos, criada pela CIA e dirigida por um exilado, Ahmad Chalabi, condenado por crimes económicos na Jordânia e hoje um dos homens fortes do Iraque. Os detalhes da operação começam a ser conhecidos e mostram como a informação foi transformada em arma e em alvo de guerra: notícias falsas, inundando as redacções de todo o mundo e incluindo segmentos televisivos com "embuste militar"; "operações psicológicas secretas", envolvendo o favorecimento dos jornalistas amigos, a demonização dos hostis e a desmoralização dos que tentassem verificar ou cruzar a informação; envio de equipas de técnicos de informação e de desinformação a países considerados estratégicos, etc., etc.

O NYT pediu desculpa aos leitores por se ter deixado ser "vítima" da desinformação. Mas terá sido apenas vítima? Em livro recente, Richard Falk e Howard Friel revelam que os 70 editoriais do NYT sobre o Iraque, entre Setembro de 2001 e Março de 2003, não mencionaram nunca as palavras "direito internacional" ou "Carta da ONU". Mas o problema não é apenas norte-americano. Alguns jornais europeus (incluindo os nossos) encheram-se de editoriais e de páginas fazendo a apologia da guerra e lançando o opróbrio contra todos aqueles que se manifestavam contra ela, com base no direito internacional e na informação já então disponível, alguma da própria CIA, de que não havia armas de destruição maciça no Iraque nem havia nenhuma articulação entre Saddam e a Al Quaeda. O NYT despediu a jornalista. O que aconteceu no resto do mundo? Algum jornalista confessou o erro ou foi punido? Alguém é responsável por esta monumental fraude contra a opinião pública mundial?

(Publicado na revista "Visão" em 24 de Novembro de 2005)




publicado por Carlos Loures às 21:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links