Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

Novas Viagens na Minha Terra

;
Manuela Degerine


Capítulo LXXVI 

Décima nona etapa: de Ponte de Lima a S. Roque 

Após seis horas de sono, sinto-me ainda cansada. O céu amanhece quase diáfano, pode ser que até nem chova, porém a manhã começa fresca: saio do albergue com o blusão vestido.  Fizemos um chá de limão para acompanhar parte dos bolos. A partir de agora, em cada albergue, o chá preto, o chá verde ou esta tisana com sumo e casca de citrino tornar-se-ão um ritual de princípio e fim de etapa. Consegui ver a alemã do duche enfim vestida. É senhora de – no mínimo – uns sessenta anos e, com calças, camisolas e bonitos lenços, torna-se atraente. Viaja com o alemão que dormiu na cama ao lado da minha.


Elegantes, ambos. Educados, também. Lêem, escrevem. Podem ser universitários. Habituados a viajar por sítios pouco convencionais: trazem, como eu, uma corda fina, leve, comprida e resistente para, se for possível e necessário, pendurarem os pertences. (Espero que pensassem em a recuperar; deixei a minha entre duas traves.) Saímos do albergue ao mesmo tempo e, durante toda a manhã, havemos de alternar as ultrapassagens. Quando seguem à nossa frente, reparamos que, se caminham lado a lado, vão sempre de mãos dadas. Começamos a chamar-lhes: “os namorados”. Será uma paixão recente ou, após quarenta anos de vida comum, continuarão apaixonados? Gosto de ambas as hipóteses.  Esta etapa conta apenas dezassete quilómetros e meio. Gérard Rousse qualifica-a como “ a mais difícil do caminho mas também a mais bela”. Bela, certo; mas difícil porquê? Hesito em responder à pergunta... O leitor troçará destes andarilhos de meia tigela. Difícil por atingirmos um cume de, imagine-se a proeza, quatrocentos e cinco metros. Ah, caro Gérard... Que seria de nós sem ti? Todos os dias nos teríamos perdido várias vezes – e quase não nos riríamos. Merci pour ce voyage heureux. Bem... As encostas abaixo dos mil metros não me metem medo: nas Sarzedas do Vasco só há encostas, nos arredores de Tomar só há encostas, em Sintra só há encostas e até no bairro onde moro só há encostas. Passamos a quinta do Arquinho, depois a do Sabadão, avançamos debaixo de vinhas suspensas, à beira de campos cultivados, os caminhos são estreitos, encontram-se todos encharcados, com frequência submersos, mergulhamos os pés até ao cimo das botas, felizmente impermeáveis, digo e repito, bem fiz em carregar com elas entre Águeda e Vilarinho, aqui os crocs não avançariam dois metros, prender-se-iam de imediato na lama, prosseguimos não raro, com o auxílio das varas, um pé na lama e o outro no ar...  O sol é ameno, a temperatura fresca, o ar perfumado, a paisagem verde, de um verde muito tenro... Vou na euforia de atravessar uma das mais belas regiões que tenho visto, com esta densidade histórica nas igrejas, nos solares, nos muros, nos caminhos, nos terraços, na vinha suspensa, nas árvores e espécies vegetais, produtos deste modo de vida ao longo dos séculos. Gosto desta pedra, gosto desta luz. Sinto a afeição que me liga a uma terra na qual não tinha, até este instante, poisado os pés... Um país é isto: as saudades da lama minhota, onde nunca nos atascámos e que todavia compreendemos tão bem como o Ribatejo, a Beira Litoral e a Estremadura a que pertencemos. Percebo pela primeira vez a palavra lameiro, uma palavra até hoje apenas conhecida: senti-la-ei, daqui em diante, nos músculos das pernas.  Encontro-me nas terras de Aquilino Ribeiro e Camilo Castelo Branco. Passaremos ao lado de Romarigães... Para além deste topónimo, que faz parte de um título, todos os outros me são familiares. Quando vejo algum documentário sobre o Tibete, identifico a paisagem com as palavras de Alexandra David-Neel; neste momento faço o inverso: recolho imagens para a releitura de Camilo e Aquilino. Chegamos a Arcozelo, ultrapassamos, uma vez mais, os namorados. Com o movimento, sinto já calor, por isso dispo o blusão, arrumo-o na mochila – ah! Noto logo a diferença. O peso deste enorme blusão de couro, que me cobre as ancas, com o forro, mais a espessura, sabe-se lá de quê, entre o forro e o couro, mais os fechos de metal, à frente e nos dois bolsos, mais duas fivelas com ilhós, pois – o peso deste blusão não é inferior ao das botas. E, mesmo sem ele lá dentro, sentia já o peso da mochila...  Este prodígio não cessa aliás de me espantar. De manhã, quando saímos do albergue, a mochila tem o peso que tem, entre sete e oito quilos, uma loucura para uma galgaz que, como eu, pesa quarenta e três e meio, no entanto sinto-a então como se, em Lisboa, voltasse do mercado com sete quilos de compras: é pesada e acabou; porém, durante a caminhada, à medida que o tempo passa, o peso vai aumentando, progressivamente, até eu quase não a poder levantar, se faço uma pausa, a largo durante cinco minutos e até, ao fim do dia, me obrigar a um esforço colossal em cada passo... Não, não escondo um cadáver, a aventura complica-se com os quilómetros e, no fim do dia, troquei o cadáver por um megalito. Mais não direi mais desta desventura... (Apetece exclamar, como na missa: mistérios da caminhada!)
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links