Segunda-feira, 4 de Outubro de 2010

Dia Mundial do Animal – A Baleia


Luis Rocha

Península de Valdés ( Argentina)

A cerca de 80 Km da cidade de Puerto Madryn, estende-se ao longo de 360 000 hectares, esta Reserva Natural, com tão destacável população faunística( baleias, lobos e elefantes marinhos, pinguins …) que a UNESCO declarou “Património da humanidade”.

Foi aí que tive o primeiro e único contacto visual com uma baleia (Baleia Franca Austral) e a sua cria que chegam ao Sul em junho e até dezembro habitam as águas do golfo para acasalar e dar à luz a seus filhotes. Ao nascer medem entre 4 e 6 metros e pesam aproximadamente umas 3 toneladas.

O barco aproximou-se de uma baleia com o seu filhote. Parou os motores a cerca de 200 metros e ficámos ali a flutuar e a ver os mergulhos e subidas à superficie, daquele enorme animal.
O Capitão do barco pediu silêncio. Aos poucos a baleia foi-se aproximando e começámos a ver o filhote que deslizava na água por debaixo dela, ao mesmo tempo que o guia informava que o bebé mamava cerca de 200 litros de leite por dia.

A baleia foi-se aproximando cada vez mais ao ponto de erguer a cabeça fora de água junto ao barco, para nos ver. Depois mergulhou de novo e começou ás voltas, passando por debaixo do mesmo e provocando uma onda e balançar do barco, para a qual já estávamos avisados.
A curiosidade da baleia deveria ser igual á nossa e por isso ela presenteou-nos com várias vindas á superfície, mesmo junto de nós.

Aí dei comigo a pensar no pouco que sabia sobre este enorme animal e como afinal era tão fácil arpoá-lo, como faziam os primeiros caçadores de baleias.
O problema vinha a seguir pois o animal sentindo-se ferido, arrastava os pequenos barcos, fazendo mortos ou heróis os que conseguiam manter-se arrastados até á exaustão do animal e depois então matá-lo (muitas lendas foram publicadas sobre estas aventuras).

Este rápido pensamento despertou em mim uma nova sensação de carinho por um animal, como nunca tinha sentido antes por qualquer outro.
A imagem das suas passagens, de lado, à frente e por debaixo do barco, aparecendo depois mesmo junto de nós, como a querer beijar-nos provocou-me uma nova sensação de amor, por mais um irmão que vive e depende da nossa mãe comum “ A natureza”.
Senti a sua solidão naquele mar imenso mas também o conforto do amor ao filhote que a acompanha e ao ser humano que a visita.

Cada mãe faz por si e pelo seu filhote. E isto cada vez mais coloca o ser humano ao nível destes animais que, irracionais, terão eventualmente a vantagem de não sofrer os efeitos da solidão, da falta da partilha da forma de viver, do que vê, do que sente e como o sente.
publicado por siuljeronimo às 16:30
link | favorito
2 comentários:
De augusta.clara a 4 de Outubro de 2010
Que lindo texto e que experiência extraordinária deve ter sido essa, Luís Rocha. Ainda faz doer mais saber que ainda não se conseguiu acabar de vez com a caça às baleias. É um dos atentados contra animais que mais me custam.
De Andreia Dias a 4 de Outubro de 2010
Que inveja, Luís... compreendo perfeitamente o que sentiu com as baleias porque já o senti com outros animais. Tenho uma parvoíce idiota de dizer que só morro quando vir os bichos que tenho numa lista. Claro que dessa lista constam golfinhos e baleias. Já estive em vários locais para observar cetáceos e incrivelmente nunca os vi na natureza! Será normal!? Vivi 1 ano nos Açores, estive 9h consecutivas no canal do grupo central onde toda a gente vê golfinhos, estive nas Canárias onde há uma comunidade de baleias residentes e toda a gente viu golfinhos quando fui dentro do barco buscar 1 livro, paguei a uma empresa de observação de cetáceos em S. Miguel(devolveram-me o dinheiro porque nesse dia não apareceram), estive na Escócia no local mais procurado para ver golfinhos do Reino Unido, tinham passado há meia hora... ou seja, não posso morrer ainda :-). Guarde muito bem essas memórias...certamente servirão para sorrir quando as recorda...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links