Segunda-feira, 6 de Dezembro de 2010

Sempre Galiza! - Síntese do reintegracionismo contemporâneo (28), por Carlos Durão

coordenação de Pedro Godinho

Síntese do reintegracionismo contemporâneo (28)
  por Carlos Durão

(continuação)

Mário Herrero Valeiro: “Na Galiza vivemos num paradoxo: existe uma língua que ninguém está obrigado a conhecer, mas que deve ser escrita de uma forma determinada, com as letras doutra língua que é de obrigado conhecimento, mas que ninguém obriga a escrever de uma forma determinada. Paradoxos da democracia" (2006, 85/86: 268); “O português da Galiza está ameaçado de morte, condenado ao extermínio, mas as elites políticas da terra firme ao Sul parecem preferir a companhia, economicamente rendável, dos exterminadores, internos ou externos” (1993, 29-34: 145); “Reintegracionismo. Defende que não existem critérios linguístico-estruturais suficientes que permitam falar de uma língua galega independente do português” (2009, I: 118).

Isaac Díaz Pardo: “O problema da língua está sujeito ao domínio ou entrega dos nossos recursos, o que nos obrigará a falar no idioma de quem tenha a propriedade deles. E este sim que é o verdadeiro problema para a nossa língua porque os que têm estabelecidos os seus poderes aqui e agora som sipaios, som entregadores a troços da Galiza ao domínio forâneo” (2008: 95).
Celso Álvarez Cáccamo: “É evidente que na Galiza actual as únicas tentativas de quebrar o mercado linguístico espanhol são as que provêm do luso-reintegracionismo [...] A opção luso-reintegracionista implica, não um questionamento do funcionamento básico da língua como padrão de troco e mecanismo de selecção social no capitalismo, mas uma ré-territorialização (a ampliação desse mercado), que subleva perigosamente a linha dos estados-nação (o Reino de Espanha e a República de Portugal) [...] As posições luso-reintegracionistas e isolacionistas estão ancoradas estrutural e diferencialmente no processo (económico-social) de produção de saber” (2003, 73/74: 11-13); "O galego e o português sempre foram a mesma língua, desde as suas origens no território da Gallæcia até a sua diversidade actual por vários continentes" (2002). "A reivindicação do nome "galego" para o galego-português da Galiza não deve obscurecer o facto de este galego ser essencialmente português, a par do brasileiro, o moçambicano, o lisboeta ou outras variedades, correspondam estas a países inteiros, regiões, grupos sociais, etc." (2003); “a ditongação do [õ] + [N] em [ãw] não é alheia tampouco, intrinsecamente, à tendência fonética interna dos dialetos galegos, pois é fruto tanto da analogia quanto da nasalação. Poderia chegar a dar-se também na Galiza sistematicamente? Por que não? Tudo dependeria de (a) uma pronúncia habitual e uma ortofonia que mantenha a nasalação do "o" (frente à alveolarização castelhanizante do segmento "m" final, que reduz a nasalação, [teson] em lugar de [tesõN], onde N = nasal velar); e (b) o grau de exposição, a travês dos meios de comunicação, a modelos ortofónicos que ditongam” (2008).

Miguel Cupeiro Frade: “Se os portugueses escrevem cantaram ou cantam, como o pronunciamos
nós, por que não podemos escrever cantarão ou estão, como o pronunciam eles?/ O uso
complementar de -m e til não corresponde melhor aos falares portugueses, nem sequer ao padrão
oral português, do que aos falares galegos. Pelo contrário, é altamente satisfatório para todos./ Isso
mesmo acontece, aliás, com o conjunto da ortografia portuguesa atual. Ela é largamente fonética,
mas não completamente, baseando-se na nossa tradição medieval e procurando supradialetalismo.
Estas circunstâncias é que explicam que essa ortografia, globalmente, responda tão bem às
pronúncias galegas, mesmo quando há leves diferenças fonéticas” (2009, I: 270).

Alexandre Banhos: “A nossa língua, o português, que assim é conhecida internacionalmente”
(2008, 65).

Ernesto Vázquez Souza: “Tenho claro que o grande erro do reintegracionismo, a remora destas últimas duas décadas, é não ter sido roturista com o estadual/institucional... / Ter pretendido debater ideias e consensuar estratégias sentando-se a debater sem ter poder... absurdo. Primeiro é que tinha de ter poder./ Mas em realidade esta é a remora do nacionalismo ou do galeguismo.../ Todos como idiotas temos caído na trampa tendida pelo pinheirismo de sacrificar as nossas trajetórias, vidas intelectuais pelo bem da nação, da língua ou do galeguismo, calado, tolerado e suportado atitudes, gentes, felonias, misérias... por causa de crermos que existia um conjunto e que havia que chegar a um consenso... / Depois de 30 anos de fracassos, purgas constantes, sacrifícios, voluntarismo, esforços tremendos por parte das pessoas sem recompensa... não há nada. [...] há gentes divididas e desanimadas... ocupando pequenas e ridículas parcelas de poder intelectual subalterno./ Mas foi um erro consensuar... não é verdade que mereça a pena tratar de se sentar a debater para chegar a acordos... a nós vai-nos muito melhor, sem dobres linguagens, sem falsas tolerâncias, sem concórdias que só servem para que outros explorem o nosso trabalho, ideias e iniciativas.../ E vai-nos melhor, porque nós TRABALHAMOS. E trabalhamos bem, estruturando com ideia de futuro e projetos, medindo os poucos recursos e tempo, querendo e considerando as críticas” (http://www.pglingua.org/foros/viewtopic.php?f=1&t=2031&p=30170#p30170, 31 outubro 2010)

Vítor Meirinho Guede: “Mostrando-se ser a língua dos galegos e dos portugueses a mesma” (2003, 73/74: 124).

Fernando Venâncio: “«Galego» e «Português» são dois nomes para uma mesma língua. /os galegos exprimem-se, também eles, numa ‘norma’ própria, a ‘norma’ galega do nosso comum idioma./Seria de todo impossível chamar às três normas ‘normas de português’? Impossível não seria. Mas, a ser isso possível, seria incomparavelmente preferível chamar-lhes ‘normas de galego’. Não digo que devesse. Digo só que era, das duas alternativas, a mais óbvia, a mais defensável. É que foi na Galiza que o nosso idioma se formou e ganhou as feições que, hoje ainda, o distinguem de qualquer outro” (2007): «Tambén não se insistirá na questão, entre todas magna, de serem galego e português um ou dois idiomas. Para o autor deste trabalho, eles são variantes dum só e mesmo idioma. Ou, reduzindo a questão ao essencial: todas as estruturas que distinguem galego e português das outras línguas românicas, têm-nas eles em comum. No presente estudo, ‘galego’ e ‘português’ designarão, pois, duas normas, diferentes e marcadíssimas.» (2007, 3: 27); “For now, what is my opinion on this issue? Well, I state that Galician and Portuguese are the same language. I base this opinion on structural grounds. Indeed, all important phonological, lexical, morphological and syntactic features of Galician and Portuguese – that is, the features in which they differ from any other Latin language – are common to both” (2006); “Considero que galego e português são, ainda e sempre, o mesmo idioma. Mas considero, igualmente, que essa identidade, sendo verdadeira, não é óbvia. Por isso trabalho em conseguir demonstrá-la (2008); «Na Galiza a minha língua chama-se galego» (2006, 172).

(continua)
publicado por estrolabio às 10:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links