Quinta-feira, 8 de Julho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra


Manuela Degerine

Capítulo XLII

Décima segunda etapa: da Mealhada a Águeda

O momento de calçar as botas é doloroso. Tenho seis bolhas mas são as primeiras, maiores e inchadas, que mais me doem. Caminho de maneira bizarra. Maria avisa-me: cuidado, as tendinites aparecem assim, por caminhares numa postura incorrecta! O pior: o meu coração palpita. Caminho portanto devagar. Terei que interromper a caminhada? Teimo em tentar, ao menos, desta vez, chegar ao Porto. Mais três dias. Conseguirei?

Sem paciência para acompanhar o meu ritmo, Maria acelera e, mais adiante, senta-se à espera.

Durante todo o dia nos divertimos com um aviso que Gérard Rousse faz no resumo da jornada: Cuidado, ao chegarem a Águeda, logo a seguir à ponte, em baixo, à direita, avistam um café-residencial mas sigam em frente, pois este lugar de residencial só tem o nome e os quartos são usados para actividades que só de muito longe se podem relacionar com o Caminho...

Em Lisboa, sou obrigada a conviver, todos os dias, quando subo e desço a Almirante Reis, com o proxenetismo e o tráfico de droga mas, após a actividade frenética com que deparámos na Mealhada, não consigo imaginar em Águeda, onde – diga-se – nunca parei, a rua do Benformoso. Que actividades serão aquelas? Filatelia? Troca de cromos com os campeões das zonas Norte e Centro? Clube de xadrez? Cibercafé?... É verdade que nada disto se relaciona directamente com o Caminho de Santiago. Ficamos na expectativa.

Este percurso de 23 quilómetros também não é difícil. Alguns pinheiros e eucaliptos, algum campo, muito bonito e florido, no início do percurso, antes de Aguim; depois da Anadia, bastante alcatrão, pela rota dos vinhos, através de um habitat disperso, entre muros, caves de S. João, Quinta da Grimpa, uma zona industrial... E, antes chegarmos a Águeda, um linda Estrada Real.

A temperatura é amena e agradável. Quase não transpiro. Se não sofresse fisicamente, apreciaria a passagem por esta região.

Sentimo-nos ambas esgotadas quando chegamos a Águeda. Mal olhamos para o internacionalmente célebre café-residencial que, visto do exterior, não evidencia qualquer actividade singular; aceleramos na direcção dos bombeiros. Após alguma expectativa, pois estamos no dia 4 de Maio e começam a passar grupos de peregrinos na direcção de Fátima, os bombeiros acabam por nos dar guarida. A descansar nos beliches do dormitório encontramos dois franceses (que Maria conheceu em Coimbra) e um casal de peregrinos portugueses. Estes dormem agora pois, como quase todos os portugueses, caminham durante a noite pela N1.

Os franceses chamam-se Paul e Martine. Vêm de Lisboa, encontraram-se no início da viagem mas não caminham sempre juntos, pois Martine gosta de seguir no seu ritmo e fazer paragens frequentes em cafés. Lê Mémoires d’Hadrien de Margueritte Yourcenar, pergunta-me onde poderá comprar livros franceses.

Martine percorre há seis anos os Caminhos de Santiago – e, pormenor que não tranquiliza, mostra-me duas bolhas. Paul, nos últimos dez anos, seguiu também várias vezes o Camino Francés e diversos outros caminhos de Santiago através da Espanha. Acham o Caminho Português particularmente difícil, pela falta de albergues e sinalização. Queixam-se da poluição; é verdade, até chegarmos a Santarém, mesmo no campo, o chão é lixo, o odor desagradável e não vemos uma gota de água transparente. Tudo isto criou neles um acentuado sentimento de exotismo. Martine pretende que em Coimbra, na pousada da juventude, foi picada por percevejos. Explico-lhe que, apesar das aparências, do lixo e da poluição, não se encontra no Terceiro Mundo. Eu fui picada por percevejos na Índia, na China, até no Brasil – em Portugal, nunca. E ela terá sem dúvida sido picada por melgas – o que é diferente!

Paul faz todos os dias, quando chega ao albergue, alguns exercícios de yoga, para repousar os músculos. Só me resta o mínimo de força para tomar duche, comer um pouco de fruta, beber um pouco leite, escrever linha e meia no diário – e deitar-me. Congratulo-me com este pormenor, que representa um progresso: continuo com as seis bolhas. Os vinte e três quilómetros de hoje não me agravaram o estado dos pés. Bom sinal.

O meu coração continua a palpitar, não consigo adormecer de imediato; depois, a pouco e pouco, o ritmo cardíaco normaliza-se e adormeço profundamente. Nem oiço os portugueses que, às duas da manhã, quando se preparam e arrumam as bagagens, acordam os outros.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito
1 comentário:
De carlos loures a 8 de Julho de 2010
Manuela, só de ler as tuas crónicas, tão realistas, bem escritas, vividas, já me estão a aparecer bolhas nos pés... A tua escrita desenvolta e bonita, não é surpresa para mim. É-o a pertinácia, que te reconhecia, mas que não sabia ser tão forte. Caramba, ir a pé a Santiago, ainda que em etapas! Espero que dê um romance (estas crónicas são mais de meio caminho andado. Até no sentido literal). Bela série de posts, Manuela. Não perco um!

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links