Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine

Capítulo XLIII

Décima terceira etapa: de Águeda a Albergaria-a-Velha

Quando, às seis horas, o despertador toca, embora ainda cansada, acordo com mais energia (e, nesta repetição que me alegra, sendo verdade e não sonho: hoje também não vou dar aulas). Maria, em contrapartida, despertada às duas da manhã pelos peregrinos de Fátima, teve dificuldades em adormecer.

Duche, pequeno-almoço, múltiplas arrumações na mochila e incessantes desarrumações à procura de algo. Último cuidado: unção dos pés com vaselina. E estamos prontas. (Já passa das sete; Paul e Martine partiram há meia hora.) Surpresa, quando calço as botas: não consigo dar um passo. Se na véspera percorri 23 quilómetros a coxear, agora sou incapaz de persistir durante um metro. A incompatibilidade dos pés com as botas atingiu o insuportável.

Sento-me. Quase todos os problemas têm resolução. Não é?... Trouxe um par de crocs para o duche. E se experimentasse caminhar com eles? Maria opina logo que, embora a etapa seja curta, é impossível percorrer os 16 quilómetros que distam de Albergaria-a-Velha com aquilo nos pés. Também duvido mas, na realidade, não vejo outra alternativa. Impõe-se portanto tentar. E, se não for possível, regresso a casa. Paciência... Mais uma interrupção nas Novas Viagens. Ou – começo a tentar consolar-me – só no Caminho de Santiago uma vez que, tendo permanecido em Paris durante tantos anos, as viagens na minha terra se prolongarão em Lisboa.

Se em Setembro e Novembro não me incomodou regressar a casa por, com ou sem bolhas, não ter disponibilidade para prosseguir a viagem, agora sinto a interrupção, de alguma maneira, como um fracasso: não serei capaz de continuar?

O inconveniente desta tentativa de adiamento do problema é agora, por consequência, para além de tudo o que trago na mochila, as barritas, o diário, as quotidianas bananas, a minha completa impedimenta, impor-se eu carregar também com as botas na mochila, mais quilo e meio que, a partir dos primeiros dez quilómetros, se transformam, ignoro por que prodígio, em quinze. Parece-me...

Começam as brincadeiras. A Manuela com as botas na mochila é um cavaleiro que leva o cavalo ao colo. A Manuela não carrega com a cruz mas com as botas. Et caetera. Aguento com estoicismo. E eu própria me rio. (Tenho razões para isso: sinto os pés confortáveis. Mas... Até quando?)

Na saída de Albergaria-a-Velha encontramos um casal de alemães que vendeu quanto possuía na Alemanha para comprar uma quinta perto de Coimbra: a casa dos nossos sonhos, declara a Marlene com um sorriso, onde têm muitas árvores, uma grande horta e até dois burros. Falam bem português. Caminhamos juntos durante um bocado, depois eles avançam ou ficam para trás. Alternamos, ao longo do dia, os encontros com eles ou com Paul e Martine.

Os alemães eram professores mas ele reformou-se por sofrer de artroses e hérnias discais que o haviam paralisado. Melhorou entretanto muito, diz ele (e quem sou eu para pôr isto em dúvida?), graças a um regime alimentar vegetariano, sem leite, ovos, carne ou peixe. Não obstante uma melhor condição física, reduzem agora as bagagens ao máximo, comem as bananas onde as compram e nem sequer trazem saco-cama. Estamos em Maio, há-de fazer calor; concordamos nisto todos. Eu lamento a estupidez de vir com uma capa, polainas e impermeável. Claro que na Galiza há-de haver uma ou outra chuvada, o que não justificará o esforço de carregar com tanto peso durante tantos quilómetros. Quando avistámos os alemães, ainda antes de lhes falarmos, já Maria e eu havíamos notado que a proporção entre os corpos e as mochilas deles não é, nem de perto nem de longe, comparável com a relação entre os nossos corpos e as nossas mochilas. Eu sou uma fraca figura, Maria é tão baixa quanto eu, embora mais forte, a cada passo, temos que mover uma montanha: a mochila.

Continuamos a atravessar uma região de povoamento disperso, nunca nos sentimos no campo, há casas e fábricas, também não é cidade, há hortas e pomares. O tempo mantém-se ainda quente mas agradável para caminhar. As pessoas mostram-se acolhedoras, inquirem com frequência para onde vamos, intrigadas por seguirmos na direcção oposta a Fátima e, quando explicamos que para Santiago de Compostela, há sempre um instante de silêncio. Uma senhora com quem converso – Maria adiantou-se – insiste em me oferecer duas laranjas.

Conto a Maria, ela resmunga:

- Simpática, simpática...

E confia-me que, na véspera, em Águeda, telefonou ao namorado e, no fim, a dona do café, que ouvira a conversa, lhe lançou:

- Quando você voltar, já ele arranjou outra!

Acabamos por nos rir. Ninguém fará comentários a Paul, que também deixou a mulher em casa: a igualdade de direitos entre homens e mulheres não chegou aqui. Desta distinção vem o pasmo com que nos olham, não situando o prodígio em seremos capazes de enfrentar as dificuldades – relativas – do caminho mas em a família – e os vizinhos – nos deixar viver esta aventura. Aliás, tantas vezes, me têm perguntado: E não tem família?... Traduzo sempre: a família deixou-a vir?

Mas a Espanha será assim tão evoluída? Na província francesa, em algumas regiões, não é muito diferente. E, progressivamente, isto mudará. Há a Igreja, eu sei, mas também há a televisão e, através dela, entram os modelos sociais urbanos pela província dentro. A formação escolar e a autonomia económica dão hoje às mulheres mais meios para se defenderem. Acredito nesta mudança.

Perto de Lamas do Vouga atravessamos uma comprida ponte romana numa zona inundável. Toda a região é verde, tem água abundante, campos de milho e árvores de fruto.

A sinalização é por aqui das mais incertas. Os alemães esperam por nós na ponte romana, incapazes de decidirem para que lado seguir, após uma busca cuidadosa de setas amarelas, esperando que o meu roteiro os possa orientar; pode, de facto. Paul e Martine, mesmo com o roteiro, perdem-se no fim da etapa, quase em Albergaria, perguntam a um automobilista, o qual não fala francês, o homem rabisca algo na folha do roteiro com a ajuda do qual eles tentam explicar a situação, de súbito o homem rasga o papel e arranca, provavelmente para ir perguntar mais adiante. Encontramo-los perplexos, à beira da estrada, incertos se devem ou não esperar. Por pouco o homem tinha levado o roteiro sabe-se lá para onde...

Parece-me evidente, pelo que Gegê diz: devemos atravessar e seguir em frente. Seguimos juntos. E, com efeito, daqui a pouco, reconhecemos o percurso descrito. Isto tranquiliza-nos e, em vez de atentarmos no caminho, começamos a conversar.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 9 de Julho de 2010
Estou no meio do pinhal, Manuela, sem computador, este é emprestado aqui na tasca. Mas vou ler tudinho...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links