Domingo, 6 de Junho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine


Capítulo XI

Etapa 4: Literatura de viagens

Quando a digressão entra num texto é como o bicho dentro da madeira: vai roendo. Pois... Agora interrogo-me sobre a relação entre a viagem e a literatura.

A literatura de viagens conta viagens, eu sei, até frequentei na faculdade de letras uma cadeira com este tema. Estudámos naquele ano, é claro e inevitável, Os Lusíadas, a História Trágico-Marítima, a Peregrinação... E fiz um estudo comparativo entre Traços do Extremo Oriente de Venceslau de Morais e um texto de Camilo Pessanha sobre os chineses.

A literatura de viagens vai – nas minhas leituras – do Satiricon a Na Patagónia (Bruce Chatwin), passando por muitas obras francesas e, nos últimos anos, até por algumas crónicas publicadas em revistas. E volta sempre ao Almeida Garrett, que continuo, de vez em quando, a ler, não por obrigação profissional, a profissão de professora de português em França passou a excluir os textos literários, considerados agora pouco acessíveis – o que só por si já diz muito sobre o ensino. Leio as Viagens por gosto: para me rir. (O A. é, entre outras qualidades, um interlocutor divertido.)

O narrador de Viagens na Minha Terra fala pouco dos espaços que atravessa, no entanto hoje, para mim, a Azambuja continua ainda a ser o lugar de onde o pinhal se mudou. Não só mas também. Um espaço é, entre outras definições possíveis, a soma das evocações, das imagens, dos delírios que inspirou. E o Almeida Garrett descreveu pouco mas delirou muito à volta dos lugares por onde passava. Enriqueceu-os, portanto.

Eu vivo no mundo poluído e apressado do século XXI, escrevo num computador, publico agora na Internet... E sou uma mulher. Como é que isto – e tudo quanto sou para além disto – se vai manifestando nestas Novas Viagens? Interrogo-me sem querer, por ora, encontrar respostas.

Caminheiro, não há caminho: faz-se o caminho a andar.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 6 de Junho de 2010
É como remar. Abre-te mar que vai aqui um homem( no caso uma mulher)

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links