Sábado, 21 de Agosto de 2010

No Espaço VerbArte um festival de poemas ao cair da tarde

Adão Cruz

A tarde declina


A tarde declina
suavemente
como o lento caminhar de uma nuvem.
A tarde declina
para o fundo escuro da noite
mas os olhos ainda prendem
a nudez viva de um sonho
perdido num campo de violetas.
Ainda resta
uma fugaz tremulação de água
no desértico medo
e na secura
do lento caminhar do fim da tarde.
A tarde declina
para onde não há outra manhã
de corpos apertados e corações tão perto.
Ainda resta a luz branca
e compassiva
que ilumina a imagem
dos olhos que não morrem
e a ilusão de um carinho
no lento declinar do fim da tarde.

Marcos Cruz

Tardinha


A tarde calma tem um encanto infinito. Transforma-se em noite, como todas as tardes, mas dentro de mim mantém-se tarde e arde num brando lume sem fim. Olhem para a de hoje, a pousar o seu manto etéreo com arejados requebros de medusa. Ela insinua-se e a sua chama chama-me como se a cada segundo se fosse apagar, mas eu, que já a conheço, porque a trago na alma desde a primeira tarde, sei que isto é uma dança como a que mantenho com o tempo desde que o tempo perde tempo comigo.

Josep A. Vidal

Ocaso


Esperaste, ao cair da tarde,
a sinfonia de um doce crepúsculo,
a explosão de luz, a diáfana plenitude,
a serenidade que antecede a noite,
com o olhar seguiste o espaço,
perderam-se-te os olhos no infinito,
e escutaste a brisa deslizando entre os ramos
como o escandir de um verso de metro antigo,

Não há mais nada. Aqui acaba o caminho.
Detém o andar e acalma o teu espírito.
Semicerra os olhos. Guarda dentro de ti a tarde,
o céu, a luz, o subtil resplendor
deste poente que lentamente avança
de um esplendor para o nada. Princípio e fim.

(Versão em português de Carlos Loures)

Adão Cruz


No silêncio da tarde

Daqui te escrevo
Onde o mar não existe
Onde as mãos do silêncio
Não tardam a entrar
No silêncio da tarde.
Daqui te escrevo
Nesta tarde de silêncio
Onde a memória da tarde
Arde em silêncio
No mar das tuas mãos.
Daqui te escrevo
Onde o deserto é imenso
E a sede do teu mar
Cresce em silêncio
No silêncio da tarde
Onde não tarda o silêncio
Do mar das tuas mãos.
Daqui te escrevo
Onde o mar não existe
E o deserto é imenso
No silêncio da tarde.
Daqui te escrevo
Daqui te escrevo
Desta tarde sem fim
Onde arde a cidade sem mar
E o deserto sem cidade
Onde arde em silêncio
Na tarde das tuas mãos
Todo o silencio da tarde
publicado por Carlos Loures às 19:30
link | favorito
5 comentários:
De Luis Moreira a 21 de Agosto de 2010
Um espaço belíssimo, onde se guarda "todo o silêncio da tarde" nas tuas mãos, o ocaso onde acaba o caminho, uma dança que mantenho com o tempo desde que o tempo perde tempo comigo.Uma maravilha !
De adão cruz a 21 de Agosto de 2010
Luís, não esqueçamos o mérito do Carlos Loures e a sua sensibilidade para compor estes conjuntos e estes espaços. É admirável! Ele consegue retirar das coisas muito mais vida e sentido.
De Luis Moreira a 21 de Agosto de 2010
Adão, tens toda a razão. O Carlos é o melhor compositor que se pode arranjar e faz mais, trava os meus desvarios...
De carlos loures a 21 de Agosto de 2010
O mérito é por inteiro dos poetas e do pintor,´O Espaço VerbArte começa a dar frutos.
De maria monteiro a 22 de Agosto de 2010
O mérito é mesmo de todos aí desse lado. Conseguem encaixar lindamente todos os saberes. Parabéns.

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links