Quinta-feira, 29 de Julho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra-

 Manuela Degerine

Capítulo LXIII
Décima sexta etapa: em Vilarinho (conclusão)

Uma das finlandesas percorreu no ano passado o Caminho Francês. Perguntam como é nos bombeiros, inquirem qual o meu roteiro, mostram o delas, em inglês, com partes traduzidas em espanhol; concluo que Gérard Rousse é, de longe, mais completo.

Por volta das sete, ouvimos bater à porta; as finlandesas abrem. São três caminhantes. Explicam-lhes que o abrigo está cheio. Continua a chover com força. Os peregrinos devem vir molhados e em Vilarinho não há pensões; têm portanto ou que ir a Vila do Conde ou que continuar até ao próximo albergue, em Rates, que fica a doze quilómetros. Verdade é que, mesmo no chão, com tanta tralha, falta espaço para tantos.

Entretanto eu escrevi e agora, sem ainda dormir, começo a descansar. Acentua-se a intensidade da chuva. Voltam a bater à porta, as finlandesas voltam a abrir; é mais um caminhante. Aqui dentro o número de pessoas já ultrapassa o número das camas. Repetem elas, porém ele insiste:

- Só preciso de espaço para estender o saco-cama. E de um duche...

Berram todas ao mesmo tempo:

- Não há água quente!

- Não preciso de água quente...

- Não?!

Soltam uma gargalhada e deixam-no entrar. Alto, moreno, aparenta uns quarenta anos. É italiano e vem de Ravena. A finlandesa mais nova torna-se de supetão toda risonha, oferece-lhe logo batatas fritas, quase empresta o objecto prodigioso e, após concílio em finlandês, propõe os colchões de espuma que aqui estão para os viajantes supranumerários. Ela dormirá com a mãe no beliche.

Em seguida concentram, como podem, as bagagens no espaço entre os beliches – o italiano consegue instalar as botas, a mochila e o saco-cama entre os beliches e a bancada. E vai tomar um duche frio. Depois conta que chegou ontem de Ravena, esta manhã visitou as caves do vinho do Porto, começando depois já tarde a caminhada.

- Gostava que provassem uma especialidade da minha região.

Tira do saco uma placa de torrão com hóstia.

- Partam bocadões muito grandes, por favor, para amanhã eu ir mais leve!

- Como se diz amêndoa em italiano?

- Mandorla.

Eu acho delicioso, a finlandesa gorda acha calórico, o italiano sublinha que, para caminhar, precisamos de energia e, dali a pouco, concluídas as apresentações, apagam-se as luzes – preveni que o despertador toca às seis.

Com esta densidade humana num espaço tão reduzido: está afinal calor. E eu, na cama superior do beliche, quase a tocar no tecto, com toda a roupa seca vestida: transpiro. Vou despindo as camadas exteriores: continuo a transpirar. Quando é que senti calor pela última vez durante a noite? Creio que em Coimbra. Já não estou habituada.

Talvez por isso, agora não durmo. A finlandesa mais gorda parece um trombone desafinado e, por volta das quatro horas, parece que nos despejam uma barragem para cima do telhado – chego a temer uma enxurrada.

Já não volto a adormecer. Por isso, às seis horas, fecho o saco-cama e a roupa seca na mochila, visto a roupa molhada – e saio. Ainda bem que nos dormitórios tenho o cuidado de arrumar tudo antes de me deitar: hoje seria impossível partir sem deixar metade dos necessários bens. As finlandesas ainda dormem. O italiano, incomodado com os roncos, levou as bagagens para a rua – está a arrumar a mochila. Despedimo-nos:

- Boa viagem!
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 30 de Julho de 2010
O meu sobrinho namorou com uma Filandesa e trazia-a cá para casa.Grande e gorda, e mais tarde racista.

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links