Segunda-feira, 12 de Julho de 2010

Insones, noctívagos & afins - O conde Drácula

Woody Allen


Algures na Transilvânia, Drácula, o monstro, jaz adormecido no caixão à espera que a noite caia. Como a exposição aos raios solares lhe causariam, por certo, a morte, ele protege-se na câmara orlada a cetim, com o nome da família gravado a prata. Quando o momento da escuridão chega, através de algum instinto miraculoso, o Demónio emerge da segurança do seu esconderijo e, assumindo as abomináveis formas do morcego ou do lobo, vagueia pelos campos, bebendo o sangue das vítimas. Por fim, antes que os primeiros raios do seu arqui-inimigo, o Sol, anunciem um novo dia, regressa sem demoras à segurança do caixão escondido e dorme. O ciclo recomeça.

Ei-lo que começa a mover-se. O estremecimento das pálpebras é uma resposta a um qualquer instinto remoto e inexplicável que lhe diz que o Sol está prestes a ocultar-se e que é chegada a sua hora. Esta noite, sente-se particularmente esfomeado e enquanto permanece deitado, agora completamente desperto, com a capa e o casaco de Inverno debruados a vermelho, à espera de sentir, com misteriosa percepção, o preciso momento da escuridão antes de abrir a tampa e sair, decide quais vão ser as vítimas da noite. O padeiro e a mulher, pensa de si para si. Suculentos, disponíveis e insuspeitos. Pensar no incauto casal, cuja confiança tinha cuidadosamente cultivado, excita febrilmente o seu desejo de sangue e quase não consegue aguentar os últimos segundos antes de trepar para fora do caixão em busca da presa.

Subitamente apercebe-se de que o Sol se pôs. Como um anjo do Inferno, ergue-se com rapidez e, transformado num morcego, voa atabalhoadamente em direcção à casa das vítimas que longamente esperara.

- Conde Drácula, que bela surpresa – diz a mulher do padeiro, abrindo a porta para o deixar entrar.

(Tinha de novo assumido a forma humana, quando entrou na casa, dissimulando com charme os seus objectivos rapaces.)

- O que é que o traz cá tão cedo? – pergunta o padeiro.


- A nossa combinação para jantar – responde o conde. – Espero não me ter enganado. Convidaram-me para jantar esta noite, não foi?

- Sim, esta noite, mas não dá para sete horas.

- Desculpe? – inquire Drácula, olhando em torno, embaraçado.

- Ou veio para ver o eclipse connosco?

- Eclipse?

- Sim, o eclipse total de hoje.

- O quê?

- Alguns momentos de escuridão desde o meio-dia até dois minutos depois. Olhe pela janela.

- Oh! Oh! Estou metido em trabalhos.

- Hem?

- E agora, se me dão licença…

- O quê, conde Drácula?

- Tenho de ir andando…mm… Oh, meu Deus… - Freneticamente, apalpa o puxador da porta.

- Já vai? Acabou de chegar.

- Sim, mas… penso que fiz mal…

- Conde Drácula, está pálido.

- Estou? Preciso de um pouco de ar fresco. Prazer em vê-los…

- Venha. Sente-se. Vamos beber um copo.

- Beber? Não, tenho de me apressar. Eh, está-me a pisar a capa.

- Claro. Acalme-se. Um pouco de vinho.

- Vinho? Oh!, não, deixei de beber; o fígado e todas essas coisas, sabe. Tenho mesmo de me despachar. Lembrei-me que deixei as luzes do castelo acesas; a conta vai ser enorme…

- Por favor – diz o padeiro abraçando o conde com firme amizade. – Você não está a incomodar. Não faça cerimónia. Portanto veio mais cedo.

- Na realidade gostava de ficar, mas há um encontro de velhos condes romenos na cidade e eu sou o responsável pelas carnes frias.

- Sempre com pressa. É um mistério como não arranja um ataque de coração.

- Sim, tem razão. E agora…

- Estou a fazer pilaf de galinha para esta noite – badala a mulher do padeiro. – Espero que goste.

- Esplêndido, esplêndido – diz o conde, sorrindo enquanto a empurra para cima da roupa suja. Então, abrindo por engano a porta do armário, entra. – Jesus, onde é que está o diabo da porta da rua?

- Ah! Ah! – ri a mulher do padeiro. – Que homem divertido que é o conde.

- Estava à espera que gostasse – diz Drácula, forçando um sorriso amarelo. – Agora deixem-me passar. – Enfim abre a porta da rua, mas o tempo tinha-o ultrapassado.

- Oh! Olha, mamã – diz o padeiro -, o eclipse deve ter acabado. O Sol está a aparecer outra vez.

- Exacto – diz Drácula, batendo com a porta da rua. – Decidi ficar. Baixem as persianas depressa, depressa! Mexam-se!

- Quais persianas? – pergunta o padeiro.

- Não há nenhumas, certo? Imaginem. Têm uma cave?

- Não – diz a mulher afavelmente. – Estou sempre a dizer ao Jarslov para fazer uma, mas ele nunca me dá ouvidos. Sabe lá como é o Jarslov, o meu marido.

- Estou a sentir-me mal. Onde é o armário?

- Já fez essa, conde Drácula. E a mamã e eu achámos muita graça.

- Ah, que homem divertido que é o conde.

- Olhem, vou para o armário. Batam às sete e meia.

- E com estas palavras o conde entra para o armário e bate com a porta.

- Eh! Eh! Ele é tão engraçado, Jarslov.

- Oh, conde. Saia do armário. Deixe-se de disparates. – Do interior do armário chega a voz abafada do Drácula.

- Por favor, palavra de honra. Deixem-me ficar aqui. Sinto-me bem. A sério.

- Conde Drácula, deixe-se de maluqueiras. Já estamos fartos de rir.

- Posso garantir-lhes, adoro este armário.

- Sim, mas…

- Eu sei, eu sei… parece estranho, e no entanto aqui estou eu em grande. Dizia justamente, um dia destes à senhora Hess: «Dêem-me um bom armário e eu sou capaz de ficar lá dentro durante hora.» Deliciosa mulher, a senhora Hess. Gorda mas deliciosa… E agora porque é não se vão embora e discutimos isso ao pôr do Sol? Oh, Ramona la da da di da da di, Ramona…

- Eis que chegam o presidente da Câmara e a mulher, Katia. Estão de passagem e decidem retribuir uma visita aos bons amigos, o padeiro e a mulher.

- Olá, Jarslov. Espero que eu a Katia não incomodemos.

- Claro que não, senhor presidente. Venha, conde Drácula! Temos visitas!

- O conde está cá? – pergunta o presidente surpreendido.

- Está e adivinhe onde – diz a mulher do padeiro.

- É raro vê-lo por aí tão cedo. De facto, nem me consigo lembrar de o ter visto de dia.

- Pois bem, está cá. Saia, conde Drácula!

- Onde é que está? – pergunta Katia, sem saber se havia de rir ou não.

- Saia agora!, vamos lá! – A mulher do padeiro começa a ficar impaciente.

- Está no armário – diz o padeiro apologeticamente,

- A sério? – pergunta o presidente da Câmara.

- Vamos lá – diz o padeiro, trocista e bem humorado, enquanto bate na porta do armário. – Já chega. O presidente da Câmara está aqui.

- Saia lá, Drácula – grita Sua Excelência -, vamos beber um copo.

- Não, vão-se embora. Tenho aqui que fazer.

- No armário?

- Sim, não estraguem o dia por minha causa. Eu consigo ouvir o que dizem. Vou ter com vocês se tiver algo a acrescentar.

Entreolharam-se e encolheram os ombros. O vinho soltou-se e todos beberam.

- Um pouco de eclipse hoje – diz o presidente da Câmara, beberricando no copo.

- Sim – concorda o padeiro. – Incrível.

- Sim. De meter medo – diz uma voz de dentro do armário.

- O quê, Drácula?

- Nada, nada. Deixe.

E assim o tempo passa, até que o presidente da Câmara já não suporta mais e, forçando a porta do armário, grita:

- Saia lá, Drácula. Sempre pensei que você era um homem com maturidade. Pare com este disparate.

A luz do dia entra, fazendo guinchar o monstro demoníaco, que lentamente se dissolve num esqueleto e depois em pó diante dos olhos das quatro pessoas presentes. Inclinando-se para o monte de cinzas brancas no chão do armário, a mulher do padeiro grita:

- Isto quer dizer que cancelamos o jantar desta noite?



Woody Allen (Nova Iorque, 1935), grande actor, escritor e realizador norte americano, dispensa qualquer apresentação. Este conto é extraído da colectânea Getting even, editada em 1966. O título escolhido para a edição portuguesa foi Para Acabar de Vez com a Cultura.


A tradução é de Jorge Leitão Ramos e a edição da Livraria Bertrand (1981).
publicado por Carlos Loures às 01:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links