Sábado, 2 de Outubro de 2010

O Orçamento é uma espécie de confessionário.

Luis Moreira

O Orçamento tem como parceiro natural o PSD diz o PS sem se rir, da mesma forma que os parceiros naturais do PS nas eleições são o BE e o PCP .O PS precisa de um parceiro para, naturalmente, arcar com as medidas neoliberais e anti-populares que aí vêm e quem melhor do que quem lhe pode tirar o poder?

O relatório da OCDE não é bem o que por aí anda nos jornais e na boca dos PS, é bem pior, como a despesa é muito inflexível, vai-se pela receita, mais impostos, o que vai arrefecer a economia ainda mais, quando a economia da Alemanha cavalga a 4% nós nem aos 1% chegamos. Se tivéssemos o trabalho de casa feito, podíamos agora beneficiar com as exportações para a Alemanha, mas como não fizemos, andamos a sonhar com o TGV e o aeroporto, outros beneficiarão.

O trabalho de casa era ter dado prioridade às PMEs, como toda a gente aconselhou o governo, que são quem exporta, quem cria postos de trabalho e as que mais rapidamente se acomodam às novas condições. Infelizmente, as políticas económicas foram dirigidas para os bancos, para as empresas publicas e para os megainvestimentos, deixando para segundas núpcias os investimentos de proximidade.

O Orçamento é a confissão dos pecadores, já não podem esconder mais os pecados capitais, trava-se o TGV, o aeroporto, os contentores de Alcântara pagam milionárias indemnizações , as locomotivas já não vêm, e os submarinos andam debaixo de água a ver se a gente se esquece das comissões...

Por mim,para além das avés marias da praxe, levavam com o FMI...

PS: já depois do texto escrito o governo anunciou as medidas que jurava que nunca faria. Não há almoços grátis!
tags: , , , ,
publicado por Luis Moreira às 13:30
link | comentar | favorito
2 comentários:
De Luis Rocha a 2 de Outubro de 2010
Independentemente dos parceiros (partidos) e das medidas que de facto são impopulares, na prática quem arca com elas é o povo e não os partidos ou quem os representa, dado que o seu único objectivo (de todos) é ter ou participar do poder.
Pessoalmente entendo que deveriam de ser tomadas medidas mais corajosas, que tivessem como objectivo o médio longo prazo e não apenas os próximos 6 meses, como me parece ser o objectivo das anunciadas (O Fundo de Pensões da PT é para já, com o único objectivo de tentar cumprir as imposições de Bruxelas quanto ao defice no final de 2010).
Se a pretensão fosse de médio/longo prazo as medidas a tomar deveriam quanto a mim ser principalmente as seguintes:
- Não alteração da taxa de IVA, dada a economia paralela que se prevê e de que não vão resultar grandes receitas para o Estado;
- Criar um imposto ou taxa especial extra (taxa de crise), sobre todos os rendimentos obtidos:
salários públicos e privados, reformas, capitais e outros.
Haveria assim equidade social na cobrança de um Imposto ou taxa que se aplicaria a todos e que reverteria, com menos fugas, para o efectivo aumento das receitas públicas.
O Estado anuncia a redução dos salários e reformas do sector público.
Ao mesmo tempo diz estar a preparar legislação para propor alteração da Lei do Trablaho sobre esta matéria, por forma a que as entidades privadas possam fazer o mesmo.
De facto estes políticos não fazem "o trabalho de casa" e vão abrir um precedente que, como sempre, protege o capital e é um grande retrocesso nos direitos dos trabalhadores. Afinal o Estado vai dar ao capital a possibiliddae de fazer o que quiser e os trabalhadores vão ter de aceitar o que lhe quiserem dar.
Reduzir os salários dos trabalhadores é um atentando contra os seus direitos. A criação de um imposto extra ou taxa de crise,não deixaria de ser anti-popular, reduziria de facto o rendimento dos trabalhadores, mas tratandio-se de um imposto ou taxa o valor cobrado seria receita do Estado e poderia ser revisto ou mesmo anulado, quando as condições económicas o permitissem.
Como se anuncia a situação vai ser diferente. Os trabalhadores passarão a ganhar menos e toda e qualquer revisão futura das suas remunerações, terá sempre como base o valor que agora passam a receber.
O Imposto extra ou taxa de crise, como entendessem chamar-lhe seria mais justo em termos sociais porque se aplicaria a todos sem excepção e teria, acreditando que a crise não pode manter-se eternamente, um fim há vista.
Quanto ás despesas e investimentos do Estado há que reduzi-las á realidade das nossas possibilidades, começando por exigir um respeito total pelo cumprimento dos orçamentos e objectivos definidos, como se faz nas empresas privadas que são bem geridas.
De Carlos Mesquita a 2 de Outubro de 2010
Nesta fase do campeonato, aos partidos da oposição e ao governo não restam nenhumas iniciativas, apenas olhar para a conjuntura e contabilizar perdas e ganhos de votos.
Os remédios são importados, impostos, inevitáveis, e provavelmente ineficazes para cicatrizar o mal nacional que não é dos governos (apenas) mas de toda a sociedade.
A análise que vale a pena fazer, em minha opinião é; até que ponto as medidas tomadas serão recessivas. O corte do investimento público é o maior problema, pior que viver com menos dinheiro é não ter dinheiro nenhum para viver. Os "megainvestimentos" são trabalho para as PMEs, o TGV em Espanha foi relançado em todas as linhas, veja-se o que Obama está a fazer nos EUA.
A redução do salário no sector privado não é uma necessidade, podem reduzir a massa salarial acabando com postos de trabalho. Esse é um problema no "público", que a Espanha já não tem salvo erro há 2 anos, lá pode-se dispensar trabalhadores do Estado.
A Alemanha arrancou e a Espanha vai arrancar porque não liquidaram o sector produtivo. Os portugueses foram na léria do país de serviços e altas tecnologias, continuam a importar mais do que produzem; ainda bem que há governos para arcarem com as culpas.

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...
Sera que não vai sair do roupeiro? ? E a roupa fic...
Hoje entrou uma para o meu roupeiro e não a consig...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...
Para todas as suas necessidades de financiamento p...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links