Domingo, 28 de Novembro de 2010

Para Sempre, Tricinco ALLENDE E EU - autobiografia de Raúl Iturra - (12)

(Continuação)

Tanto, por 53 Bateman Street, a casa onde morávamos e que pertencia a minha Faculdade do Trinity Hall, onde criamos às nossas filhas, Paula e, mais tarde, Camila, essa filha que conheci no aeroporto de Gatwick. Foi gerada em Talca, num ataque de paixão entre a minha mulher e eu, nesses tempos conturbados do Chile, na época de Allende, quando o golpe de Estado, relatado já, estava a ser preparado e andámos todos por sítios diferentes para poder-nos sustentar. Nasceu comigo no exílio, no Hospital de Talca, a 6 de Janeiro de 1974. Soube a notícia no dia do meu aniversário, vários dias depois do alumbramento da nossa filha. Era difícil se comunicar com o Chile. Um telegrama foi enviado à Universidade de Essex e o meu antigo colaborador, nesses dias o meu hóspede, chegou com o seu alegre sorriso: “Raúl eres un chancletero”, palavra chilena castiça que significa ser capaz de engendrar apenas mulheres, o que se esperava era sempre um filho, para perpetuar o nome e a sucessão familiar.

Nunca tive um, o que era mal visto por todos, porque era suposto às mulheres irem à cozinha na vida rural, de onde nasceu o Chile – que em Quechua é pais do frio, mas em Aymará significa o confim do mundo...! Digo do campo, após pesquisar a origem do conceito chancletero: as mulheres rurais usam sapatos denominados chanclos , que em português é tamancos, o que indica a origem rural do país: chanclos e tamancos ou socos, são usados para trabalhar no campo, donde, quem apenas tem filhas, engendra moeda de troca para as casar com um homem que saiba trabalhar e fique em casa, como vi que acontecia nas vilas e aldeias por mim estudadas, Vilatuxe ,Galiza, Espanha, Vila Ruiva, Beira Alta, Portugal, e Pencahue, Talca, Chile. Excepto no Chile, nunca descobri uma palavra especial para designar ao homem que apenas tem filhas, a pesar das minhas intensas pesquisas. . Bem mais o que interessa é dizer que por causa do exílio, não assisti ao nascimento da nossa segunda filha. Ao nascer, a minha mulher escreveu uma carta, carimbada pela DINA, já referida, na qual solicitava ficar no Chile com as nossas filhas. Como era evidente, disse que não! Fiz mal, a minha mulher estava bem no Chile pós Allende, tinha dinheiro e pensava que a ditadura era questão de meses e a sua família era da parte do Ditador, como a minha. Digo fiz mal, por ter obrigado a uma Senhora a viver pobre e tratar da casa, cozinhar, sem serventes em casa, como estava habituada, o qual a deprimiu. Essa depressão causou a ruína do nosso casamento! Não era a sua falta, o exilado era eu, ela nunca alinhou com a UP, apesar de ter claro o projecto Socialista, que defendeu muito bem, no exílio. Mas, cansou-se por causa de mim. O interessante, nesta parte da minha história, é acrescentar apenas que perdemos a morte do meu pai, que nós ia- visitar a Cambridge, a da sua mãe, que passava todos os verões connosco para evitar o rigoroso inverno de Santiago do Chile. E que eu aceitava, mas devia evitar os desencontros ideológicos a acontecer à mesa do almoço e do jantar. O meu Senhor Pai estava feliz por ter o seu filho em Cambridge University, era todo o que lhe interessava saber. Se nós fazíamos ou não propaganda contra a Junta que dizia governar o nosso país, não lhe era interessante. Apenas passou a ser interessante para ele o que no Chile real acontecia, no dia que foi levado a declarar perante militares....na SUA FÁBRICA! Estava surpreendido por causa de ter aderido a ditadura antes de esta existir. Não queria um Chile socialista, que tirava das suas mãos a parte de indústria dele e a outra dos Norte-americanos. Como era sempre evidente para ele, a culpa era minha por estar a falar contra a ditadura no estrangeiro. Convocou-me ao telefone e mandou parar qualquer actividade minha contra o seu governo. Para o tranquilizar, consenti, mas, nunca parei. O exílio era a minha obra política, causado estragos dentro de nós e partido a família de acima abaixo. Desfeito o nosso convívio solidário a nossa calma paz do lar!. Foi assim que eu tive que conhecer a Camila no aeroporto: ou saia já, ou era morto. A minha mulher, a chorar, abraçou-me e chorou e disse: “Si tienes necesidad de outro amor allá afuera, no tengas cuidado, yo no me enojo”. Eram palavras de amor no minuto da angustia. Eu sabia ser fiel, apesar dela nunca o acreditar, como as nossas filhas. Paciência! Já com sessenta e muitos anos e tantas doenças, apenas cabe-me esperar que a justiça seja feita na cabeça e alma das minhas filhas. Porque de ser minhas, que são minhas, é uma verdade que não tem opção, eis o que as amo, tudo tem sido para elas, sempre!, o meu tempo de trabalho. Aprender fazer comida, especialmente o bolo que sempre gostaram, denominado marble cake, que em português seria o bolo de mármore, mármore por ser branco entremeado com cor de chocolate, bem como o pão quente para comer ao regresso do nosso habitual passeio para a vila de Granchester, a milha e meia de distância ca cidade de Cambridge, quilómetro e meio, contado a partir da nossa casa de Bateman St. Normalmente perguntava eu às pequenas, no tempo que na Grã-bretanha ia entrar no sistema métrico ou para medir distâncias terrestres, tratar do dinheiro, contar, pesar, assim aprendíamos todos os sistema denominado vulgarmente métrico ou decimal, que em ciência, como está referido na nota de rodapé anterior, é denominado internacional . A nossa paragem obrigatória era a casa de Meyer Fortes e a sua mulher Doris, que ficava no caminho, onde Camila jogava aos berlindes com Meyer e ganhava sempre, nunca soube se o nosso amigo deixava-se ganhar ou era ela quem, de facto, sabia destes brinquedos. Na escola, era aficcionada às berlindes e em casa também onde no seu quarto tínhamos instalado esse e outros jogos, que ela sempre ganhava! Esta a nossa filha, foi sempre programada, ordenada, arrumada na sua pessoa, mas nunca nas suas coisas! Era quase impossível entrar ao seu quarto, estava sempre para se arrumar! De manhã, estava sempre de mal humor, à tarde, já era outra. Normalmente, eu entrava nas suas camas, as 7 da manhã, para as acordar docemente, primeiro a Paula, a seguir, Camila. Paula, com paz e calma, com senhorio, diria eu, costumava dizer: “It’s fine, Dad”, ao cantar para elas uma canção doce para as acordar um lullaby ou canções de embalar em Portugal, mas de manhã eram canções doces e simpáticas, para as acordar. Camila sempre dizia, com raiva: “go away, let me sleep!” Conforme o temperamento delas ao acordar, fazia desenhos na casca do ovos escalfados do pequeno almoço: se Camila estava de bom humor, eu desenhava um sorriso, se chorava, o desenho era uma boca amargurada e lágrimas a escorregar dos desenhados olhos, e assim conseguia mudar o humos das pequenas! As nossas caminhadas a Granchester acabavam sempre perto das 13 horas, hora do almoço, minuto no qual metíamos ao forno pães para acompanhar a comida e a nossa alegria de estarmos para sempre juntos! Lindas e simpáticas lembranças que guardo não apenas na minha memória, bem como nos meus sentimentos, até o dia de hoje, formas de agir que transferi aos nossos netos, sem licença dos pais, Paula e Cristan, ou os van Emden, que eu bem gostava serem Iturra, mas...mulher inglesa casada com um neerlandês ou holandês, como se diz vulgarmente, acaba por ser do mesmo nome do marido! Dai a ideia na sociedade machista da América Latina, de denominar chancleteiro ou outros nomes, a pessoa masculina ao não gerar varões entre os seus descendentes. É como o caso que analisei em Vila Ruiva, sítio estudado por mim durante bastos anos, com a História de Vida de Joaquim dos Santos Fernandes, denominado Beato ao ter feito uma promessa para ter um filho e não apenas raparigas, como aconteceu nos quatro nascimentos anteriores, bem como pelo o seu nome, dos Santos, e, ainda, por ser sacristão da Igreja Católica local, essa, que no dia do meu aparecimento em Vila Ruiva, perguntei, antes de nada, se o edifício tinha ou não um sino electrónico a tocar o Ave Maria de Fátima, esse que não deixa dormir! Não havia, foi replicado, mas, antes de sairmos de ai, em 1989, o dito emissor foi instalado..., para o nosso desmaio, ou pelo menos, para o meu... . Se o Joaquim estiver no Chile, não seria Beato, seria Chancleteiro! Aliás, um chancleteiro temido. Tinha, e tenho, o hábito de cumprimentar as pessoas de sítios pequenos que, de certeza podem-me conhecer, e, para não ser mal criado – a minha memória de faces e terrível, tenho que situar a pessoa para saber quem é – cumprimento, saiba eu ou não se eles sabem de mim. Pelo que, a mulher do denominado Quim Beato, esse sacristão mulherengo que gosta de fazer transitar as suas faltas a outros, a Dona Arminda, disse-me um dia: “Senhor Doutor, sei que faz isto por amabilidade, mas era melhor não meu falar na rua, o meu marido é ciumento e bate em mim...” Fiquei espicaçado, não por mim, bem como pela senhora. Pensei qual era o melhor momento para falar com todos eles e apresentei-me uma noite em casa deles, onde fui atendido de forma fraternal e amável. Foi-me oferecido, para começar, vinho –o Quim era esse Sacristão que até bebia o vinho usado na celebração da missa católica –mas, como aprendi nos meus prolongados trabalhos de campo ao longo de 40 anos, nunca aceitei beber álcool. Não bebia nem bebo, apenas um chá. Como em Vilatuxe, Vila Ruiva ficou alagada com esse, para mi, repelente e diurético chá Lipton em sacos, pelo que mudei para o refresco Sumol, que ainda bebo às noites. Mas, a D. Arminda não estava sempre presente, devia servir, para esto era a mulher da casa. Tivemos um desencontro com a família Beato no dia dos tempos livres, esse dia do matrimónio de uma saga inventada por nós para entreter crianças e retirar dados da sua memória doméstica, cena na qual Susana era noiva e teve que ser maquilhada para tal: batom, rímel, unhas encarnadas com verniz vermelho e o vestido de noiva, todo relatado no livro escrito por mim e relatado quer no mesmo, quer no muito mal vendido editado pela Profedições em 1998, e lançado em Compostela, referido por mim antes, ao comentar que fiz essa apresentação na Galiza, por ser a terra da personagem central do meu livro, Herminio Medela, e porque a Galiza é parte dessa Espanha que mandou deter ao antigo ditador do Chile, que, como era habitual em ele, andava em Londres e o Juíz Baltazar Garzón da Corte de Apelo de Madrid, enviou de imediato um Auto de Apelo para submeter ao velho ditador a prisão pedido de detenção preventiva ao Ministro da Justiça Inglês, Jack Straw. Foi no dia da sua detenção que a nossa filha Camila telefonou para me dizer: “Dad, watch BBC World Service” esse dia lindo para nós, esse dia em que foi votada na Câmara dos Lordes o retiro da impunidade do ditador, para ser julgado como criminoso de guerra. Foi esse do dia, essa primeira vez, que marcou História, esse 25 de novembro, quando os lordes da lei, por três votos contra dois, resolvem que Pinochet não goza de imunidade soberana que lhe reconhece a Alta Corte de Londres. de 1998. O livro referido era um livro quente, foi-me entregue pelo meu editor e muito estimado Amigo, José Paulo Serralheiro, Presidente do Sindicato dos Professores do Norte, ainda no comboio que me levava para a Galiza, com o meu novo passaporte de ser outra vez chileno. O livro, pelo título, não foi muito vendido, muito embora os entendidos dizem ser o melhor escrito por mim até hoje. Fiz uma segunda apresentação com o meu outro eterno amigo, José Mattoso e o meu querido já falecido amigo e colega no Mestrado na Universidade do Porto, o Prof. De feliz memória, Steven Stoer, a 20 de Janeiro de 1999, dia do meu aniversário. Dia em que a que denomina minha filha Portuguesa, minha querida amiga Anabela Lopes de Vila Ruiva, hoje Professora de Segundo Ciclo, que participou no livro com uma testemunha escrita reproduzida no texto, ofereceu-me uma foto aérea da Vila de Vila Ruiva, a me observar no meu estudo, todos os dias, enquanto trabalho, é dizer, o dia todo. E vice-versa: levanto os olhos, velho Vila Ruiva e as minhas forças renascem. O livro tem um péssimo título, mas o editor aceitou e eu não consigo fazer tudo! O Como era quando não era o que sou. O crescimento das crianças , é um texto crítico das formas de ser em Vilatuxe revistada 25 anos depois, de Vila Ruiva, sempre sob a minha observação, e de Pencahue, estudado por mim, desde que fui permitido entrar ao Chile, após 35 anos de exílio. Daí também, Para Sempre Tricinco, parte do título do texto que estou a escrever estes dias.
Por acaso, tenho-me esquecido de defender a Darwin e Marx, com Teilhard de Chardin? Não, é que a memória é imensa e muito elástica: tanto estou com Allende, tanto com o ditador, as vezes as minhas filhas, sempre a minha mulher, e um grande eu no meio, preâmbulo para passar ao Jesuíta Pierre Teillhard de Chardin .
As ideias centrais de Teilhard de Chardin, vinculavam criação divina com evolução do pensamento humano. O seu pensamento seria difícil de entender, se não entendermos o que diz do sentido da evolução: “Há uma necessidade de conceber um Criador inteligente para criar seres inteligentes e não o conceito de uma sequência espontâneas de mutações aleatórias com a sobrevivência dos mais aptos, como a visão de Darwin.” Retirado do texto citado em nota de rodapé. Mas, não apenas esta ideia. Também, Chardin fala de leis do pensamento universal e do sentido da evolução, no seus textos sobre o fenómeno humano, mais uma vez, citado em nota de rodapé. Desde os seres vivos unicelulares até os seres vivos multicelulares, há uma flecha que regula a Evolução e essa flecha é o eixo de Complexidade-Consciência. Quanto mais um animal é complexo, tanto mais ele é consciente. No caso do Homem, ele é o mais complexo em estrutura física e também o mais consciente ser vivo da Natureza, porque seu cérebro vem se desenvolvendo desde o cérebro primitivo do peixe, seguindo o ramo dos mamíferos, depois o dos grandes primatas e finalmente o dos seres humanos - os mais complexos e os mais conscientes seres vivos da Terra. É a primeira lei de Theilhard de Chardin, da qual derivam-se outras, que o leitor pode visitar na página web, que passo a citar em nota de rodapé. O Jesuíta não tentava juntar agua e azeite. Acontecia que, além de teólogo, era paleontólogo e situado na Ásia, na China e outros sítios que permitiam entender a evolução do denominado Homo Sapiens, desde onde foi retirado e transferido a Nova Iorque, com uma obra apenas publicada a seguir a sua morte.
Naturalmente, os texto de Chardin são a versão teológica da teoria darwinista da evolução, mas, ao debater com Darwin, ao qual este autor não se opõe, vai criando uma nova teoria, que tem a mesma sorte da Teologia da Libertação. Dai que Marx disse-se em 1848, que a religião era o ópio do povo . Ópio, não para atacar as confissões: Marx tinha sido Católico e Saint- Simoniano, católico ardente, apenas que, a seguir, mudou e esqueceu, excepto nos textos sabidos contra os Bauer, conhecido por todos nós e que não vou referir mais. Mas, no Manifesto Comunista, Marx e Engels, Anglicano confesso, falam do ópio do povo por causa das pessoas receberem mentiras e não realidades, ou, pesquisas escondidas para eles.
De facto, perante a teoria da evolução, as Igrejas sentiram, a necessidade de reagir. Uma das primeiras, foi a Católica Romana, proibindo a leitura do livro, uma reacção muito característica do Vaticano que, no meu ver, apenas incrementa o desejo de ver o texto por parte dos membros da dita igreja universal, daí, católica, que em português e em outras línguas, tem o significado referido, de ser a única e universal Igreja do mundo. Se não lembro mal, Allende, como eu, ateus, respeitávamos os credos e a fé, a prova é a existência referida antes, do movimento cristãos para o socialismo. Mais uma prova também é a divisão do meu partido MAPU, uma, por causa de rivalidades de chefia: o MAPU de Jaime Gazmuri, e o de José Garretón, ambos deputados eleitos quando o MAPU era apenas um partido, e uma divisão mais séria, quando o Ministro de Agricultura de Allende, o meu querido amigo Jaques Chonchol , afastou-se do MAPU e entrou no grupo político, a denominada Izquierda Cristiana , hoje Partido que apoia aos Socialistas que Governam ao País, em conjunto com outras forças da Antiga Esquerda. No tempo da Unidade Popular, era preciso guardar os valores cristãos dentro do projecto socialista, valores que estavam em risco de serem absorvidos pelo materialismo histórico dos partidos da esquerda, como o PC chileno, o tradicionalmente laico Partido Radical que Manuel António Matta fundara em 1850, com ideias tomadas da Sociedade da Igualdade que Bilbao e Lastarria, como comento ao começo deste livro, fundado no Século XIX, e o próprio Partido Socialista do Chile, sem religião e parte do Movimento Maçónico do Chile. No entanto, o Chile é um País abertamente católico, com a maior parte da população a pertencer à dita confissão. No entanto, os cristãos apoiavam Allende dentro dos seus partidos ou em movimentos de inspiração religiosa. Allende estava a fazer os que os Presidentes Católicos nunca antes fizeram: justiça social, repartição e redistribuição da riqueza, entregar os bens de produção aos produtores, como tenho referido antes.


Notas:

Dou conta destes facto e outros, nos meus livros: Antropologia Económica da la Galicia Rural, 1988, Xunta de Galiza, Espanha. Bem como em outras publicações, citadas na Net, sítio: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Ra%C3%BAl+Iturra+Antropologia+Econ%C3%B3mica+de+la+Galicia+Rural&btnG=Pesquisa+do+Google&meta= Antes, ainda, em: 1980: Stragies of Development in Galicia, NW Spain, in CUP, Cambridge, para saber mais, consulte o sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Ra%C3%BAl+Iturra+Publications+in+Cambridge+University+Press+1980&btnG=Pesquisa+do+Google&meta= Também refiro em outros textos meus em português e Castelhano. Ver sítio net referido nesta nota de rodapé.
A Grã-bretanha usava e usa o sistema denominado Imperial para a medida de distâncias, e não o denominado vulgarmente métrico ou internacional, como é referido pelos cientistas. Informação proporcionada a mim pela a minha amiga a Magister em Metrologia, Professora Eduarda Corte Real de Filipe. Para saber mais sobre sistemas de metrologia, ver o sítio net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Sistema+m%C3%A9trico+sistema+decimal+na+contagem+terrestre+de+dist%C3%A2ncia&btnG=Pesquisa+do+Google&meta= ou a página web: http://br.geocities.com/ommalbatahan/umapcri.html ,bem como para saber mais da Magister Eduarda Filipe, ver a página web: http://www.spmet.pt/1encontro_SPMET_1024.htm ou sítio net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Eduarda+Filipe&btnG=Pesquisar&meta=
No sistema imperial de medições na Grã-bretanha, uma milha, a distância é assim: Para a milha terrestre o valor é equivalente a 1.609,34 m. Retirado da página web: http://scholar.google.com/scholar?q=+1+milha+%C3%A9+igual+a+quantos+quil%C3%B3metros&hl=pt-PT&um=1&ie=UTF-8&oi=scholart
A história de vida da família Fernandes, pode, é referida por mim no meu livro da editora Fim de Século: O Imaginário das crianças. Os silêncios da cultura oral, já citado. A filha desta família, Susana, fez o papel de noiva nas brincadeiras na escola, ou denominado Tempos Livros, que fazíamos durante o verão a minha equipa de pesquisa e eu, para observar à distância as famílias e os seus afazeres e comportamento dentro de casa. Na 1ª edição de 1987, ver genealogia página 157, na 2ª, corrigida e aumentada, página 165. Texto e comentários do mesmo, possível de ver no sítio net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Ra%C3%BAl+Iturra+O+Imagin%C3%A1rio+das+Crian%C3%A7as.+Os+sil%C3%AAncios+da+cultura+oral&btnG=Pesquisa+do+Google&meta= ou, como dizem por ai... na página web: No princípio dos anos 90, quando desenvolvia actividade de investigação em Sociologia
da Educação fui, na altura, surpreendido pela abordagem de Raul Iturra sobre a
instituição escolar, através da qual se procurava explicitamente fundamentar uma
Antropologia da Educação. Esta surpresa resultava de um modo de problematizar a
Escola que, do meu ponto de vista, punha em causa a abordagem sociológica da Escola,
onde era predominante a influência de Pierre Bourdieu e de Basil Bernstein.
Texto do Prof. Telmo Caria, da UTAD, no III Congresso Português de Antropologia, 2006, morada electrónica: http://home.utad.pt/~tcaria/actividades_interesses/APA_AEA.pdf e, ainda: http://www.freipedro.pt/tb/290600/soc9.htm
Raúl Iturra, 1998, Como era quando não era o que sou. O crescimento das crianças, Profedições, Porto. Para ver ideias sobre o livro, visite a morada net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Ra%C3%BAl+Iturra+Como+era+quando+n%C3%A3o+era+o+que+sou.+O+crescimento+das+crian%C3%A7as&btnG=Pesquisar&meta= Ou a pagina web, na qual o meu antigo discípulo Ricardo Vieira, hoje o meu tradicional amigo, o único a me visitar em casa, usa o texto para um texto dele, o que me honra imenso: http://www.aps.pt/cms/docs_prv/docs/DPR4628d8805d2bd_1.pdf
Pierre Teillhard de Chardin, Sacerdote Católico da Companhia de Jesús, Ordem fundada pelo hoje Santo Ignácio de Loyola, Santo Inácio de Loyola ou Loiola (31 de maio de 1491 — 31 de julho de 1556) foi o fundador da Companhia de Jesus, conhecida como os Jesuítas, uma ordem religiosa católica romana estabelecida com o fim de fortalecer a igreja, inicialmente contra o Protestantismo. Em 15 de Agosto de 1534 ele e os outros seis fundaram a Companhia de Jesus na Igreja de Santa Maria, em Montmartre, "para efectuar trabalho missionário e de apoio hospitalar em Jerusalém, ou para ir aonde o papa quiser, sem questionar". Em 1537 eles viajaram até Itália para procurar a aprovação papal da sua ordem. O papa Paulo III concedeu-lhes uma recomendação e permitiu que fossem ordenados padres. Foram ordenado em Veneza pelo bispo de Arbe (24 de Junho). Retirado da página web: http://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_de_Loyola A referência a Ignácio de Loyola, é apenas para contextualizar as “batalhas” de Pierre Teillhard de Cardin, quem fora o único em reagir com pesquisa provada, à Teoría da Evolução. A sua obra mias importante é O Fenómeno Humano, publicado póstumamente em 1955, como é narrado em: http://br.groups.yahoo.com/group/chardin/message/115 . A sua obra tenta compatibilizar o desenvolvimento da matéria com a Criação do ser humano pela Divinidade. No texto referido defende que: "Aparentemente, a Terra Moderna nasceu de um movimento anti-religioso. O Homem bastando-se a si mesmo. A Razão substituindo-se à Crença. Nossa geração e as duas precedentes quase só ouviram falar de conflito entre Fé e Ciência. A tal ponto que pôde parecer, a certa altura, que esta era decididamente chamada a tomar o lugar daquela. Ora, à medida que a tensão se prolonga, é visivelmente sob uma forma muito diferente de equilíbrio – não eliminação, nem dualidade, mas síntese – que parece haver de se resolver o conflito." (Teilhard de CHARDIN, O Fenómeno Humano), retirado de: http://pt.wikipedia.org/wiki/Teilhard_de_Chardin . É neste livro que defende a hipótese seguinte: “Em seu pensamento, a evolução evidente do universo material, que parece esmagar o homem e sua consciência, visa, na realidade, a realizar a passagem da matéria ao espírito, do menos consciente ao mais consciente. O homem é o centro e a razão dessa evolução: sua alma o liga a
esse universo, que ela domina, a seus semelhantes e a seu fim último, que é Deus. Ciência e religião, longe de se contradizerem, conduzem ambas à perfeição intelectual”O texto citado não é gralha, está na língua lusa do Brasil. Por não ser um especialista em Teilhard de Chardin, vou sintetizar, retirando algumas ideias das suas obras, no texto central.



http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Pierre+Teilhard+de+Chardin+&btnG=Pesquisar&meta=
Para entender mais da obra do defensor de Darwin, é precisso visitar a página web: http://facultystaff.richmond.edu/~jpaulsen/teilhard/anoogen.html
Marx, Karl, Engels, Friederich, 1848, Paris: O Manifesto Comunista, on line no sítio net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Karl+Marx+O+Manifesto+Comunista&btnG=Pesquisar&meta=
Para saber mais de Jacques Chonchol, ver a sua entrevista no sítio Net: http://200.9.73.224/_boletin_CIDOC/B3/3_chonchol.asp ou no sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Jacques+Chonchol+Izquierda+Cristiana&meta= ou a página Web: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40141994000200016&script=sci_arttext , com o texto de Alfredo Bossi: “Jacques Chonchol. O Chile de ontem e hoje”, em: Estud. av. vol.8 no.21 São Paulo May/Aug. 1994. Ou a página Web: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Jacques+Chonchol++&btnG=Pesquisar&meta=

A crise estava instalada dentro de todos os partidos, por causa de querer avançar e não conseguir. Também, começa a diferença entre marxistas e cristãos. O MAPU referido, foi o mais afectado: o denominado de Gazmuri, era Marxista Cristão, o de Garretón, marxista-materialista, o de Jacques Chonchol, cristão com teoria marxista, mas orientados pela Igreja Católica, à qual ele e a minha eterna amiga e discípula, sua mulher Maria Edite Ferreira de Chonchol, pertenciam. Eram católicos de missa e comunhão e muito generosos. A casa deles era a minha casa em Paris, quando devia ir por causa de aulas o seminários no Collège de France, aos que Maria Edite assistia até me solicitar orientar os seus trabalhos de doutoramento e agregação na École des Hautes Études, onde eu também ensinava, desde Cambridge. Maria Edite era a minha amiga desde o dia que, 1972, visitou o nosso CEAC, como a Senhora do Ministro de Agricultura, para apoiar o nosso projecto e facilitar verbas para a nossa pesquisa e a nossa Escola de Camponeses, esse atrevido projecto nosso, ao pensar que era possível juntar a agua com o azeite. Os estudantes ditos normais, batiam nos estudantes rurais, até eu impor uma certa ordem entre os estudantes jóvens, apelando aos seus valores cristãos de solidariedade, que, talvez, fosse a minha própria ideia ao trabalhar com os mais desvalidos da nossa sociedade. Em esse tempo! Em Paris comentávamos isto e pensávamos que tínhamos sido idealistas, ideias que teriam feiro fracassar o projecto socialista de Allende. Hoje em dia, 2008, já não penso assim. As minhas ideias são mais de analise com o método materialista histórico do que eram antes, em Cambridge e Paris. Para saber mais, visite o sítio Net: http://www.istendency.net/pdf/chile.pdf , o texto de Mike Gonzáles, denominado “Chile 1972. Revolução e contra revolução” ou o sítio Net: http://www.google.pt/search?hl=pt-PT&q=Crises+do+Partido+MAPU+1972+Chile&btnG=Pesquisar&meta=
Iturra, Raúl, 1990 b):


(Continua)
publicado por Carlos Loures às 15:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links