Domingo, 30 de Maio de 2010

El Sol de Breda - Um livro que eu li

João Machado

Acabei de ler El Sol de Breda, escrito por Arturo Pérez-Reverte em 1998. A tradução portuguesa é de Helena Pitta, e foi editada pela ASA em 2007. É um livro de 180 e tal páginas, que se inclui na série de aventuras do Capitão Alatriste, personagem que o autor terá idealizado em conjunto com a sua filha Carlota. Pérez-Reverte nasceu em Cartagena em 1951, e foi jornalista e correspondente de guerra na Bósnia. Já publicou numerosas obras de ficção, como El Húsar, El Club Dumas, La Reina del Sur, La Carta Esférica, El Pintor de Batallas. É membro da Real Academia Española desde 2003.

As aventuras do Capitão Alatriste são romances de capa e espada, situados temporalmente no século XVII, no fim da chamada Idade do Ouro espanhola. Pérez-Reverte é obviamente admirador de Alexandre Dumas, mas o Capitão Alatriste é um sucessor em linha directa do Pardaillan, do corso Michel Zévaco (1860-1918), mais do que de D’Artagnan ou dos Três Mosqueteiros. Tanto quanto sei saíram até à data seis aventuras de Diego Alatriste y Tenório.

A acção deste romance passa-se na Flandres, durante o cerco de Breda (hoje uma cidade holandesa), durante as guerras religiosas entre católicos e protestantes, ou se se preferir, entre a Espanha e os Países Baixos. O espantoso quadro de Velásquez, A rendição de Breda (As lanças), foi sem dúvida um elemento de inspiração para o enredo desta aventura, havendo no fim do livro uma engraçadíssima nota de editor que fornece importante informação histórica, entrelaçada com pormenores deliciosos sobre as razões porque não se consegue encontrar o Capitão Alatriste representado no quadro. De resto, no livro cruzam-se os personagens saídos da imaginação do autor com personagens verídicos, desde o general italiano Ambrósio Spínola (1569-1630), chefe máximo das tropas espanholas e personagem central do quadro de Velásquez, até ao grande escritor Dom Francisco de Quevedo y Villegas (1580-1645) que Pérez-Reverte apresenta como amigo pessoal de Alatriste.



No conjunto do romance, são de salientar a força que o autor consegue dar aos seus personagens, mesmo os menos intervenientes, o que julgo que é uma das características que se encontram na sua obra em geral. A preparação técnica também foi excelente, como se pode verificar na descrição das acções militares. O conhecimento da história da época é enorme, transmitindo grande interesse à leitura.

Não consigo deixar de pensar, a propósito, que seria muito interessante fazer um levantamento dos romances históricos em Portugal, ou, talvez melhor dito, dos romances que se passam ao longo da história de Portugal. Temos, é certo, O Memorial do Convento, Eurico o Presbítero, O Alfageme de Santarém, etc., com certeza muitos outros, de qualidade desigual, claro. Alguém se lembra de um romance português de capa e espada? Deve haver, com certeza.



publicado por Carlos Loures às 18:00
link | comentar | favorito
4 comentários:
De carlos loures a 30 de Maio de 2010
Um romance português de capa e espada? «A Mantilha de Beatriz», de Manuel Pinheiro Chagas. É uma obra muito bem urdida e que nada fica a dever, nesse aspecto, ao que de melhor se fez no género. Há outras obras do género, mas esta para mim é a mais conseguida.
A série do capitão Alatriste é muito interessante - nela se reflecte a nostalgia do autor pelos tempos de uma grandeza do império que, tal como se diz na versão castelhana de «Lisboa antígua» sobre as serenatas -ya nunca volverán.
De Luis Moreira a 30 de Maio de 2010
Eu li tudo sobre a colecção da Emílio Salgari, sobre O Pirata vermelho e o Pirata negro,as guerras no mar e na floresta virgem. animais desconhecidos, aves raras, àrvores comedoras de homens. Que bela juventude tive eu agarrado a esses livros.
De João Machado a 30 de Maio de 2010
Obrigado pelos vossos comentários. Esqueceu-me efectivamente "A Mantilha de Beatriz". Haverá outros romances do género?
De carlos loures a 1 de Junho de 2010
Não sei se podmos considerar os romances de António Campos Júnior, pelo menos alguns deles, como de capa e espada - estou a lembrar-me de O Pagem da Duquesa,A Ala dos Namorados, A Filha do Polaco... São talvez mais «romances históricos». Depois há um livro do Lopes de Mendonça - Capa e Espada, mas são contos. O que havia eram peças de teatro onde as cenas de duelos à espada eram prato obrigatório - creio que há algumas do Marcelino Mesquita. Deve haver muita coisa escrita no século XIX sob a influência do Alexandre Dumas e não só. Não me lembro. Daria um estudo interessante.

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Sinto-me desesperado e desamparado quando fui enga...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
I was left in shock and depression after being dec...
DO you want to know how I recover from fake cr...
Olá a todos, Você precisa de serviços de hackers? ...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links