Terça-feira, 22 de Junho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra


Manuela Degerine

Capítulo XXVII

Liberdade fundamental

Tinha reservado uma viagem a Paris no dia 12 de Dezembro – passei o dia todo a ver as horas. Agora estava a registar a bagagem. Agora estava a embarcar. Agora estava no Orlybus. Agora abria a porta de casa...

Encontro-me fora da minha vida. De diversos pontos de vista. Fui roubada duas vezes num mês (uma na rua da Palma, no dia 20 de Outubro; outra em Queluz, no dia 22 de Novembro) e isto, mesmo em Portugal, parece excessivo.

Os polícias:

- Ah, se já foi assaltada, sabe que não pode trazer nada de valor...

Então neste país não se pode andar com o necessário? Eu, em Paris, durante tantos anos, nunca me interroguei: será que posso levar isto? Trouxe sempre o que me apetecia – equilibrava o peso e a necessidade. Nunca fui roubada. (E também não conheço ninguém que o fosse.)

O meu irmão, a propósito de tudo e de nada, exclama:

- Para seres atacada?! Não queres duas sem três.

Os meus amigos:

- Usas chapéus, roupas caras: chamas a atenção. Os ladrões correm todos atrás de ti.

Está visto que a culpa é minha. Alicio os ladrões. Até os que não eram, passam por mim: não resistem. Se eu continuasse a viver em Paris, os ladrões lisboetas andavam todos a trabalhar.

Então, para não serem atacados na rua, os portugueses estão condenados às calças de ganga sujas? Ou, para se poderem vestir a preceito, vêem-se confinados: dentro do carro, dentro de edifícios? Como no Brasil?

O Estado português não me garante a liberdade de poder circular pela cidade onde nasci e vivo. Ou a liberdade de ser quem sou.

Acabo por transigir: compro uma gabardina cor de burro quando foge, modelo saco de batatas. É o meu tapa-elegâncias. O meu uniforme português. Começo a compreender as mulheres que, nos países islâmicos, usam burkas para terem paz.

Não gosto do que a Minha Terra tem feito de mim.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 22 de Junho de 2010
Manuela, em Queluz qualquer um pode ser roubado basta estar num lugar mais ou menos deserto e parecer que vive em Paris :-) eu próprio, que vivo aqui nas Olaias e sou comprido e peso 80 Kgs já lá andei com a bandidagem a cercar-me.Na baixa há uma espécie de acordo. Diz a polícia, "podes roubar desde que não aleijes ninguem" e do mal ou menos...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links