Domingo, 15 de Agosto de 2010

António Campos – o bom selvagem

Carlos Loures

António Campos (Leiria, 29 de Maio de 1922 — Figueira da Foz, 8 de Março de 1999) foi um dos primeiros cineastas em Portugal a dedicar-se à prática do filme documentário, dentro do conceito de antropologia visual. Explorou o filme etnográfico, recorrendo às técnicas do cinema directo. Foi um dos elementos fundadores do movimento do Novo Cinema em Portugal. Foi um caso invulgar no nosso cinema, pela persistência com que, indiferente a êxitos e a inêxitos, prosseguiu na senda que para si mesmo traçou. Começando como Manoel de Oliveira, pelo cinema documental, raramente, ao longo do seu percurso, se afastou dessa via.

Nos anos 50, em Leiria, realizava pequenos documentários, por si custeados. Era praticamente desconhecido. Foi-me apresentado pelo Camilo Mourão, um amigo, professor da escola de Leiria, onde Campos trabalhava como funcionário administrativo. Escrevi crónicas sobre ele (publicadas quase todas no Jornal de Notícias) e dei pequenas ajudas, por exemplo, colaborando na elaboração do guião de “A Invenção do Amor” e integrando a equipa que foi a Vilarinho das Furnas fazer um primeiro levantamento, antes de a povoação ficar submergida pelas águas da barragem,



Quando pensou realizar «A Invenção do Amor», baseado no poema de Daniel Filipe, pediu-me e ao Guilherme Valente que lhe escrevêssemos um guião. Influenciados pelo clima distópico do «1984» , de Orwell, escrevemos um «roteiro» que Campos não seguiu integralmente; umas vezes porque as nossas sugestões implicavam meios de que não dispunha, outras vezes porque não estava habituado a seguir ideias que não fossem as suas. O resultado, tendo em conta as condições em que o trabalho foi feito, não foi mau. O realizador Fernando Lopes descreve como mostrou "A Invenção do Amor” a François Truffaut. "Ele veio a Portugal preparar o 'Peau Douce' e organizei uma sessão com o António Campos. E o Truffaut ficou maravilhado. Mostrei-lhe o primeiro filme do António de Macedo, o meu filme 'As Pedras e o Tempo' e o Truffaut disse: 'Pá, o que eu gosto é do António Campos." Embora em patamares de realização diferentes, usando meios, actores, cenários, de qualidades completamente diferentes, existem similitudes entre a «Invenção» e «Fahrenheit 451» ou «Grau de Destruição», o filme realizado por François Truffaut em 1966, a partir do romance homónimo de Ray Bradbury.

Quanto a Vilarinho, fez-me o mesmo pedido. Escrevi um primeiro rascunho desse guião, mas não fiquei com cópia. Ter-se-á perdido entre os papéis de Campos (e não se perdeu grande coisa). Lembro-me que a história da aldeia era narrada através dos olhos de um emigrante que voltava depois de Vilarinho desaparecer, recordando em flashbacks a aldeia como ela era. Mas o realizador optou depois por um documentário puro e simples. Era aquilo que gostava de fazer. A ficção não lhe estava no sangue, embora tivesse capacidade para enveredar por essa via, como provou com «A Invenção».

A partir dos anos 70, o escritório da editora onde eu trabalhava ficava num edifício da António Augusto de Aguiar, que deitava também para a Gulbenkian., o belo jardim da Fundação, era a vista das janelas do meu gabinete. Atravessando uma estreita rua estava no Centro de Arte Moderna onde havia um restaurante self-service. Muitas vezes almocei com Campos nesse restaurante. Falávamos de projectos que nunca chegámos a concretizar, porque ele nos deixou em 1999, mas também porque não gostava de trabalhar em equipa. Era um solitário, um bom selvagem, como o classificou Paulo Rocha.

Por seu turno, Fernando Lopes disse a seu respeito. "Ele viveu numa época particular em que o neo-realismo tinha muita importância - o Alves Redol, o Soeiro Pereira Gomes... São leituras que ele fez. Fizemos todos. Depois, cada um saiu para o seu lado."

António Campos saiu para um lado muito seu, criando um nicho especial dentro do documentário etnográfico, recorrendo à ficção, não como fim, mas como meio de explicar melhor o que pretendia. Não sei se a Cinemateca Nacional tem todos os seus filmes. Perder a obra de António Campos seria perder um elo na cadeia evolucionária do cinema português.

Um bom selvagem, de facto. Não fez concessões. Fez filmes.

publicado por Carlos Loures às 12:00
link | favorito
3 comentários:
De Luis Moreira a 15 de Agosto de 2010
Belo gabinete o teu a debruçar-se sobre o formoso jardim...éramos felizes...
De carlos loures a 15 de Agosto de 2010
É. O verbo auxiliar "Ser", quando associado ao substantivo feminino "felicidade", conjuga-se sempre no pretérito. Não é uma lei da gramática e, por isso, não há acordo ortográfico que possa mudar esta situação. "Saudade", "nostalgia", "dor de corno", são oa paliativos. Ou afogar a dor numa ginjinha, como aconselhava a Mariquinhas. Nunca tinha tido, nem voltei a ter, um gabinete tão bonito e invejado inclusivamente pelo presidente do conselho de administração.
De Luis Moreira a 15 de Agosto de 2010
É melhor a ginjinha.5ª feira já podemos ir ao sacrificio...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links