Sábado, 16 de Outubro de 2010

Noctívagos, insones & afins - Uma história antiga



Adão Cruz

A história é antiga. E a sua recordação foi-me trazida hoje à memória por uma outra, passada hoje mesmo comigo, um tanto ou quanto semelhante, mas menos interessante, algo incomodativa e até um pouco deprimente. Mas esta de hoje não a vou contar, pelo menos por agora. O café não é o mesmo, a época não é a mesma, a vida não é a mesma, as circunstâncias são diferentes e o objecto ou objectivo ou fim da história é diferente.

Foi há muitos anos, quando eu era estudante do segundo ano de medicina. Estava no velho Café Progresso a estudar, ainda me recordo, embriologia, a estúpida abordagem da embriologia de então, que nada tem a ver com as maravilhosas lições de Richard Dawkins. Estava sentado numa daquelas pequenas mesas quadradas, mesmo junto à porta que dava para a Travessa Sá Noronha.

Tinha pedido ao empregado um café e um brandy. Pouco tempo depois, um velhinho dos seus oitentas e tal, noventas, como não tinha lugar - as mesas estavam cheias de jogadores de damas e dominó – fez um gesto para se sentar na minha mesa, ao qual eu acedi com um discreto sorriso. Sentou-se, pôs a bengalita entre as pernas, cruzou as mãos e fitou os olhos lá para o fundo do café, talvez o seu único infinito.

Estava eu embrenhado na minha leitura, com o livro a uns quarenta e cinco graus em relação ao plano da mesa, portanto com um campo visual relativamente limitado, quando vejo a mão do velhote deslizar sorrateiramente pela mesa até ao meu cálice de brandy, fazer do dedo indicador uma espécie de gatilho, arrastá-lo suavemente até si, e, rapidamente, com notório trémulo, levá-lo à boca e sorver uma boa golada. Com o copo de novo em cima da mesa, iniciou delicadamente o trajecto inverso, fazendo-o deslizar suavemente e manhosamente até debaixo das costas do meu livro.

Procurei não olhar para ele, como é óbvio, pois de modo algum pretendia denunciar o seu gesto que me encheu de ternura. A vida tem coisas cuja dimensão de simplicidade, autenticidade e verdade é tão grande que as transforma em irradiantes e majestáticos fenómenos de coerência. Deitei, contudo, o rabo do olho para a sua cara e notei que a sua fisionomia denotava a satisfação de um golpe de mestre. Que bem me soube aquele brandy, mesmo sem lhe ter tocado!
publicado por Carlos Loures às 03:00
link | favorito
3 comentários:
De paxiano a 16 de Outubro de 2010
Que delícia esta ternura hoje já muito rara!
Fantástia história.
De augusta.clara a 17 de Outubro de 2010
Bingo, Paxiano!
De paxiano a 18 de Outubro de 2010
Até que enfim!... Tarde mas acertei.
Que diabo... não se pode errar sempre D. augusta clara!

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links