Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

Caetano José da Silva Souto-Maior, um alentejano na corte de D.João V e uma figura popular de Lisboa - 5

Carlos Luna

Segue-se um poema que não é de Caetano José da Silva Souto-Maior, mas sim de Francisco de Pina e Melo, elogiando o Escurial e o Panteão dos reis de Espanha. Tem interesse, porque Caetano José fará outro em relação com este.

Que intenta esta soberba arquitectura
com tão régio, marmóreo luzimento?
Se mostra aqui distinto o nascimento,
erra, que é tudo igual na sepultura.

Por mais que doure a face à morte escura
nunca há-de desmentir o monumento;
que vale o resplendor do fingimento
aonde existe a sombra da figura?


Quanto mais se mostrar engrandecido
maior espelho oferta à vaidade
vendo-se como é, não como ha(*) sido.


Pois de que serve a fúnebre deidade,
se ainda para objecto do sentido
primeiro está o horror que a majestade?
___________

(*) arcaísmo já pouco habitual no século XVIII.


Caetano José fez o seguinte poema como resposta:

Padrões dedica a infausta arquitectura
à majestade a cinzas reduzida,
que sempre da grandeza destruída
alguma parte nas relíquias dura.

Da régia dignidade a sombra escura
até no último horror "esclarescida",
se não chega a eximir do estrago a vida
pode honrar no diadema a sepultura.


Na urna o ceptro, melhorado o efeito,
faz com que triste advirta o peito humano
as cinzas, que se intimam no preceito.


Que importa pois que brilhe o jaspe ufano,
onde toda a vaidade é só respeito,
e é somente respeito o desengano?





Poema a uma dama que foi ingrata com o seu amante e que chorava muito
por o ver ofendido (nota: este poema não foi publicado no século XIX,
nem no XX, por ser considerado, sabe-se lá porquê hoje em dia, erótico!)

Tarde de ingratidão, Clori(*), despertas,
pois, trocando à piedade hoje o conceito,
se ofendeste com erros o meu peito,
sentindo os meus estragos, desacertas.

Vê que em mim podem ser penas mais certas
feridas d`alma, que, com nobre efeito,
o coração em lágrimas desfeito
pelos olhos te mostras sempre abertas.


Se entre chamas terríveis me arrebatam
de amor, e emulação ardentes lumes,
pouco, oh Clori(*), outras queixas me maltratam.


Erras, se morto acaso me presumes,
que imortal devo ser, poi não me matam
nem os teus olhos, nem os meus ciúmes.
________

(*) Clori: deusa grega das flores; significa "a mulher".

Soneto a uma dama "rigorosa", na qual se notam paixão e melamcolia.

Divina, Filis(*) bela, eu te agradeço
dos teus rigores a contínua instância,
que antes, meu bem, da minha tolerância
não merecia o mesmo, que mereço.

Se o meu pesar do teu desdém foi preço,
que adquiriu entre penas a constância,
não quero a dita, quero a só jactância
de que me deves tudo o que padeço.

Não tenho nem temor, nem resistência
aos males, a que o peito não repugna,
indistinta a paixão, e a paciência.


Hoje até a glória me será importuna,
e amor, que fez costume da violência
fará também desprexo da fortuna.
________

(*) Filis: mitologia grega, símbolo de amor com final  infeliz.


Soneto a uma dama que disparou um tiro (!!!!) contra uma imagem de
cupido, num acesso de despeito...amoroso, claro!

Do seio de Vulcano(*) um golpe ardente
dispara Filis(**) contra a seta(***) ervada,
de um Cupido, que deixa por cortada
alfaia inútil, se troféu pendente.


Mas não foi esta acção porque hoje intente
Filis(**) mostrar-se contra Amor irada,
foi saber se frustrara, estando armada,
golpe que o abismo teme, e que o céu sente.


Rendeu-se Amor ao tiro, e as armas logo
oferta a Filis(**) no mortal desmaio,
em que acha o rendimento desafogo.


Por que se veja no primeiro ensaio,
que se dos corações Amor é fogo,
das almas, e do Amor, Filis(**) é raio!
___________

(*) Vulcano: Deus do fogo entre os romanos
(**) Filis: mitologia grega, símbolo de amor com final infeliz.
(***)Atenção: em português, "seta" significa FLECHA !!!

Soneto dedicado a uma senhora que charava dias inteiros diante da
pintura da mãe, falecida há pouco.

Senhora, esse retrato, esse portento
tanta saudosa dor nunca alivia,
que a memória da amada companhia
não melhora, duplica o sentimento.


Lembrado, o bem perdido é mal violento,
e ofende essa pintura a fantasia;
Não pode ser remédio, é tirania
fazer parcial do dano o entendimento.


Fugi dessa belíssima aparência,
queo pranto justamente vos persuade
que as lágrimas faz crédito de ausência.


E o vosso amor, das cores na verdade,
há-de achar, para abono da impaciência,
a formusura unida com a saudade.

(Continua)
publicado por Carlos Loures às 09:00
link | favorito
Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Para as hemorroidas, resulta ou não?
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...
Potrebujete pôžičku alebo zaplatíte svoje účty ale...
Dostali jste se do nelehké finanční situace a nev...
Jestem osobą fizyczną oferującą pożyczki międzynar...
I got my already programmed and blanked ATM card t...
Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links