Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

NATO - afinal quem é o inimigo?

Luis Moreira

A Rússia juntou-se à NATO (embora a desoras o que nestas coisas tem sempre significado), ficaram de fora a China da mão de obra baratinha para os produtos das multicionais, e o Irão e aqueles países ali à volta.

O Presidente dos US veio cá dizer que não está nada a virar-se para o pacífico, a UE continua a ser o seu grande aliado, e com os países da antiga URSS aí a bater à porta há que dar todas as garantias que estão protegidos do Urso de Leste.

Este executa a política mais velha de sempre " se não os vences junta-te a eles" e vai ajudando o Irão com o enriquecimento do urânio, para efeitos pacíficos e científicos, evidentemente.

A Nato, sem inimigo que se veja não tem coragem de se desmantelar, mas vai reduzir a dimensão, enquanto o Ocidente tem à perna o Afeganistão. A crise faz soar o alarme no Orçamento dos US e grande parte do seu gigantesco déficit vem das tropas que estão estacionadas no exterior.

Há, pois, que levar a UE a reforçar o esforço militar para ter sobras que lhe permitam, aos US, entender-se com os países que estão aí cheios de força e que ameaçam a sua hegemonia. É tão bom mostrar aos europeus que essa coisa do "chapéu de chuva" americano tem que ser pago.

Os atentados terroristas e as ameaças cibernéticas (?) dão nova força à NATO, nascida defensiva, mas no estado actual das coisas, como se viu no Iraque, vira ofensiva em menos de um fósforo, nem precisa de ter o acordo dos parceiros, a não ser os mordomos que sempre aparecem para a fotografia, como aconteceu nos Açores.

Neste mundo global e multiplural creio que seria bem pior não haver uma força que seja bem superior a todas as outras, sob pena de ninguem se entender. Depois do Pacto de Varsóvia, o mundo ficou mais perigoso, havia um equilíbrio que se desfez. O pior de tudo seria não haver equilíbrio nenhum, mesmo que isso represente a hegemonia de uma das partes.

O que seria de um mundo em que a força caísse nas mãos de todo e qualquer um que, a qualquer momento, lança-se a humanidade no terror de uma terra sem lei? Não gostamos, é a força?

A NATO é uma espécie de polícia do mundo que chamamos quando vemos a casa assaltada!
publicado por Luis Moreira às 13:30
link | favorito
4 comentários:
De Joao Machado a 24 de Novembro de 2010
Oh Luís, e quando és assaltado pelos especuladores, chamas a NATO?
De Luis Moreira a 24 de Novembro de 2010
A Nato só é chamada depois do assalto...e eu não digo que é uma coisa boa, digo é que se não houver um comando alguém toma conta da cadeira do poder.Faz parte do conceito de autoridade, onde não há, alguém se apodera da autoridade, é nesse sentido. caro João.
De Joao Machado a 24 de Novembro de 2010
Meu caro Luís, peço-te desculpa do tom que empreguei no primeiro comentário. Acredita que não queria fazer nenhuma provocação. Fui infeliz ao querer fazer um comentário curto. Mas realmente não acredito que a NATO sirva para alguma coisa, a não ser ajudar os EUA manterem a sua posição privilegiado no mundo. A Europa nunca terá uma política externa autónoma enquanto estiver na NATO. Gasta menos dinheiro (gasta mais do que se pensa), talvez, mas esta situação de dependência não lhe é nada favorável. Nada impede a China de se tornar uma superpotência, a não ser o calculismo dos seus dirigentes. A Rússia, dizes bem, é por calculismo que se junta à NATO, até porque sabe que o escudo antimíssil é dirigido contra ela, mais do que contra o Irão. O Obama é prisioneiro da fortíssima direita americana (a contragosto ou não, é outro problema) que quer manter o alto nível de vida das suas classes superiores, e que os EUA sejam definitivamente o cofre-forte do mundo (vejam o que têm dito dos bancos suíços). E há uma série de problemas, obviamente de que a NATO não se ocupa, não só da especulação financeira, como de conflitos regionais que não julga perigosos para os EUA e aliados, epidemias, catástrofes ecológicas (um dia até os pode usar como pretexto, obviamente.) Entretanto, enfraquece consideravelmente o papel da ONU.
De Luis Moreira a 24 de Novembro de 2010
João, não há que pedir desculpa, até porque não me senti nada incomodado sei bem que não tens intenção nenhuma de me magoares. Aliás, o título do texto deixa no ar perplexidades. Serve para quê, a NATO?

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links