Terça-feira, 21 de Setembro de 2010

Novas Viagens na Minha Terra

div class="separator" style="clear: both; text-align: center;">
</>


Manuela Degerine

Capítulo CXIV

Vigésima sexta etapa: de Padrón a Santiago de Compostela (continuação)

O sol brilhou durante a manhã e agora começa a haver calor. As peúgas, que viajam há dois dias penduradas na mochila, estão outra vez sujas mas finalmente secas. São – no último dia – as primeiras peças de roupa que, de Águeda para cá, secaram sem o complemento térmico dos meus 37°.

Talvez o leitor se interrogasse numerosas vezes sobre esta mania de lhe comunicar cada compra de pão e lavagem de camisola. Talvez, numa primeira impressão, isto possa sugerir futilidade natural ou desmazelo narrativo porém, tal como o praticante de ioga repete determinados sons ou frases com o objectivo de esvaziar o espírito de pensamentos e preocupações que o impeçam de alcançar uma concentração profunda, também aqui, no Caminho de Santiago, o pão, os pés, a roupa, o albergue e a mochila são as constantes que, associadas ao ritmo e ao esforço da caminhada, construem um estado de espírito – e importa que os meus leitores o compreendam. Numerosas agências tratam disto tudo no Camiño Francés porém, nestas circunstâncias, o Carreiro de Santiago – como foi designado noutras épocas – não passa de um vulgar passeio (ou apenas de ginástica; o que não me interessa).

Achamo-nos a menos de dez quilómetros de Santiago de Compostela, por conseguinte agora, se atravessamos um fragmento de mata, durante algumas centenas de metros, logo regressamos a zonas habitadas. Passamos junto ao parque empresarial da Grela. Vemos os primeiros prédios. Entramos noutra zona de eucaliptos...

De Padrón até aqui temos, uma ou outra vez, encontrado a N550; sempre em percursos curtos. Apesar de caminharmos nos arredores de uma cidade, este itinerário conduz-nos, durante quase todo o dia, de maneira muito hábil, pelo campo ou por estradas sossegadas – é o que falta em grande parte da rota portuguesa.

De Lisboa a Vilarinho, o Caminho de Santiago, mesmo quando sinalizado, o que não é constante, foi-o por quem não o percorreu a pé; ou então percorreu-o sem compreender que estes caminhantes (ao contrário dos de Fátima) gostam de caminhar. Por consequência: é indispensável encontrar-lhes verdadeiros percursos pedonais onde não fiquem surdos, não se intoxiquem e não corram, a cada segundo, o risco de morrer. Esta possibilidade existe na maior parte das etapas, importa procurar, marcar e depois explicar no site da Associação Portuguesa dos Amigos do Caminho de Santiago (por exemplo).

Alcançamos o Monte Agro dos Monteiros: avistamos Santiago de Compostela. Alguns peregrinos contam que, quando viram a catedral – choraram. Não me sinto emocionada. (Doem-me as costas. E antecipo, sim, naquelas duas torres, o fim de caminhada. Já?...) Começa a descida para Rocha Velha. Ainda atravessamos uma pequena mata de eucaliptos. Últimos pinheiros e carvalhos. Últimas giestas. Últimos tojos e silvas e fetos.

O caminho conduz-nos à beira de uma linha de comboio. Devemos seguir à direita para chegar à ponte e, após atravessarmos, virar na direcção oposta, isto é, à esquerda; por isso, quando agora chegamos perto da linha, avistamos do outro lado, a caminhar em sentido inverso ao nosso, os caminhantes que nos precederam. Qual não é o meu espanto?...

- Paul!

Ele procura quem chamou. E vê-me deste lado da linha.

- Manuela!

Vai com Gerhardt.

- Encontramo-nos daqui a bocado?... No albergue.

- Até logo.

Como caminhei duas vezes duas etapas e agora nos encontramos, Paul foi directo de S. João da Madeira a Vilarinho. (E, como Martine ficou um dia no Porto, ela chega decerto hoje a Padrón.) Poucos metros mais adiante, encontramos a rapariga espanhola; a qual agora se associa a uma romena com quem Sérgio visitou as caves do vinho do Porto. O Caminho de Santiago é uma aldeia em movimento.

Passamos por cima do rio Sar através da Ponte Velha de Arriba. Estamos a entrar em Santiago de Compostela... O hospital, a rua do Campo de Santa Marta, a avenida Rosalía da Castro, a praça do Obradoiro...

Começamos a procurar o albergue.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links