Domingo, 13 de Junho de 2010

Novas Viagens na Minha Terra


Manuela Degerine

Capítulo XVIII

Etapa 6: Fátima (conclusão)

No refúgio encontro dois espanhóis a fazer o jantar. Ele é de Santiago de Compostela, segue pela segunda vez o Caminho, na primeira partiu de Saint-Jean-Pied-de-Port e agora de Lisboa; comunicamos em galaico-português, uma ou duas vezes peço-lhe para repetir, por exemplo, quando ele pronuncia Xulho (Julho). Ela percorre-o pela terceira vez, as primeiras por variantes do Caminho Francês, neste momento pela Via Lusitana. Inquiro porquê. Ele sublinha logo que não tem motivações religiosas, no entanto já foi a Roma, a Lurdes, a Santiago pelo Caminho Francês, agora passa por Fátima e continua para Santiago, afirma crer numa transcendência que não é apenas católica, projecta ir em seguida à Meca e a Jerusalém. Ela caminha para descobrir as forças que em si traz; em Março, quando foi a Santiago pela primeira vez, incharam-lhe os pés, teve que cortar as botas para as descalçar, caíram-lhe as unhas – mas não interrompeu a caminhada. Também gosta de ver paisagens, descobrir cidades, encontrar outros caminhantes porém, mais que tudo, deseja voltar a sentir, pela terceira vez, a emoção da chegada a Compostela; confessa que faz muitos pedidos a Santiago.

Estes dois andarilhos percorrem no mínimo quarenta quilómetros por dia e caminham, por enquanto, quase sempre à beira das estradas, para irem mais depressa, pois dispõem de um pecúlio reduzido e os alojamentos, nesta parte do percurso português, ao contrário do que se passa em todo o espanhol, são muito incertos – por exemplo, os bombeiros de Santarém, onde esperavam ser acolhidos, não lhes deram pousada.

Quando chegaram ao refúgio, tomaram duche, lavaram a camisola do dia, que amanhã hão-de vestir húmida pois, para limitarem o peso da bagagem, só trazem duas cada um. Depois de jantar, vão ao santuário; voltam uma hora mais tarde.

Chega então um neozelandês. Andou perdido a pé, foi recuperado por um autocarro de peregrinos e, chegado a Fátima, deu inúmeras voltas de joelhos à capela das aparições. Dorme numa tenda de campismo mas utiliza a cozinha e a casa de banho do refúgio.

Na manhã seguinte tomamos o pequeno almoço todos juntos. Os espanhóis oferecem o chá, eu o chocolate preto, o neo-zelandês o seu colossal apetite: devora os croissants dos espanhóis. Peregrinou num santuário da Croácia, se bem percebi, em Roma, em Lurdes, aqui... Fátima deve todos os dias atrair malucos desta espécie.

Os espanhóis partem logo a seguir. Despedimo-nos com simpatia. Ver-nos-emos em Santiago.
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 13 de Junho de 2010
Andarilhos, bonita palavra...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links