Sábado, 21 de Agosto de 2010

Novas Viagens na Minha Terra

Manuela Degerine

Capítulo LXXXV

Vigésima primeira etapa: de Valença ao Porrinho (continuação II)




Vemos campos de milho do ano passado. As espigas foram apanhadas, ficou o resto da planta. Recordo-me de um tempo em que, nas Sarzedas do Vasco, a terra dos meus avós, também se cultivava milho: a bandeira era cortada, ainda verde, a folha apanhada e enfaixada, ambas serviam para alimentação das ovelhas, depois a espiga era colhida, as canas arrancadas e queimadas num borralho, cujas cinzas serviam para adubar a terra – não se desperdiçava nada. Aqui o abandono da planta denota uma exploração apressada: os agricultores são idosos ou vivem de outras actividades. Este parte, aquele parte, escreveu Rosalía no século XIX; mas o êxodo rural não atingiu só a Galiza.

O abandono dos campos é uma constante no Caminho de Santiago e fora dele; como, no mercado de Tomar, a maioria de produtores ronda os sessenta e cinco anos, receio que, dentro de pouco tempo, o resto dos terrenos ainda cultivados fique ao abandono: comeremos uva chilena, maçã brasileira e tomate holandês. Tudo sem gosto – claro.

Ainda fui testemunha, nos meus primeiros dez anos, de um mundo que entrara já em decadência e entretanto desapareceu, bastou porém para eu perceber que, de muitos pontos de vista, oferecia maior qualidade de vida do que o nosso: no ritmo, no equilíbrio, na segurança, na sustentabilidade. Não falo, é claro, dos ganhões do Alentejo, explorados nos limites da fome – os quais só podiam melhorar a situação; mas de pequenos proprietários da Beira Litoral. Este modo de produção autárquico, no qual só se comprava o sal, algum sabão (corava-se a roupa ao sol), um pouco de açúcar (adoçava-se com mel), alguns tecidos (a minha avó, ao contrário da mãe dela, não cultivava nem fiava o linho), alfaias e panelas de ferro, não voltará – é certo. Devemos todavia guardá-lo nas memórias, pois ajudar-nos-á, se formos inteligentes, a reflectir sobre o nosso.

A geração da minha mãe deixou as aldeias buscando uma vida melhor mas só encontrou uma vida diferente. Eu, com oito anos de estudos universitários, tantos livros e tantas viagens pelo mundo, a televisão, o dvd e a Internet – não sei mais do que a minha avó. De muitos pontos de vista, essenciais para a minha vida, sei menos do que ela; e chego às vezes a suspeitar que o vocabulário da minha avó tinha mais palavras. Para além disto, não beneficio de melhor saúde, embora tome mais medicamentos, a aparente vantagem de ganhar mais dinheiro, não me garante vida mais fácil; e nem ao menos sou mais respeitada: nunca ninguém insultou a minha avó. Conclusão lógica... Com o stress, o ritmo e todo este modo de vida, o ar, a água e a comida envenenados, as radiações disto e daquilo, vivo pior e viverei sem dúvida menos anos do que a minha avó. Chama-se a isto o progresso?
publicado por Carlos Loures às 10:00
link | comentar | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Para as hemorroidas, resulta ou não?
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...
Você precisa de um empréstimo ou pagar suas contas...
Potrebujete pôžičku alebo zaplatíte svoje účty ale...
Dostali jste se do nelehké finanční situace a nev...
Jestem osobą fizyczną oferującą pożyczki międzynar...
I got my already programmed and blanked ATM card t...
Meu nome é Valeria Marco. Há 6 meses atrás, meu ne...
Meu nome é Patricia Martins, de Portugal, mãe solt...
Você está interessado em um empréstimo? nós oferec...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links