Sábado, 18 de Setembro de 2010

Boaventura de Sousa Santos no Estrolabio - O FSM em Movimento



Acaba de realizar-se em Porto Alegre um importante seminário de avaliação dos dez anos do Fórum Social Mundial (FSM) e de debate sobre o seu futuro. Paralelamente ocorreram centenas de iniciativas nas cidades da região metropolitana que reuniram 30.000 pessoas. Os grandes media decidiram não noticiar este acontecimento e, em contrapartida, encheram-nos de detalhes sobre a reunião do Fórum Económico Mundial (FEM) realizado em Davos. Não deixa de ser estranho, sobretudo se tivermos em conta que, ao longo da última década, as análises e previsões feitas no FSM se revelaram muito mais certeiras que as feitas no FEM. Em 2001, o neoliberalismo (as privatizações, o livre comércio e a desregulamentação económica e financeira) era para o FEM a solução definitiva das crises cíclicas do capitalismo e assim foi considerado até à crise financeira de Agosto de 2008 que o FEM não previu. Pelo contrário, o FSM defendeu que o neoliberalismo não era a única solução, que, de todas, era a mais injusta e que as crises que vinha provocando em vários países acabariam por chegar ao coração do capitalismo global, o que aconteceu. À luz disto, seria de bom senso ter em conta os temas que vão dominar o FSM nos próximos anos.

O primeiro tema é a paz e a democracia. As análises do FSM apontam para o recrudescimento da militarização dos conflitos sociais, incluindo a criminalização dos movimentos sociais e dos protestos dos cidadãos ante o agravamento da crise económica e das desigualdades e o ressentimento que ele provoca, já que as suas vítimas são sempre os moralmente mais honestos, os socialmente mais vulneráveis e os politicamente menos poderosos, uma tríplice condição sobreposta nos ombros da maioria da população mundial. Esta preocupação está presente nas muitas actividades previstas para 2010, do 2º Fórum Social dos EUA aos oito fóruns a realizar no mundo árabe ou islâmico: o 1° Fórum Social do Iraque, o 6° Fórum Social Europeu (Turquia) e os Fóruns temáticos sobre os sindicatos (Argélia), a discriminação sexual (Tunísia e Jordânia), os trabalhadores rurais (Egipto), a paz e a educação (Palestina), e a democracia (Bangladesh). Tudo isto a caminho da próxima edição do FSM unificado a realizar em Dakar no início de 2011, subordinado ao tema dos diálogos Sul-Sul, outro tema emergente de que muito se ouvirá na próxima década.

O segundo tema é a crise civilizacional decorrente da insustentabilidade do modelo económico dominante. A prova está feita, apesar de negada, mais uma vez erradamente, pelo FEM: o modelo económico assente no crescimento infinito, no uso indiscriminado dos recursos naturais, na privatização dos bens comuns (a água, o ar, a biodiversidade), no consumo como definidor de um modo de ser assente na obsessão de ter e num estilo de vida alimentado pelo abandono prematuro de objectos indiferentemente pessoais, não só é injusto como é insustentável e os seus perigos para sobrevivência da humanidade em breve serão irreversíveis. Isto significa que o feitiço da superioridade civilizacional com que o Ocidente excluiu ou destruiu os que se atravessaram no seu caminho se vira agora contra o feiticeiro. A reacção pode ser destrutiva mas também pode ser anunciadora de uma nova consciência planetária feita de convergências insuspeitadas entre saberes ancestrais (indígenas, camponeses, populares), inquietações ambientais e éticas feministas de cuidado. O debate civilizacional vai estar no centro do 5° Fórum Social Pan-Amazónico (Brasil) e no 4° Fórum Social das Américas (Paraguai).

O terceiro tema é o dos sujeitos políticos que levarão por diante as lutas pela paz, pela democracia e por um modelo social, cultural e económico pós-capitalista. Este é o tema que obriga o FSM a reflectir sobre si próprio. Como não desperdiçar a energia transformadora que ele gerou? Como construir alianças transcontinentais entre movimentos e partidos políticos convergindo em agendas realistas e portadoras de novas hegemonias? Como tornar o mundo menos confortável para o capitalismo predador? Talvez o FSM precise de criar o seu próprio FSM.

(Publicado na revista "Visão"em 11 de Fevereiro de2010)
publicado por Carlos Loures às 21:00
link | favorito
1 comentário:
De Luis Moreira a 18 de Setembro de 2010
Definitivamente o capitalismo, este sistema que conhecemos, não é o último estágio da evolução do homem. Muito longe disso! Não é sustentável, não pode crescer sempre, cria diferenças sociais que vão levar a guerras,esgota recursos naturais. Mas temos que mudar em democracia, no estado de direito, aprofundar a participação democrática...

Comentar post

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links