Sexta-feira, 1 de Outubro de 2010

Dia Mundial da Música - Ludwig van Beethoven

Raúl Iturra



O COMPOSITOR EM 1808

O compositor, nascido em Bonn, foi baptizado em 17 de Dezembro de 1770 — faleceu em Viena, no dia 26 de Março de 1827 de mudou a fase da música. Introduziu, com o saber do seu professor, Joseph Haydn (1732-1809) . É possível supor que tenha nascido a 15 de Dezembro desse ano, porque era hábito cristianizar ao bebé, antes que a morte os leva-se. Como nos tempos de van Beethoven os pequenos morriam prematuramente, as famílias luteranas e católicas romanas, levavam ao bebé a sua paróquia enquanto puder sair de casa, especialmente no frio do inverno da germânica Bonn ou Bona.

Era o segundo filho mais velho de sete irmãos, dos quais apenas sobreviveram, Kaspar Anton Carl van Beethoven (1774-1815) que também tinha dotes para a música e que morreu com 41 anos; o quarto, Nicolaus Johann van Beethoven (1776-1848), que se tornou muito rico, graças à indústria farmacêutica, e que morreu com 72 ano. Os outros cinco três faleceram ao nascer, e os outros, com dois anos de idade. O seu pai, (1740-1792). O seu pai, Johann van Beethoven (1740-1792), viúvo já e com filhos para criar, experimentou educar este segundo Ludwig, o primeiro tinha falecido ao nascer um ano antes de aparecer no mundo este segundo Ludwig, para a nossa glória e prazer. Em pequeno era já capaz de tocar o cravo, antes de aparecer o Pina forte sem pedais, no qual compôs o seu primeiro concerto, em 1795, para passar a seguir, a escrever os seus concertos quatro e cinco no Forte Piano com pedais, 1824. A sua nota preferida era a tonalidade Mi Maior, tonalidade que empregou em várias das suas peças de música, especialmente na muito cumprida sinfonia nº3 em Mi bemol Maior, apelidada de "Eroica", cuja dedicatória a Napoleão Bonaparte foi retirada com alguma polémica. A sinfonia Eroica era duas vezes mais longa que qualquer sinfonia escrita até então.

Tenho afirmado antes, que Beethoven era um revolucionário, não apenas na vida musical, como compositor e concertista de recitais públicos, bem como na vida política. Não era apenas um bonapartista, era membro de grupo denominado da Ilustração, organização onde conheceu a Schiller, passando a ser amigos para toda a vida. Em honra a ele escreveu a sua nona sinfonia, denominada a Sinfonia Coral, com quatro movimentos, para orquestra e coro, que entra como música no quarto movimento. O 1º é um Allegro, para orquestra, o 2º movimento e na tonalidade muito vivace, o terceiro, onde são salientados os violinos e fagote, é na tonalidade Adágio ou lento e profundo. É no quarto movimento que a tonalidade Presto o rápido, que entra o coro como um quarto instrumento, que predomina por cima da som da orquestra. Foi, junto com a Missa em Ré, a obra cume do autor que comento, estreada em 1824 e intitulada Missa Solemnis. A sensação que causara fez que tiver que ser tocada várias vezes em actos solenes e rituais. Como a sua Sinfonia 9, que teve que ser repetida durante uma semana, com um Beethoven já absolutamente surdo, pelo que ele estava ao pé do Maestro que conduzia a Sinfonia. Era, para nossa tristeza, a música que o compositor nunca ouviu, mas ele insistia que era o autor e os instrumentos tocavam e os coros cantavam para ele, dentro da sua cabeça.

É difícil escreve em curto espaço, o prodígio Beethoven. A ele deve-se a denomina música clássica, a semelhança dos gregos antigos: cada nota em qualquer tonalidade, deve cair no minuto preciso para dar continuidade e seguimento harmonioso à peça interpretada, com agilidade, no Adagio, com os silêncios em do maior, para entrar a seguir aos andante com motto, ou os allegro com brio. Todas as notas som de uma octava e o pedal é usado para cortar a nota anterior e entrarem as notas brilhantes, que são cortadas para passar a outras tonalidades. O melhor exemplo é a dedicada a seu mecenas, o Conde de Waldstein, quem pagara os seus estudos de música e literatura. The Piano Sonata No. 21 in C major, Op. 53, also known as the Waldstein, é considerada como sendo a melhor sonata de Beethoven de entre tantas piano sonatas compostas por ele, bem como uma das melhores das três escritas ou compostas em esse período ou seu middle period (sendo as outras a Appassionata , sonata, Op. 57, e Les Adieux, Op. 81a). A Waldstein foi completada no verão de 1804. Causou estupor e muitos músicos retiraram dela a sua própria música: era uma lição feita música!

O compositor não tinha apenas problemas de interacção social, por causa da sua surdez, bem como esta falta de comunicação produzia um temperamento irascível. Amor teve muito, todas as condessas e duquesas que ele ensinava. Um compositor não pode subsistir apenas da sua composição, tem que ensinar ou ser servo de um Arcebispo, como Mozart com Colloredo. Beethoven libertou a música de tutelas e patronatos: doravante, a música passou a ser uma mercadoria que podia sustentar ao autor. Mas por ser ele o primeiro, muitos trabalhos sofreu para ser autónomo.

O problema mais grave, era ser celibatário e viver só. Todos conhecemos a história do seu sobrinho, que ele queria apadrinhar, o filho do já falecido irmão Kaspar. Não conseguiu, mas entre a sua papelada uma carta foi encontrada endereçada a uma mulher, a que denomina a sua Amada Imortal. Cartas iam, respostas tornavam, sempre sem nome. Um dela diz: Manhã de 6 de Julho

"Meu anjo, meu tudo, meu próprio ser – Hoje apenas algumas palavras a caneta (a tua caneta).

Só amanhã os meus alugueres estarão definidos – que desperdício de tempo....... por que sinto essa tristeza profunda se é a necessidade quem manda? Pode o teu amor resistir a todo sacrifício embora não exijamos tudo um do outro? Podes tu mudar o facto de que és completamente minha e eu completamente teu? Oh Deus! Olha para as belezas da natureza e conforta o teu coração. O amor exige tudo, assim sou como tu, e tu és comigo. Mas esqueces-te tão facilmente que eu vivo por ti e por mim. Se estivéssemos completamente unidos, tu sentirias essa dor assim como eu a sinto.

O meu dia foi terrível: ontem só cheguei aqui às 4 horas da manhã. Com a falta de cavalos, o cocheiro do correio escolheu um novo caminho, mas que terrível caminho, na penúltima paragem eu fui avisado para não viajar à noite, fiquei com medo da floresta, mas isso só me deixou mais ansioso - e eu estava errado. O cocheiro precisou parar na infeliz estrada, uma imprestável e barrenta estrada. Se eu estivesse sem todas as coisas que trago comigo teria ficado preso na estrada. Esterhazy, viajando pela estrada, teve o mesmo problema com oito cavalos que eu tive com quatro - sinto prazer com isso, como sempre sinto quando supero com sucesso as dificuldades.

Agora uma rápida mudança das coisas externas para as internas. Nós provavelmente devemos nos ver em breve, entretanto, hoje eu não posso dividir contigo os pensamentos que tive nos últimos dias sobre minha própria vida – Se os nossos corações estivessem sempre juntos, eu não teria nenhum.... O meu coração está cheio de coisas que eu gostaria de te dizer – ah – há momentos em que sinto que esse discurso é tão vazio – Alegra-te – Lembra-te da minha verdade, o meu único tesouro, o meu tudo como eu sou o teu. Os deuses devem-nos mandar paz... Teu fiel Ludwig

Foi a desgraça de Van Beethoven, desgraça que, entre outras - a sua falta de ouvido, o desdém do sobrinho e o seu carácter sarcástico, a sua lealdade à causa revolucionária para derrubar à aristocracia e a burguesia acomodada - fizeram dele um lutador tão radical como os seus reais amigos Iluministas e Maçons.

Faleceu muito cedo, aos 56 anos de idade, completando assim um ciclo de 46 anos de criar e recriar a música. Ludwig van Beethoven foi o paladino de la liberdade na expressão musical. Sentiu-se traído por Bonaparte e retirou a dedicatória. Era já o socialismo de Babeuf e o seu manifesto de Plebeus de 1785, prenúncio do escrito de Jenney Marx, que, com as ideias do seu marido, redigiu o Manifesto Comunista. Beethoven não apenas foi um músico de alta estatura teórica, bem como um radical que arremetia contra os opulentos com a sua música, composições às que tiveram que se adaptar a seguir o barroco e o pré classicismo de Haydn.

Se não houver dia da música, teria que ser criado o dia de Ludvig van Beethoven….Se ao funeral de Mozart, que alegra a vida ninguém foi, ao de Beethoven foi o Imperador, a sua corte e dezenas de pessoas. Um monumento marca o seu sítio de descanso.

 ______________________________



Ouçamos Für Elise,  interpretado por Stephen Malinowski:


publicado por Carlos Loures às 15:00
link | favorito

1-Dia Mundial da Música - Simone

Augusta Clara de Matos


É a Simone a cantar "Na minha veia". Um lindo samba.















Orquestra Sinfónica de Chicago dirigida por Daniel Baremboim, Adagietto da 5ª. Sinfonia de Mhaler


publicado por Carlos Loures às 14:00
link | favorito

O Engraxador, amante de livros!

Luís Moreira

Na Baixa de Lisboa há imensos engraxadores de sapatos, porque engraxador de ego e de lugares bem pagos há muitos mais, todos eles com características bem distintas.

Há o engraxador ali à porta da ginjinha, é só sair reconfortado, com a "ginjinha com elas" e engraxar os sapatos depois, é um ritual de dezenas de anos que também vai bem com a ida ao teatro ou aos espectáculos do Coliseu.

Há também o engraxador junto do Rock Café, nos restauradores, com chapéu de sol, televisão e rádio, tudo à vontade do freguês que recostado em cadeira "rócócó" faz um figurão, antes de caminhar para o "Solar dos Presuntos" onde encontrará a cozinha minhota em todo o seu esplendor.

Temos ainda o engraxador "móvel" que podemos encontrar num qualquer café, serviços mínimos, é engraxar e andar para outra esplanada, ferramentas não mais que a caixa e " tem que ser tinta vermelha que a preta já acabou" e "ala" que este já está.

Mas há outros interessantíssimos como Zeca, "o fadista", antigo cantador de fados das melhores casas de Lisboa, discos gravados que rodam sem cessar no seu equipamento último modelo, não vá o som trair aquela voz. À tarde troca a caixa da graxa pela viola e junta-se-lhe a "Amélia cantadeira", já só lhe resta o xaile das noites de glória.

Nos Restauradores, à frente dos CTT ( querem tirar os CTT dali, daquele sítio sem igual, para mais uma negociata com um prédio igual a tantos outros ali no Parque das nações) há o único engraxador de todo o mundo que passa o santo dia a ler. Tem meia dúzia de livros em exposição (nunca o vi vender nenhum) e lê sem cessar, para o cliente ter o serviço precisa de tropeçar nele porque de outra maneira o homem está tão absorto que não ouve ninguém, cachimbo permanentemente na boca, barba de intelectual, boné à maneira, e o nosso leitor compulsivo, é o engraxador que menos factura, estou em crer que só começa a engraxar quando se lhe acabarem os livros. Pois, um dia já bem afastado, apanhei-o sem livros e lá o convenci a engraxar-me os sapatos, e meti conversa, o homem é uma enciclopédia, estávamos naquilo, não havia graxa nenhuma, ele para me explicar os livros e os autores, tinha que ter os olhos postos em mim, e estávamos naquela, conversa para aqui, livros para acolá, até que chega um par de "alemães" que me pediram para tirar uma fotografia, ao acto de engraxar os sapatos..

Olhei para o meu amigo amante de livros e ele com um sorriso condescendente disse que sim, e eu para "os alemães", uma só fotografia não mas se forem duas, sim senhor, levem lá o "very typical", e eles logo que sim, ainda era melhor. E, em pose, lá nos deixamos fotografar com o meu amigo na posição de engraxador, a seguir trocamos, fui eu sentar-me na caixa e ele em pé a estender-me os sapatos mais bem engraxados que eu já vira, e "os alemães" de sorriso amarelo lá tiraram a "very typical" fotografia de dois malucos que tinham encontrado ao sol de Lisboa.
publicado por Luis Moreira às 13:30
link | favorito

Dia Mundial da Música - José Mário Branco - Queixa das almas jovens censuradas

Clara Castilho

publicado por Carlos Loures às 13:00
link | favorito

Dia Mundial da Música - Jornada

Carlos Loures

Resolvi fazer uma escolha emocional - escolhi a «Jornada» com letra de José Gomes Ferreira, música de Fernando Lopes Graça - uma das suas belíssimas "Heróicas" - cantada superiormente pela linda voz da Luísa Basto. Em 1947, quando nasceu o ramo juvenil do MUD, o grande poeta José Gomes Ferreiraa escreveu a letra do hino «Jornada» ou «Vozes ao Alto», como é conhecido. Durante as frequentes e intensas lutas estudantis dos anos sessenta, este hino cantado por jovens, mesmo pelos que, mais à direita ou mais à esquerda, não militavam no Partido Comunista, organização tutelar do MUD Juvenil. O "Jornada" serviu também de indicativo à estação clandestina Rádio Portugal Livre que emiitia a partir de Praga,

Nos tempos que antecederam a Revolução de Abril, embora por todos os motivos, fosse uma composição ligada ao Partido Comunista, era cantada pelos antifascistas em geral. Toda a gente que me conhece sabe que não estou nem nunca estive ligado ao PCP, cuja linha sempre recusei, mas cujos militantes sempre respeitei, tendo por grandes amigos alguns deles. Seria sectarismo da minha parte não homenagear estes três pecepistas - José Gomes Ferreira, Fernando Lopes Graça e Luísa Basto - admiráveis no sentido mais literal da palavra- aos quais agradeço esta vibrante «Jornada» que os estudantes e trabalhadores conheciam como «Vozes ao Alto». No presídio de Caxias, muitas vezes a cantei a plenos pulmões - com a vantagem de não correr o risco de ser preso.

publicado por Carlos Loures às 12:00
link | favorito

Dia Mundial da Música - Joan Baez – we shall overcome - 1963

Clara Castilho

publicado por Carlos Loures às 11:30
link | favorito

Coisas Breves. Orçamento familiar.

Carlos Mesquita

O Luís chegou a casa agitado. Marta, a sua mulher, recebeu-o notando o desassossego. Ela nada disse, ficou a vê-lo enquanto ele poisava as chaves do carro, esvaziava as algibeiras e deitava um olhar ao interior do maço de tabaco. Já só tenho dois cigarros, e é o segundo maço hoje…não dizes nada Marta? Estranhou o Luís levantando os olhos para ela sem mexer a cabeça. Não! Ou melhor, percebi logo na entrada que te exaltaste no serviço, e queres que puxe conversa para desabafares. Fez-se silêncio, Marta saboreou o efeito, e depois fechou, – e sabes que detesto esse vício do fumo.

Martinha, disse o Luís mais equilibrado, não fui só eu a fumar naquele átrio dos elevadores, todo o escritório parou por lá. Nesse caso, Luís, se te ajudaram a queimar os cigarros pouparam-te a saúde. Não é nada disso Marta, eu fumei os meus cigarros; o que se passa é que andam todos preocupados com as medidas de austeridade, ninguém sabe o que deve fazer, estivemos a discutir o assunto. E concluíram alguma coisa? Bom, falam em fazer um orçamento familiar, aquela gente não é para lutas. E tu Luís o que achas? Também sou a favor do orçamento familiar, mas para tramar o governo e o Passos Coelho e todos os que querem mexer no nosso dinheirinho; olha Marta, chama o rapaz que já tem idade para participar e vamos fazer um orçamento. O Huguinho não pode vir, está a copiar um trabalho que encontrou na Internet para uma das suas disciplinas, eu depois dou um toque para não se ver que é brasileiro.

Está bem Marta, os estudos estão primeiro, o Huguinho é um vivaço, vai ter muito sucesso.

A minha ideia, Marta, parte deste princípio; para o ano tudo vai ser mais caro, portanto temos de comprar este ano para poupar, começamos por comprar novos automóveis. Ó Luís, mas ainda em Junho trocámos de carros. Marta, isso foi porque o IVA ia subir para 21% em Julho, ora em 2011 vai subir para 23%, ainda poupamos mais. E electrodomésticos o que faz falta? Nada. Então Martinha, não era bom ter um frigorífico “no frost” maior, uma máquina de lavar mais silenciosa, o tal fogão italiano, o centro da cozinha em mármore? Para isso tinha de se fazer obras, Luís. Fazem-se! Temos de fazer também uma lista de novas mobílias que esta decoração já cansa. E para o Huguinho, Luís? Ao rapaz não se deve negar nada, não ouves dizer que serão as novas gerações a pagar as dívidas de hoje? Tudo o que pedir tem. Amanhã continuamos a fazer a lista, vai pensando. Espera aí Luís, e como vamos pagar todas as compras do orçamento? A crédito claro, para isso fazemos uma segunda lista, somamos o plafond de crédito das nossas contas bancárias, mais os cartões e a Cofifaz e o Banco Diz e o Banco Menos que ainda hoje me mandou um “sms” com crédito aprovado que não pedi, etc. não te preocupes. O valor das parcelas das dívidas e do crédito dando o mesmo, temos o orçamento aprovado. Mas… e os empréstimos não é preciso pagá-los, e os juros? Ó Marta é com essas teorias que nos inventam a austeridade, mas para ficares descansada marcamos já uma reunião com a DECO para renegociar a divida daqui a seis meses, isto se as coisas correrem para o torto. Entretanto podemos comprar um cruzeiro de circum-navegação que por cá o ambiente não deve ser grande coisa.
tags:
publicado por Carlos Loures às 11:00
link | favorito

Dia Mundial da Música - Purcell e Jessye Norman

Carla Romualdo

No libreto de "Dido & Aeneas", de Henry Purcell, esta ária intitula-se "When I am laid in earth", mas popularmente ficou conhecida como "Lamento de Dido".

O poeta Virgílio conta-nos que Dido, rainha de Cartago, se perde de amores por Eneias, que lhe jura amor eterno para logo, acatando o capricho dos deuses, seguir viagem rumo ao seu destino, a fundação de Roma. Dido fica para trás e sabe que Eneias não regressará.
Na inspirada versão de Henry Purcell, este é o seu lamento final, aqui interpretado por Jessye Norman, a extraordinária soprano norte-americana.




When I am laid, am laid in earth, May my wrongs create
No trouble, no trouble in thy breast;
Remember me, remember me, but ah! forget my fate.
Remember me, but ah! forget my fate.



publicado por CRomualdo às 10:00
link | favorito

Dia Mundial da Música -Cristina Fernández - En pé

publicado por Carlos Loures às 09:00
link | favorito

Dia Mundial da Música - Piazzolla

Ethel Feldman


Astor Piazzolla: milonga del angel

publicado por Carlos Loures às 08:00
link | favorito

Dia Mundial da Música - Carlos Paredes

Maria Monteiro

publicado por Carlos Loures às 07:00
link | favorito

Noctívagos, insones & afins - Serões da Província

Carlos Loures

Não vos vou falar do romance de Júlio Dinis. Os serões são outros.

Há quarenta anos estava-se no auge da luta antifascista. Salazar caíra da cadeira, Caetano prometer democratizar, mas tudo continuou na mesma – guerra colonial, polícia política, censura, partido único… ditadura, para tudo dizer numa palavra. Mudou os nomes às coisas, mas tudo ficou na mesma.

Uma boa parte da população conspirava, sobretudo nas camadas mais esclarecidas da pequena-burguesia – professores, profissionais liberais, oficiais do exército (geralmente de patente não superior a capitão), pequenos empresários, estudantes… E, sobretudo nas pequenas cidades, conspirava como?

Não falando dos militantes do Partido Comunista que estavam enquadrados por elementos ligados a estruturas regionais ou sectoriais, os chamados «controleiros» e que reuniam em obediência a regras estritas de segurança, próprias do funcionamento de um partido (casas clandestinas de apoio, pseudónimos, regras estritas do funcionamento das reuniões, etc.), a chamada gente da «oposição democrática», não observava essas regras de segurança. Uma reunião tinha, por vezes, sobretudo nas pequenas cidades, o ar de um serão cultural.

A Oposição Democrática só fazia reuniões formais em período de eleições. Passados esses períodos, grupos de amigos continuavam a reunir-se, muitas vezes sem que essas reuniões tivessem outro objectivo que não fosse o de manter acesa a chama da resistência. De uma forma geral, era gente que não estava organizada em partidos, embora por vezes aparecesse um ou outro «pescador» tentando cooptar elementos. O PC fazia isso, as outras organizações mais pequenas também. Os resultados não eram muito bons.

A «conspiração» desta gente resumia-se a fazer serões culturais. Um projector de 8mm, uma cópia do «Aniki Bobó» ou do «Couraçado Potenkin», discos com canções do Yves Montand, do Jean Ferrat, do Brel, do José Afonso, do Fanhais, do Luís Cília ou da María Casares; bobinas com as declarações de Havana, do Fidel Castro ou com canções da Guerra Civil espanhola… Coisas assim, acompanhadas por brande (o uísque não era tão barato como é hoje e quando aparecia era uma festa), uns bolos caseiros feitos pela anfitriã e assim se reuniam vinte trinta pessoas. Era, mais ou menos, uma vez por semana – a noite de sexta-feira era a preferida. Chamar a isto resistência parecerá excessivo se não tivermos em conta o contexto político. Caso estas reuniões fossem sempre na mesma casa, corria-se o risco de, sem ser convidada, a PIDE aparecer.

Esta era sobretudo uma maneira de resistir à ofensiva cultural do Estado Novo que, sentindo a morte aproximar-se, apertava as suas malhas. E a cultura não fugia a essa ofensiva. Na música era o «nacional-cançonetismo», expressão inventada, salvo erro, pelo Mário Castrim, com o Calvário, a Madalena Iglésias, o Artur Garcia, e a Simone ...

A televisão, com dois canais, a Emissora Nacional e outras estações de rádio controladas pelo regime, os jornais e as editoras, apertados pela censura e depois pelo exame prévio… Enfim, um aro de ferro apertado em torno das cabeças. Os serões da província eram uma forma de cultura alternativa. As pessoas abriam janelas para outros conteúdos culturais. Não terá sido por acaso que as mentalidades se abriram à Revolução de forma tão espontânea. Os serões tiveram o seu papel nessa abertura.

Ia-se mudando de casa, para não dar muito nas vistas. Mesmo assim, havia quem denunciasse, geralmente por carta anónima, que na casa de fulano havia reuniões estranhas. Lembro-me de uma reunião, essa mesmo conspirativa, numa cidade minhota onde no fim cantámos os «parabéns a você» para simular uma festa de aniversário. Era muita gente, vinda de vários pontos do país, muitos carros estacionados numa rua de pouco movimento. Enfim dava nas vistas e aquela foi a saída. Este cenário que estou a descrever era mais frequente nas pequenas cidades. Mas assisti a muitas reuniões deste tipo político – gastronómico – cultural, no Porto e em Lisboa. Prova, se fosse preciso, de que todo o País continuava (e continua) a ser provinciano.

Segue-se uma série de vídeos com algumas das audições recorrentes nas tais reuniões. Por exemplo, esta canção de Jean Ferrat (recentemente falecido) era muito escutada, «Nuit et brouillard», tradução de «Nacht und Nebel», noite e nevoeiro, nome dado pelos nazis à operação de deportação de prisioneiros para os campos de extermínio. Noite e nevoeiro, porque queriam que sobre o crime caísse uma noite que o tornasse invisível e um nevoeiro que o fizesse esquecer. Em 1956. Alain Resnais realizou um filme com este título. Ouçamos Ferrat:



Outra presença certa nos serões era «Ay Carmela», um canto da Guerra Civil de Espanha. Todos cantávamos em coro, com o anfitrião a pedir para não fazermos muito barulho por causa da vizinhança – El ejercito del Ebro, rumba, la rumba, la rumba la…




Yves Montand e o seu «Chant de la libération», mais conhecido por "Chant des Partisans",que se converteu durante a ocupação em hino da Resistência, nunca faltava às nossas reuniões:


E o Zeca, como podíamos nós passar sem o Zeca?



Cuba! Quantas vezes ouvimos Fidel e as suas emocionadas e emocionantes declarações de Havana. Para meados da década, começámos a perceber que Fidel se rendia a um pragmatismo que o obrigava a fugir do imperialismo americano, lançando-se nos braços do imperialismo soviético. Guevara era a voz pura da Revolução de 26 de Julho:



O «Couraçado Potenkin», cujas cópias conseguíamos comprar em Paris ou em Londres, animavam muitas das nossas reuniões. Realizado por Sergei Eisenstein em 1925, provinha de uma União Soviética ainda não totalmente estalinizada. Era peça de êxito assegurado, com palmas no final. Se não viram e dispõem de algum tempo, não percam este filme que constitui um elo imperdível da história da cinematografia mundial.



Quando as reuniões acabavam, os «conspiradores» iam saindo em pequenos grupos. As casas ficavam desarrumadas. O casal anfitrião, enquanto levava copos e pratos para a cozinha, repunha cadeiras no lugar, comentava entre si: «Não correu mal, pois não?»
publicado por Carlos Loures às 03:00
link | favorito

Terreiro da Lusofonia no Dia Mundial da Música - Amália e Camões

Camões chega-nos agora na voz de Amália Rodrigues . «Com que voz?», perguntam.


publicado por Carlos Loures às 01:30
link | favorito

Dia Mundial da Música - José Afonso

Hoje é o Dia Mundial da Música - começamo-lo com o nosso inesquecível José Afonso - Venham mais cinco

publicado por Carlos Loures às 00:05
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links