Sexta-feira, 15 de Julho de 2011

O CAMINHO DO POEMA - por Paxiano

 

 

 

 

 

 

Pelo poema cheguei ao teu lugar

Donde nunca regressarei

como parti

Tão absorto e envolvido

Como se tudo fosse

Um ai vertido de mim

 

 

 

Não voltarei assim tão vazio

Desta demanda que se cruza

no fim

Num espaço que se estende

dento de mim

Onde buscarei lugar do tempo

Lastro perfeito e gasto p’lo vento

 

 

 

São sobras da nobre esfinge

Luz e brilho dos teus sinais

Onde expiarei os meus pecados

Tão luminosos quanto ideais

 

 

Tão genuínos e cansados

Como se encontrão jamais

 

Assim não voltarei ao teu lugar

Não voltarei jamais

 

publicado por Luis Moreira às 12:00
link | favorito

.Páginas

Página inicial
Editorial

.Carta aberta de Júlio Marques Mota aos líderes parlamentares

Carta aberta

.Dia de Lisboa - 24 horas inteiramente dedicadas à cidade de Lisboa

Dia de Lisboa

.Contacte-nos

estrolabio(at)gmail.com

.últ. comentários

Transcrevi este artigo n'A Viagem dos Argonautas, ...
Sou natural duma aldeia muito perto de sta Maria d...
tudo treta...nem cristovao,nem europeu nenhum desc...
Boa tarde Marcos CruzQuantos números foram editado...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Conheci hackers profissionais além da imaginação h...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Esses grupos de CYBER GURUS ajudaram minha família...
Eles são um conjunto sofisticado e irrestrito de h...
Esse grupo de gurus cibernéticos ajudou minha famí...

.Livros


sugestão: revista arqa #84/85

.arquivos

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.links