Sexta-feira, 1 de Julho de 2011
Beijinhos, beijos e bêjotaesses - Augusta Clara

 

 

Estou farta de beijinhos. Recebo dúzias por dia e já não sinto nada. É que não são só os beijinhos, são também os beijos e os bêjotaesses, esses velozes e incansáveis estafetas,  cavaleiros andantes, caixeiros viajantes…o sequeira, como diz o Carlos Loures com o seu fino humor, que, para que as mensagens não percam tempo nem oportunidade, percorrem as nossas caixas de correio em loucas correrias de megabytes, para cá e para lá, de manhã à noite. Por isso são magrinhos e não anafados como os beijinhos e os beijos.

 

Esta minha insensibilidade perante a beijoquice que passamos o dia a trocar com uns e outros – sim, porque eu também caí na armadilha -, só é comparável ao que me aconteceu quando tive que fazer uma intervenção cirúrgica a uma perna e, devido à posição do gesso, tinha que ser injectada na coxa. Também já não sentia nada, embora quem assistia fizesse caretas como se aquilo fosse alguma tortura. Assim se passa com os beijinhos, beijos e bêjotaesses. Gerou-se uma insensibilidade total.

 

Onde andam aqueles reconfortantes abraços que nos deixavam mais quentinhos e com uma sensação de terna amizade? Pois é, passaram de moda.

 

O problema põe-se é quando queremos mandar um beijo a sério,  especial, daqueles que não se esquecem. Mas como é que se explica isto a alguém no mundo virtual quando a inflação das osculações ultrapassa em muito a da moeda? É que um a sério, como todos nós sabemos, não é brincadeira nenhuma e, para além das questões anatómicas, tem integrada muita sabedoria de vários quadrantes. Ainda por cima quando as camadas cronológicas se foram acumulando.

 

Já imaginaram o que é explicar por escrito, e não pelas vias de que a Mãe Natureza nos dotou para tão nobre e, já agora que ando nesta, tão deliciosa tarefa? Nada mais, nada menos do que um mundo de incomensuráveis complicações e de grande complexidade.

 

Como é que eu me vou despedir dando a entender a alguém que lhe estou a mandar um beijo-beijo e não um simulacro? Podia fazer alusão à técnica, mas não chega porque isto das camadas cronológicas implicam muito do antes e não só do durante, e todas as subtilezas, e a neurobiologia…que falta me faz o Damásio que ainda não li até ao fim! E, depois, técnica é técnica, virtuosismo é outra coisa.

 

Fica mais fácil sair de casa e ir levar o beijo ao destinatário, sob pena da despedida por escrito ser maior do que a mensagem propriamente dita e da polícia dos costumes me vir bater à porta.

 

Mas continuem a mandar-me beijinhos, beijos e bêjotaesses porque agora já estou viciada.

 

 

 

 



publicado por Augusta Clara às 18:00
link do post | comentar

4 comentários:
De Luis Moreira a 1 de Julho de 2011 às 18:13
Augusta, já estou noutra. Mando abraços "amigos" para distinguir "daquele abraço" e os "grandes abraços" e "abraços merecidos". Os beijos ficam para o presencial...:-)o que é ainda pior, andar a dar beijos a pessoas que nunca se viram antes. Eu gosto do aperto de mão, incluindo as mulheres.


De Augusta Clara a 1 de Julho de 2011 às 18:34
Fazes bem :-))


De Inês Aguiar a 2 de Julho de 2011 às 01:15
Adorei este teu texto, Augusta Clara e daqui vai um abraço, aquele abraço que todos queremos receber depois de dia cansado.
Apertado (sou magrita) e quentinho.


De Augusta Clara a 2 de Julho de 2011 às 01:32
Foi uma brincadeira que já tem uns meses. Mas não é para levar à risca. Outro abraço para ti.


Comentar post

EDITORIAL
AUTORES
Adão Cruz

Adriano Pacheco

Alexandra Pinheiro

Andreia Dias

António Gomes Marques

António Marques

António Mão de Ferro

António Sales

Augusta Clara

Carla Romualdo

Carlos Antunes

Carlos Durão

Carlos Godinho

Carlos Leça da Veiga

Carlos Loures

Carlos Luna

Carlos Mesquita

Clara Castilho

Ethel Feldman

Eva Cruz

Fernando Correia da Silva

Fernando Moreira de Sá

Fernando Pereira Marques

Hélder Costa

João Machado

José Brandão

José de Brito Guerreiro

José Magalhães

Josep Anton Vidal

Júlio Marques Mota

Luís Moreira

Luís Rocha

Manuel Simões

Manuela Degerine

Marcos Cruz

Maria Inês Aguiar

Paulo Melo Lopes

Paulo Rato

Pedro Godinho

Raúl Iturra

Rui de Oliveira

Sílvio Castro

Vasco de Castro

Contacte-nos
estrolabio(at)gmail.com
últ. comentários
Olá!Temos o prazer de anunciar o nosso livre, muit...
Candidate-se a um empréstimo rápido e conveniente ...
Tivemos um encontro com uma "Tarentola Mauritanica...
Oi, tudo bom?Estou enviando este email para inform...
Este é um anúncio público para todos que querem ve...
Olá a todos!Eu sou Maria, atualmente moro no Porto...
Diante dos dados comprobatórios apresentados pelo ...
Umberto Eco no seu livro, "Não contem com o fim do...
Resposta curta: bayardbanque@gmail.comEu recomendo...
Em mim, o Venex Forte fez efeito, assim como anter...
pesquisar neste blog
 
posts recentes

De 26 de Setembro a 2 de ...

As minhas novas pegadas (...

A viagem dos argonautas

Portugal, a União Europei...

Políticos que cumprem ! P...

O Ministro Gaspar

Anima ver o lado positivo

Palavras Interditas - por...

Os jornais e as notícias ...

Summer Time - Ella Fitsge...

arquivos

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

tags

todas as tags


sugestão: revista arqa #84/85
links